Qual deve ser a duração do repouso após cirurgias abdominais ou correção de hérnias? 

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Com o advento de projetos que priorizam a otimização da recuperação pós-operatória, a exemplo do protocolo ERAS (Enhanced Recovery After Surgery), as recomendações para deambulação e retorno às atividades laborais têm se tornado cada vez mais precoces. Essa abordagem vem se mostrado benéfica, pois além de auxiliar a recuperação do paciente após as cirurgias, reduzindo o impacto socioeconômico relacionado ao tempo de inatividade laboral. 

Para cirurgias abdominais, como laparotomias e abordagens videolaparoscópicas, e correções de hérnias ventrais, todavia, persiste o questionamento sobre o quão cedo o paciente pode ser liberado para realizar atividades físicas sem aumento do risco de hérnias incisionais. Até o presente momento não há evidência consistente na literatura sobre o período ideal de repouso pós-operatório e as recomendações têm sido individualizadas pelos cirurgiões, tendendo muitas vezes a serem excessivamente conservadoras. 

Leia também: Telas de alta gramatura são superiores no reparo laparoscópico de hérnias inguinais 

Qual deve ser a duração do repouso após cirurgias abdominais ou correção de hérnias? 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Estudo recente

Pensando em elucidar esse questionamento, um estudo foi conduzido com cirurgiões especialistas durante o 41º Congresso Anual Internacional da Sociedade Europeia de Hérnia. 127 cirurgiões com alta expertise, 83,9% tinham em torno de 11 anos de atuação, foram questionados sobre o período ideal para retorno às atividades físicas habituais após abordagens abdominais ou de correção herniária. Os resultados obtidos foram: para laparotomias verticais ou transversais um total de 56,7% acharam apropriada a recomendação de 4 semanas de repouso, enquanto 31,5% recomendariam um período maior (entre 6 e 12 semanas). Já em laparoscopias, 57,5% afirmaram ser suficiente o período de 2 semanas e 36,2% afirmaram que 0 e 1,5 semanas seriam suficientes nesta abordagem. Para hérnias inguinais o período de 2 semanas foi considerado apropriado para 55,9% no reparo aberto de Lichtenstein e para 59,8% nos reparos endoscópicos (TAPP/TEP), sendo que aproximadamente 28% dos participantes consideraram esse período muito longo para reparos inguinais minimamente invasivos. Já nas correções de hérnias ventrais ou incisionais tipo sublay ou IPOM (Intra-Peritoneal Onlay Mesh) mais de 50% responderam que 4 semanas seriam suficientes, enquanto para reparos herniários complexos, 47,2% consideraram 4 semanas um período de repouso muito curto, indicando entre 5 e 16 semanas. 

Saiba mais: Avaliação do risco cirúrgico em pacientes vacinados contra Covid-19 e cirurgias eletivas

Em resumo, mesmo com uma relativa variabilidade nos resultados, a recomendação foi de retorno à atividade física e esforço laboral após 2 semanas para laparoscopias e herniorrafias inguinais e após 4 semanas para laparotomias e reparos abertos de hérnias incisionais e ventrais. 

O que levar para casa 

Levando em consideração que a reestruturação da parede abdominal está mais intrinsecamente relacionada a fatores como o metabolismo do colágeno, técnica de síntese, infecção de ferida operatória e obesidade, é razoável que o cirurgião viabilize o retorno o mais breve possível do paciente às atividades cotidianas, compreendendo que recomendações excessivamente restritivas, além de não reduzirem a incidência de hérnias incisionais, também afetam negativamente a recuperação pós-operatória do paciente. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Schaaf S, Willms A, Schwab R, Güsgen C. Recommendations on postoperative strain and physical labor after abdominal and hernia surgery: an expert survey of attendants of the 41st EHS Annual International Congress of the European Hernia Society. Hernia. 2021. doi10.1007/s10029-021-02377-w
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar