Leia mais:
Leia mais:
Influência do estilo de vida na microbiota vaginal e o papel dos probióticos
Microbiota e exercício físico: uma relação ambígua
Probióticos: o que o médico precisa saber?
Microbiota intestinal: um novo órgão?
Fadiga crônica: probióticos ajudam a controlar a síndrome?

Qual o papel da microbiota intestinal nas doenças reumatológicas?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A microbiota intestinal participa de processos biológicos importantes, como resposta imune e interações no metabolismo. Dessa forma, a sua alteração (disbiose) está relacionada a diversas enfermidades, como obesidade, doenças mentais e, inclusive, doenças reumatológicas inflamatórias. A disbiose gera um desequilíbrio das respostas pró e anti-inflamatórias e dessa forma podem participar da etiopatogenia de doenças como artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Sjögren, esclerose sistêmica, espondilite anquilosante e até mesmo osteoartrite.

A microbiota intestinal é um alvo de interesse na prevenção e tratamento dessas doenças, porém os estudos ainda são inconsistentes. Recentemente, foi publicado no Jama, uma revisão sistemática de estudos que avaliam a interação da microbiota com doenças reumatológicas.

microbiota

Métodos

Seleção de artigos das bases PubMed, Embase e Cochrane Library até 11 de março de 2022 por dois pesquisadores, utilizando os seguintes critérios de inclusão: estudo observacional; análise da microbiota intestinal com dados disponíveis sobre medidas de diversidade ou abundância e incluindo participantes com doença reumática. Os desfechos primários foram avaliação da composição da microbiota intestinal (diversidade α e diversidade β) e achados taxonômicos em nível de filo, família e gênero. As informações extraídas dos estudos foram revisadas por quatro pesquisadores, incluindo dados demográficos e de metodologia. Para avaliação da qualidade dos estudos foi aplicada a escala NOS que avalia qualidade para estudos observacionais com base na seleção, comparabilidade e resultado dos artigos.

A partir de dados disponíveis em pelo menos dez estudos, foi realizada metanálise sobre as diferenças na diversidade α entre pacientes com doença reumática e controles, calculando a diferença média padronizada agrupada e seu intervalo de confiança de 95%. Através dos dados obtidos, os estudos foram estratificados em três subgrupos: tipo específico de doença reumática, distribuição regional das populações do estudo (ocidental x oriental) e administração de medicamentos antirreumáticos (em tratamento x naïve).

As diferenças na diversidade β entre pacientes com doenças reumáticas e controles foram resumidas de forma qualitativa. Para confirmar alterações da microbiota específicas da doença, primeiro observou-se concordância dos microorganismos em pelo menos dois estudos, sendo então categorizados como aumentados, reduzidos ou “não consistentes” em pacientes com doença reumática em comparação com o grupo controle.

Resultados

Foram incluídos 92 estudos com 14 doenças reumatológicas distintas, sendo artrite reumatoide a mais pesquisada, seguida por lúpus eritematoso sistêmico, espondilite anquilosante, esclerose sistêmica, osteoartrite e síndrome de Sjögren.

57,6% dos estudos foram realizados em países orientais.  A maioria dos estudos não especificou o uso concomitante de medicações, sendo 27% virgens de tratamento, em torno de 10% em tratamento definido e o restante não relatado.

Em relação a qualidade dos estudos segundo a pontuação total da NOS, 31 foram classificados como de baixa qualidade, 54 como de qualidade moderada e 7 como de alta qualidade.
Existe uma redução geral da população α da microbiota, contudo ao se avaliar doenças específicas essa redução ocorreu na artrite reumatoide, LES, gota e fibromialgia. Na esclerose sistêmica houve um aumento dessa diversidade.

Espondilite anquilosante e doença do IgG4 apresentam diferenças estatisticamente significativas na população β da microbiota. foram consistentemente relatadas em espondilite anquilosante e doenças relacionadas a IgG4.
Depleção de Faecalibacterium (produtor de butirato) e o aumento de bactérias pró-inflamatórias como Streptococcus spp. foram observados na artrite reumatóide, síndrome de Sjögren e lúpus eritematoso sistêmico.

Leia também: Como avaliar o paciente com queixa de inchaço e distensão abdominal?

Mensagens práticas

O papel do microbioma nas doenças inflamatórias é tema conhecido, todavia diante a grande diversidade da nossa microbiota e pouca padronização dos estudos clínicos, o papel prático na terapêutica ainda vem sendo definido. O estudo em questão é uma revisão sistemática da microbiota nas doenças reumatológicas, sendo importante pois compreender a fisiopatologia é a base necessária para futuros estudos de intervenção.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
# Wang Y, Wei J, Zhang W, et al. Gut dysbiosis in rheumatic diseases: A systematic review and meta-analysis of 92 observational studies [published online ahead of print, 2022 May 17]. EBioMedicine. 2022;80:104055. doi:10.1016/j.ebiom.2022.104055
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.