Hematologia

Quando o diagnóstico de trombocitopenia imune no adulto deve ser considerado?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

As contagens plaquetárias abaixo de 100 mil iniciam a suspeição de PTI. Existe uma proposta de investigação de trombocitopenia com o acompanhamento seriado da contagem de plaquetas entre dois a seis meses ou por dois anos. Além disso, deve-se avaliar o sangue periférico para descartar pseudotrombocitopenia e alterações e morfológicas associadas a doenças hereditárias.

É necessária a investigação com mielograma ou biópsia de medula óssea?

Não existe evidência consistente para investigação de trombocitopenia isolada com mielograma e biópsia de medula óssea.

Quais exames complementares devemos pedir na suspeita de PTI?

Sorologias para investigação de HIV, Hepatite C e B, Citomegalovírus, pesquisa de Helicobacter pylori, doenças reumatológicas, síndrome do anticorpo antifosfolipídeo e TSH. Em determinados casos, screening para neoplasias deve ser realizado, como na suspeita de Leucemia Linfocítica Crônica, por exemplo.

Quando chamamos a doença de aguda ou crônica?

Evitamos chamar PTI de aguda. A doença recém diagnosticada que não sustenta resposta no período de três a doze meses após tratamento deve ser chamada de persistente e, com a persistência de trombocitopenia por mais de doze meses, chamamos de PTI refratária.

Quais critérios consideramos como PTI refratária, resposta completa ou resposta parcial?

Resposta completa inclui contagem plaquetária acima de 100 x 109/L após tratamento e nenhum sangramento importante. Já resposta parcial inclui contagem plaquetária entre 30 e 100 x 109/L sem sangramento importante após tratamento.

Leia maisTrombocitopenia induzida por heparina: como diagnosticar e tratar?

Por fim, PTI refratária pode ser considerada baseada em dois critérios: doença refratária ou recaída após esplenectomia ou sintomas hemorrágicos que requerem tratamento.

O que fazer com o doente com PTI que possui sangramento ativo?

PTI com contagem plaquetária abaixo de 20 x 109/L e sangramento ativo recebem tratamento com imunoglobulina associada ou não à corticoterapia. A transfusão de plaquetas é indicada somente em caso de PTI refratária com sangramento ativo e imunoglobulina associada.

Quando a esplenectomia é indicada no tratamento da PTI?

PTI refratária e recorrente é indicação de esplenectomia. Algumas situações devem ser consideradas, como: falha terapêutica com uso de corticoesteroides, uso prolongado de altas doses de corticoides e/ou contra indicação ao uso dessas drogas, por exemplo.

Quais outras drogas usadas no controle da PTI?

São aprovadas e utilizadas drogas como azatioprina, danazol, ciclosporina A, micofenolato com eficácia variada.

Qual o papel dos agonistas do receptor de trombopoetina na PTI?

São utilizados dois tipos de agonistas do receptor da trombopoetina: eltrombopag e romiplostim. Ambos com indicação na PTI refratária.

Qual a contagem plaquetária necessária para internação hospitalar?

Não existe número exato de plaquetas para internar um paciente. Existe associação de menos de 30 x 109/L plaquetas com maior risco de fenômenos hemorrágicos.

O que devemos saber sobre o paciente que se submeterá à esplenectomia?

Os pacientes deverão receber antes da cirurgia vacina contra pneumococo, Haemophylus influenza e meningococo.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • OZELO, Margareth Castro et al . Guideline on immune thrombocytopenia in adults: Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular. Project Guidelines: Associação Médica Brasileira – 2018. Hematol., Transfus. Cell Ther., São Paulo , v. 40, n. 1, p. 50-74, Mar. 2018.
Compartilhar
Publicado por
Jamili Zanon Bonicenha

Posts recentes

VNI em Paciente Asmático é destaque dos novos conteúdos da semana

VNI em Paciente Asmático é destaque dos conteúdos novos em Guia de VM. Neste post,…

5 horas atrás

Como avaliar o paciente com queixa de inchaço e distensão abdominal?

Inchaço e distensão abdominal são queixas frequentes no consultório. Neste post, Fernanda Azevedo dá dicas…

6 horas atrás

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

7 horas atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

8 horas atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

9 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

10 horas atrás