Qual o risco da angioplastia de oclusões totais das coronárias? - PEBMED

Qual o risco da angioplastia de oclusões totais das coronárias?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Oclusões totais e crônicas da coronárias, também chamadas de CTO (Chronic Total Occlusion), são lesões presentes há pelo menos 3 meses e causando fluxo TIMI 0 (zero), com uma prevalência estimada em 16-20% das coronariografias. Ao contrário das oclusões agudas do IAM com supraST, as CTO têm menor chance de tratamento por angioplastia e maior risco de complicações. Há, inclusive, estudos que questionam quais CTO devem tentar ser tratadas ou não. 

imagem ilustrando oclusões totais das coronárias

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Angioplastia e risco de perfuração de coronária

Um estudo recente analisou o risco de perfuração de coronária em tentativas de angioplastia de CTO. O registro dos EUA analisou 1.000 angioplastias de CTO, nas quais ocorreram 89 perfurações. Destas, 48% tiveram consequências clínicas, incluindo 10% de óbitos, 11% de tamponamentos e 23% de derrames pericárdicos sintomáticos. A população tinha idade média de 70 anos, 90% hipertensos, 40% diabéticos, 50% com IAM prévio e 50% apresentavam fração de ejeção reduzida.

Quais as lesões de maior risco?

  • Maior diâmetro (> 300m²)
  • Proximais
  • Em colaterais
  • Formato “em nuvem” (eles não usaram a classificação de Ellis para perfuração)

Um fato que os autores destacaram é que ter ou não CRVM prévia não influenciou o risco de perfuração, o que vai contra um senso comum antigo que pacientes com mamária ou safena estariam protegidos.

Autor:

Referências:

  • JACC Cardiovasc Interv. 2018 Sep 24;11(18):1797-1810. doi: 10.1016/j.jcin.2018.05.052.
  • A Detailed Analysis of Perforations During Chronic Total Occlusion Angioplasty. Taishi Hirai, William J. Nicholson, James Sapontis, Adam C. Salisbury, Steven P. Marso, William Lombardi, Dimitri Karmpaliotis, Jeffrey Moses, Ashish Pershad, R. Michael Wyman, Anthony Spaedy, Stephen Cook, Parag Doshi, Robert Federici, Karen Nugent, Kensey L. Gosch, John A. Spertus, J. Aaron Grantham, on behalf of the OPEN-CTO Study Group. J Am Coll Cardiol Intv. 2019 Oct, 12 (19) 1902-1912.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. TERCIA SILVA

    EXCELENTE ESTUDO! COM ÓTIMA ORIENTAÇÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar