Qual é a utilidade do bloqueio de nervo intraoperatório nas cirurgias de coluna?

Estudo analisou pacientes consecutivos submetidos a cirurgias de coluna em um centro americano entre fevereiro de 2020 e março de 2021.

O pós-operatório das cirurgias de coluna geralmente é bastante doloroso, requerendo altas doses de opioides. Dessa maneira, é importante a evolução de alternativas para o controle álgico. Os bloqueios intraoperatórios realizados pelo cirurgião já são realizados durante artroplastias de joelho, por exemplo. Entretanto, os dados são escassos quanto à essa prática nas cirurgias de coluna lombossacra.

Leia também: Dores no pós-operatório de cirurgias de coluna

Foi publicado no último mês no Journal of the American Medical Association – JAMA um estudo com o objetivo de avaliar o uso de um novo bloqueio do ramo dorsal guiado por Raio X feito pelo cirurgião nas cirurgias de coluna lombar.

intraoperatório nas cirurgias de coluna

O estudo

Foi analisada uma coorte retrospectiva de pacientes consecutivos submetidos à cirurgia de coluna lombossacra não instrumentada por 2 neurocirurgiões em um centro terciário americano entre fevereiro de 2020 e março de 2021. Os resultados primários foram o escore de dor na escala visual analógica (EVA) na unidade de recuperação pós-anestésica (URPA), uso de opioides na URPA e tempo de internação.

Foram incluídos 107 pacientes, dos quais 58 foram submetidos a bloqueio de ramo dorsal antes da cirurgia (33 homens [56,9%], 25 mulheres [43,1%]; idade média [DP] 58,8 [15,6] anos) e 49 não receberam o bloqueio (31 homens [63,3%], 18 mulheres [36,7%]; idade média [DP] 61,7 [15,7] anos). Esses grupos de tratamento foram semelhantes.

Os pacientes no grupo do bloqueio tiveram a média dos primeiros escores EVA que foram 1,5 (de 10) pontos mais baixos do que aqueles no grupo que não recebeu o bloqueio (2,4 vs 3,9; redução de 39%; IC de 95%, -0,3 a -2,8; P = 0,02) e foi necessário, em média, 9,0 menos equivalentes de morfina oral (OMEs) na URPA (12,0 vs 21,0; 43% de redução; IC95%, −3,8 a −14,2; P < 0,001).

Não houve diferença no tempo médio de permanência entre os grupos com bloqueio e sem bloqueio (1,1 vs 1,5 dias; IC95%, -0,9 a 1,7 dias; P = 0,56). O tempo médio (DP) necessário para realizar o bloqueio foi de 5,9 (2,6) minutos. Nenhum evento adverso ocorreu em nenhum dos grupos.

Saiba mais: Práticas que melhoram desfecho neurológico perioperatório

Conclusão

O estudo foi limitado por seu pequeno tamanho de amostra e desenho retrospectivo não randomizado. A otimização do controle da dor através do uso de bloqueios anestésicos locais administrados pelo cirurgião pode representar uma oportunidade, em vários campos cirúrgicos, para melhorar a recuperação do paciente, reduzir o uso de opioides no pós-operatório e diminuir o abuso de medicação.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Joiner EF, Neira JA, Yevudza WE Jr, Weller MA, Wagener G, Angevine PD, Mandigo CE. Surgeon-Delivered Nerve Block for Reduction of Perioperative Pain and Opioid Use After Lumbosacral Spine Surgery. JAMA Netw Open. 2022 Dec 1;5(12):e2248439. DOI: 10.1001/jamanetworkopen.2022.48439.