Página Principal > Colunistas > Qual é a importância do controle glicêmico na terapia intensiva?
controle glicêmico

Qual é a importância do controle glicêmico na terapia intensiva?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Nos pacientes críticos, os guidelines atuais orientam que a glicemia capilar se mantenha entre 108-180mg/dl. Essas recomendações são bem estabelecidas pelo algoritmo NICE-SUGAR, que mostra redução da mortalidade quando a glicose se mantém nesses valores comparada a um controle glicêmico mais intenso (<108mg/dl).

A questão é, podemos ser mais liberais ainda? Principalmente naqueles pacientes com diagnóstico prévio de DM2? O racional é evitar hipoglicemias que podem ser gravíssimas nesse contexto sem acarretar risco de desfechos desfavoráveis em pacientes com potencial de gravidade elevado.

Leia mais: Níveis baixos de glicemia em pacientes hospitalizados aumentam a mortalidade

Em um recente estudo realizado na Austrália, pesquisadores tentaram responder a essas perguntas. Trata-se do levantamento prospectivo realizado em uma UTI geral de 22 leitos, a duração foi de 15 meses e a pesquisa analisou de maneira sequencial 350 pacientes diabéticos que receberam controle glicêmico “padrão” versus 350 pacientes diabéticos que receberam controle glicêmico “mais liberal”. Os alvos eram 108-180mg/dl e 180-252mg/dl, respectivamente.

Os pacientes foram diagnosticados com diabetes do tipo 2 (>95%), 1/3 destes já usavam insulina, na sua maioria os pacientes eram do sexo masculino e possuíam algum grau de disfunção renal.

Conclusão

O controle “mais liberal” reduziu a variabilidade glicêmica (diminuindo a chance de hipoglicemias) sem piorar o desfecho clínico do paciente: disfunção renal, alteração leucocitária, mortalidade, tempo de ventilação mecânica e tempo de internação.

Limitações

Estudo prospectivo não randomizado, com poucos pacientes e principalmente não acompanhou a médio e longo prazo os indivíduos após a alta hospitalar.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Francisco Blotta

Endocrinologista pela UFRJ ⦁ Residencia de Clínica Médica e Endocrinologia na UFRJ ⦁ Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia ⦁ Membro da Endocrine Society ⦁ Endocrinologista do Beep Saúde – Health Care On Demand ⦁Consultório particular: LeMonde Av. Americas 3500 bl4/540 Tel 3547-4025 ⦁ franciscoblotta@hotmail.com ⦁ http://www.drfranciscoblotta.com/

Referências:

  • Luethi N et al. Liberal glucose control in ICU patients with diabetes: A before-and-after study. Crit Care Med 2018 Jun; 46:935 || https://doi.org/10.1097/CCM.0000000000003087

5 Comentários

  1. Gostei das informações, muito interessante!

  2. Parabéns pela pesquisa

  3. Maria Helena Ferreira Sousa

    Muito importante essa matéria excelente qualidade, pois sou portadora do diabetes tipo dois.

  4. Quando se trata de uma questão emocional que faz elevar o índice de glicemia?

  5. Iacauamirim cordeiro dantas

    Bom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.