Página Principal > Psiquiatria > Qual é o melhor antidepressivo para adultos? Estudo compara 21 fármacos
pilulas de diversos medicamentos

Qual é o melhor antidepressivo para adultos? Estudo compara 21 fármacos

Tempo de leitura: 2 minutos.

O transtorno depressivo maior, popularmente chamado de depressão, é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns em adultos. Para o tratamento dessa condição, estão disponíveis antidepressivos, além de intervenções não farmacológicas, como o mindfulness. As diretrizes orientam que a decisão por qual medicamento prescrever seja guiada pelas características do paciente e pela melhor evidência disponível. Um estudo recente, publicado em abril no The Lancet, comparou 21 fármacos para ajudar nessa escolha.

Para essa revisão sistemática e meta-análise, pesquisadores utilizaram a base da dados do Cochrane, CINAHL, Embase, LILACS, MEDLINE e PsycINF desde o início até janeiro de 2016. Foram incluídos 522 ensaios controlados com placebo (n = 116.477) de 21 antidepressivos utilizados para o tratamento de adultos (≥ 18 anos e de ambos os sexos) com transtorno depressivo maior. Os desfechos primários foram eficácia (taxa de resposta) e aceitabilidade (descontinuações do tratamento por qualquer causa).

Os antidepressivos analisados foram: agomelatina, amitriptilina, bupropiona, citalopram, clomipramina, desvenlafaxina, duloxetina, escitalopram, fluoxetina, fluvoxamina, levomilnaciprano, milnaciprano, mirtazapina, nefazodona, paroxetina, reboxetina, sertralina, trazodona, venlafaxina, vilazodona e vortioxetina.

LEIA MAIS: Droga intranasal para depressão mostra boa eficácia em estudos iniciais

Eficácia dos antidepressivos

Em termos de eficácia, todos os antidepressivos foram mais eficazes do que o placebo, com os odds ratios (OR) variando entre 2,13 (ICr de 95%: 1,89 a 2,41) para amitriptilina e 1,37 (1,16 a 1,63) para a reboxetina.

Em estudos comparativos, os medicamentos mais eficazes foram (variação de OR: 1,19 a 1,96):

  • Agomelatina
  • Amitriptilina
  • Escitalopram
  • Mirtazapina
  • Paroxetina
  • Venlafaxina
  • Vortioxetina

Já os menos eficazes foram (0,41 a 0,84):

  • Fluoxetina
  • Fluvoxamina
  • Reboxetina
  • Trazodona

LEIA MAIS: Como manejar a depressão no idoso?

Aceitabilidade dos antidepressivos

Para aceitabilidade, apenas agomelatina (OR: 0,84, ICr de 95%: 72 a 0,9) e fluoxetina (OR: 0,88, ICr de 95%: 0,80 a 0,9) foram associadas a menos desistências do que o placebo. Já a clomipramina teve resultados piores do que o placebo (OR: 1,30, ICr de 95%: 1,01 a 1,68).

Em estudos comparativos, os medicamentos com mais aceitabilidade foram (variação de OR: 0,43 a 0,71):

  • Agomelatina
  • Citalopram
  • Escitalopram
  • Fluoxetina
  • Sertralina
  • Vortioxetina

Os que tiveram maiores taxas de abandono foram (1,30 a 2,32):

  • Amitriptilina
  • Clomipramina
  • Duloxetina
  • Fluvoxamina
  • Reboxetina
  • Trazodona
  • Venlafaxina

Limitações:

Entre as limitações do estudo, os autores destacaram que 46 (9%) ensaios foram classificados como contendo alto risco de viés, 380 (73%) como moderado e 96 (18%) como baixo; e a certeza da evidência era moderada a muito baixa.

LEIA MAIS: Lições de um médico com depressão

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Comparative efficacy and acceptability of 21 antidepressant drugs for the acute treatment of adults with major depressive disorder: a systematic review and network meta-analysis. Cipriani, Andrea et al. The Lancet , Volume 391 , Issue 10128 , 1357 – 1366.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.