Ortopedia

Qual é o melhor tratamento para fraturas do terço distal do rádio a longo prazo em idosos?

Tempo de leitura: 2 min.

As fraturas do terço distal do rádio são fraturas extremamente prevalentes, tendo sido inicialmente descritas por Colles, em 1812. Com 200 anos de experiência no tratamento dessas fraturas, surgiram inúmeras possibilidades, sendo atualmente as principais: redução incruenta seguida por imobilização gessada, pinagem percutânea e imobilização gessada, redução aberta e fixação interna com placa bloqueada volar e fixação externa.

A literatura atual falha em demonstrar qual é o melhor tratamento a longo prazo para fraturas instáveis do terço distal do rádio em idosos. Com base nessa situação, foi publicado recentemente no “Journal of the American Medical Association” um ensaio clínico randomizado internacional (WRIST) a fim de definir qual é o tratamento que possui os melhores resultados após 24 meses de follow-up para as fraturas do terço distal do rádio em pacientes maiores de 60 anos.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Fraturas do terço distal do rádio

Entre abril de 2012 e dezembro de 2016, foram selecionados 182 pacientes acima de 60 anos com fraturas instáveis do rádio distal de 24 serviços hospitalares incluindo Estados Unidos, Canadá e Cingapura. A análise dos dados foi realizada entre março de 2019 e de 2021. Foram consideradas fraturas instáveis e, portanto, elegíveis para o estudo, isoladas do rádio ou com estiloide ulnar associado, classificadas pela AO como A2, A3, C1 ou C2 e preenchendo pelo menos 1 dos seguintes critérios radiográficos após redução: angulação dorsal > 10°, inclinação radial < 15° e encurtamento radial > 3mm.

Veja mais: Desafios no tratamento das fraturas do quadril em pacientes utilizando anticoagulantes

Os pacientes foram aleatoriamente divididos em três grupos: tratamento com redução aberta e fixação interna com placa volar bloqueada (n=65), redução incruenta e pinagem percutânea (n=64), redução incruenta e fixação externa (n=58). Cento e dezessete pacientes optaram por não operar e foram alocados em um grupo redução incruenta e imobilização com aparelho gessado. A medida de desfecho principal analisada foi a pontuação do “Michigan Hand Outcome Questionnaire” (MHQ) aos 24 meses e as medidas de desfecho secundárias foram força de pega, arco de movimento do punho e a avaliação do mesmo MHQ com duas e seis semanas e três, seis e 12 meses.

Como resultados após 24 meses de follow-up, a média do MHQ do grupo fixação com placa foi 88 (IC 95%, 83-92), 83 (IC 95%, 78-88) para fixação externa, 85 (IC 95%, 79-90) para pinagem percutânea e para imobilização gessada, não representando diferença significativa após ajuste para covariáveis. Também não foram significativas as diferenças de escores de dor, força de pega ou arco de movimento do punho após 24 meses. O grupo tratado com imobilização gessada apresentou o maior número de consolidações viciosas (59,1% do total dessas complicações).

Leia também: Fraturas distais do fêmur e fraturas do quadril em idosos: qual apresenta maior mortalidade?

Conclusões

É importante frisar que na seleção dos pacientes foram excluídas as fraturas do tipo Barton (AO do tipo B) já que estas devem ser tratadas preferencialmente por redução aberta e fixação com placa volar. Da mesma maneira, seguem valendo os resultados de trabalhos anteriores para resultados a curto prazo, onde a fixação com placa volar bloqueada permite uma mobilização precoce e retorno mais rápido às atividades.

A grande contribuição do estudo é provar que após 24 meses de tratamento não há diferença funcional entre as diversas opções, ficando a critério do cirurgião em acordo com o paciente.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Chung, Kevin C., et al. “Comparison of 24-Month Outcomes After Treatment for Distal Radius Fracture: The WRIST Randomized Clinical Trial.” JAMA Network Open, vol. 4, no. 6, June 2021, p. e2112710, doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.12710.
Compartilhar
Publicado por
Giovanni Vilardo Cerqueira Guedes

Posts recentes

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

16 horas atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

20 horas atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

1 dia atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

2 dias atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

2 dias atrás

Destaque das diretrizes no manejo do tabagismo

O tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Atualmente são cerca de…

2 dias atrás