Qual é a incidência de AVC isquêmico em usuários de novos anticoagulantes?

Um estudo recente comparou pacientes utilizando varfarina e novos anticoagulantes orais quanto ao desfecho do AVC isquêmico. Confira os resultados:

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Fibrilação atrial é um fator de risco importante para acidente vascular encefálico isquêmico (AVEi), um dos motivos para prescrição de anticoagulantes. Os antagonistas da vitamina K, como a varfarina, são uma das opções para anticoagulação, mas possuem a desvantagem de necessitar de controle da dosagem através do INR frequentemente e tempo longo até ajuste da dose ideal.

Os novos anticoagulantes orais, como dabigatrana, rivaroxabana, apixabana e edoxabana, surgiram como uma alternativa à varfarina. Possuem início de ação rápido e meia-vida curta. Entre as desvantagens, inclui-se o alto custo e testes complexos para avaliação da eficácia.

Um estudo realizado nos EUA comparou pacientes utilizando varfarina e novos anticoagulantes quanto ao desfecho AVE isquêmico. A conclusão obtida foi que os pacientes em uso de novos anticoagulantes apresentaram maior incidência do desfecho, resultado estatisticamente significativo. No entanto, a diferença não foi estatisticamente significativa quando individualizado para o uso de edoxabana e rivaroxabana.

Leia mais: Stroke-heart syndrome: qual é a relação entre AVC isquêmico e cardiopatia?

A prevalência de fatores de risco, como hipertensão, diabetes mellitus, idade de 75 anos ou mais, insuficiência cardíaca e sexo feminino, era maior nos usuários de varfarina. Com base na pontuação do NIHSS, a gravidade do AVE também foi maior com varfarina.

Em contraste, a frequência de AVE hemorrágico é menor em usuários de novos anticoagulantes. Entretanto, os acidentes isquêmicos são mais comuns que os hemorrágicos, motivo que tem gerado preocupação.

Uma das hipóteses cogitadas é que os usuários de novos anticoagulantes são menos fortemente anticoagulados, o que se justificaria pelo menor tempo de início de efeito o que não provocaria uma sobredosagem compensatória e pela meia-vida curta, podendo resultar na perda da anticoagulação se o paciente não tomar a medicação corretamente. Logo, o monitoramento da anticoagulação para os novos anticoagulantes orais afim de evitar eventos isquêmicos é necessário e uma necessidade ainda não resolvida.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • SHPAK, M; RAMAKRISHNAN, A; NADASDY, Z et al. Higher Incidence of Ischemic Stroke in Patients Taking Novel Oral Anticoagulants. Stroke, n.49, p.2851-2856, 2018.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.

Especialidades