Qual papel do qSOFA na sepse?

Desde a publicação do SEPSIS-3, tem-se discutido a respeito do escore derivado do SOFA (Sequential Organ Failure Assesment), o qSOFA.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Desde a publicação do SEPSIS-3 em 2016, muito se tem discutido a respeito do escore derivado do SOFA (Sequential Organ Failure Assesment), o quick SOFA (qSOFA). De acordo com o consenso, o qSOFA consiste em analisar três variáveis:

  • PAS (pressão arterial sistólica) ≤ 100 mmHg;
  • Glasgow < 15;
  • Frequência Respiratória ≥ 22 ipm.

O qSOFA é considerado positivo quando dois ou mais desses três critérios estiverem presentes. Portanto, ao ser aplicado em um paciente com suspeita de infecção ou infecção confirmada, um qSOFA positivo indica a necessidade de prosseguir a investigação para sepse, com avaliação da presença de disfunção orgânica através do cálculo do SOFA (SOFA ≥ 2 associado à infecção representa SEPSE) . No entanto, pelo próprio consenso, mesmo em casos de qSOFA negativo, se ainda assim existir uma forte suspeita para disfunção orgânica associada (sepse), deve-se prosseguir a investigação (avaliação do SOFA) e encarar aquele paciente como sepse até que se prove o contrário.

Leia também: Guidelines da Surviving Sepsis Campaign 2021: cuidados iniciais na sepse e choque séptico

Qual papel do qSOFA na sepse?

O qSOFA pode servir então como screening para sepse?

Não. Inclusive, na recente publicação (outubro de 2021) das novas guidelines do Surviving Sepsis Campaign sobre o manejo da sepse e choque séptico, o painel de especialistas recomenda contra o uso do qSOFA como ferramenta exclusiva de rastreio para o diagnóstico de sepse ou choque séptico. 

Qual papel do qSOFA então?

O qSOFA tem papel preditor de mortalidade e de maior tempo de internação em UTI em pacientes com suspeita de sepse ou sepse confirmada. Assim, sua ligação é com DESFECHO e PROGNÓSTICO. As análises realizadas pelo SEPSIS-3 identificaram o qSOFA como um marcador de pior desfecho em pacientes com infecção suspeita ou conhecida. Nenhuma análise foi feita no sentido de validá-lo como ferramenta de screening para o diagnóstico de sepse. 

No estudo original de derivação do qSOFA, os autores reportaram que apenas 24% dos pacientes infectados apresentavam um qSOFA de 2 ou 3 (isso representa baixa sensibilidade). No entanto, esses pacientes representaram 70% dos desfechos piores (isso representa maior especificidade). 

Desde a publicação do SEPSIS-3, inclusive, vários estudos investigaram a potencial aplicação do qSOFA como ferramenta para screening diagnóstico. Os resultados foram contraditórios, não corroborando seu uso para esse fim. As evidências mostram até o momento que o qSOFA, em comparação aos critérios de SIRS (dois ou mais dos 4 critérios), é mais específico e menos sensível para o diagnóstico de disfunção orgânica associada à infecção. Por fim, nem o qSOFA nem SIRS são ferramentas ideais de screening diagnóstico para sepse.  

Como interpreto o qSOFA?

Imagine que você tenha então uma população de três pacientes com suspeita de infecção:

  • Paciente A: qSOFA = 0
  • Paciente B: qSOFA = 2
  • Paciente C: qSOFA = 1

O paciente B é o único com qSOFA positivo. Isso significa que, em uma população de três pacientes com suspeita de infecção, o paciente B tem maior probabilidade de ter um desfecho pior em relação aos outros dois. Logo, se existe um indicativo de pior desfecho em um paciente com suspeita de infecção, é possível que não se trate de infecção simples, mas de um provável quadro de sepse, que leva à maior gravidade que outras condições infecciosas não-sépticas.

