Qual o tempo ideal para uma cirurgia eletiva após a infecção pela Covid-19?

Com a Ômicron, reacende a discussão de quanto tempo devemos aguardar para fazer uma cirurgia eletiva após a infecção por Covid-19.

Após as primeiras ondas de Covid, todos estavam esperançosos que a pandemia estaria perto de um final. No entanto, no quarto trimestre de 2021 foi descoberta a variante Ômicron e, concomitante, um número avassalador de casos foram sendo diagnosticados em diferentes países.

Assim como nas outras ondas, aqui no Brasil podemos acompanhar e até mesmo prever o que estaria por vir, uma vez que, apesar das peculiaridades brasileiras, o padrão foi sempre semelhante ao que aconteceu na Europa e nos EUA. Na variante Ômicron não está sendo diferente. Inicialmente, ao ser descoberta na África do Sul alguns até postularam que no Brasil já teria ocorrido o surto desta variante, no entanto não foi detectada.

Infelizmente, esta teoria está longe de ser correta e o que detectamos hoje são incontáveis pacientes com teste positivo para Covid. O marcante desta nova variante é sua menor virulência com um predomínio de casos leves e até mesmo assintomáticos.

Leia também: Vacinas permanecem eficazes contra a Ômicron: as evidências até aqui

Isto levou a um aumento de detecção de casos diagnosticados de forma assintomática, principalmente em pacientes que seriam submetidos a tratamento cirúrgico eletivo. Um teste positivo pré-operatório obriga a suspensão do procedimento, já que a realização de procedimento cirúrgico logo após uma infecção por Covid-19 aumenta o número de complicações e óbitos.

Qual o tempo ideal para uma cirurgia eletiva após a infecção pela Covid-19?

Ômicron e cirurgias eletivas

Com a Ômicron, reacende a discussão se realmente devemos aguardar o tempo originalmente proposto ou se podemos encurtar esta espera e realizar o procedimento operatório. Apesar da ansiedade do paciente, os procedimentos eletivos devem ser realizados em uma condição clínica ideal do paciente. Caso se torne imperativo a realização do procedimento, este deixa de ser eletivo e se torna urgência/emergência e assim deve ser tratado como tal. Apesar deste apelo pela menor virulência, não existe nenhuma recomendação para que se encurte o tempo de espera entre o diagnóstico de Covid e a realização da cirurgia.

A Sociedade Brasileira de Anestesia (SBA) emitiu uma carta em conjunto com a Sociedade Americana de Anestesia (ASA), em 2021, que devido ao aumento de complicações até quatro semanas após a detecção do SARS-COV-2, os procedimentos devem ser adiados por pelo menos esse período. No entanto, pacientes com quadro mais grave ou portadores de doenças crônicas o período de espera pode chegar até três meses. De forma objetiva e prática a carta fez as seguintes recomendações:

  • 4 semanas para um paciente assintomático ou após recuperação de sintomas leves, não respiratórios;
  • 6 semanas para um paciente sintomático (ex.: tosse, dispneia) que não necessitou de internação;
  • 8 a 10 semanas para um paciente sintomático que é diabético, está imunocomprometido ou hospitalizado;
  • 12 semanas para um paciente que deu entrada na UTI devido à Covid-19.

Para levar para casa

Mesmo com a Ômicron, não existe nenhuma nova recomendação para diminuição do tempo de espera para a realização de procedimentos cirúrgicos eletivos. O bom senso deve prevalecer! Aguardar o período recomendado é fundamental para prevenir desgastes e complicações desnecessárias.

Veja também: Vacinação contra Covid-19 e desfechos pós-operatórios

Referências bibliográficas:

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.