O raciocínio acima não exclui o diagnóstico de SEPSE para os pacientes A e B, uma vez que qSOFA positivo não significa diagnóstico de sepse, mas sim pior prognóstico. Se, através de parâmetros clínicos e de história do paciente, a suspeita para sepse existir mesmo assim, prossiga a investigação com avaliação do SOFA do seu paciente. 

Para ilustrar, vamos à próxima e última pergunta da nossa discussão sobre o qSOFA. 

Saiba mais: Meu paciente séptico é cardiopata ou renal. Devo expandir a volemia?

Meu paciente com qSOFA negativo pode ter sepse?

J.A.S, 87 anos, Alzheimer avançado, restrito ao leito. Familiares referem que o mesmo cursa com oligúria, diurese concentrada e de odor fétido em fralda, há 3 dias, além de febre diária. Trouxeram ao PS para avaliação. Glasgow 4 + 2 + 5 – 11 (habitual do paciente) PA: 134/67 FC: 110 FR: 18 ipm SpO2: 95% (ar ambiente) Nesse caso, aplicamos o qSOFA por conta da suspeita de sepse: qSOFA de 1, pelo Glasgow do paciente (já inclusive se tratando de disfunção crônica sem descompensação). 

Com o qSOFA de 1, podemos então excluir o diagnóstico de sepse desse paciente?

Veja que nesse caso, nosso paciente tem história de oligúria e diurese concentrada. Neste momento, não temos acesso à função renal do mesmo, nem o qSOFA pode representar disfunção renal. No entanto, após solicitação dos exames do SOFA, que inclui a avaliação da função renal, podemos flagrar disfunção renal pelo aumento, por exemplo, da creatinina. Sendo assim, mesmo com qSOFA negativo, existe alta suspeita que a infecção (provavelmente urinária) esteja levando à prejuízo da função renal. Ou seja, trata-se de infecção levando à disfunção orgânica, o que representa um quadro de sepse. 

A discussão desse caso está aberta no Fórum do Portal PEBMED. E queremos ouvir sua contribuição e aumentar ainda mais nossa discussão. Aguardamos sua participação. Acesse aqui

Mensagens Práticas

  • O qSOFA não deve ser usado como screening para diagnóstico de sepse;
  • O qSOFA está ligado à maior mortalidade e maior tempo de internação em UTI, sendo marcador de pior desfecho, quando positivo;
  • Um qSOFA negativo não exclui sepse;
  • Avalie dados clínicos e da história do paciente. Se suspeita alta para disfunção orgânica associada à infecção, continue a investigação e conduza como sepse até que se prove o contrário. 

Referências bibliográficas:

  • Evans L, Rhodes A, Alhazzani W, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock 2021 [published online ahead of print, 2021 Oct 2]. Intensive Care Med. 2021;1-67. doi:10.1007/s00134-021-06506-y
  • Singer M, Deutschman CS, Seymour CW, et al. The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). JAMA. 2016;315(8):801-810. doi:10.1001/jama.2016.0287
  • Fernando SM, Tran A, Taljaard M, et al. Prognostic accuracy of the quick sequential organ failure assessment for mortality in patients with suspected infection: A systematic review and meta-analysis. Ann Intern Med 2018; 168:266–275. doi10.7326/M17-2820
  • Herwanto V, Shetty A, Nalos M, et al. Accuracy of quick sequential organ failure assessment score to predict sepsis mortality in 121 studies including 1,716,017 individuals: A systematic review and meta-analysis. Crit Care Explor. 2019; 1:e0043. doi: 10.1097/CCE.0000000000000043
  • Serafim R, Gomes JA, Salluh J, et al. A comparison of the quick-SOFA and systemic inflammatory response syndrome criteria for the diagnosis of sepsis and prediction of mortality: A systematic review and meta-analysis. Chest. 2018; 153:646–655. doi10.1016/j.chest.2017.12.015
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags