Quando usar inibidor de bomba de prótons como profilaxia de HDA?

A NEJM publicou um excelente artigo de revisão sobre a profilaxia de hemorragia digestiva alta (HDA) em pacientes hospitalizados.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A NEJM publicou um excelente artigo de revisão sobre a profilaxia de hemorragia digestiva alta (HDA) em pacientes hospitalizados. Tecnicamente, trata-se de prevenção das chamadas “úlceras de estresse”, cujo nome mais adequado hoje em dia é lesão aguda da mucosa gástrica (LAMG). A fisiopatologia dessas lesões ocorre pela quebra da barreira da mucosa, que protege da acidez do suco gástrico, e está relacionada com a redução das prostaglandinas e do óxido nítrico por conta de comorbidades sistêmicas.

No ambiente de terapia intensiva, a incidência de LAMG e HDA é maior que nas enfermarias e está relacionada com a maior gravidade dos pacientes. Estima-se que ocorra em 5-25% dos pacientes no CTI, com uma taxa de sangramento grave de 1-5%, ao passo que na enfermaria a incidência estimada é menor, bem como a taxa de HDA grave (< 1%).

Considerando então a LAMG uma doença relativamente comum, há anos é proposta a profilaxia das lesões. O método não farmacológico mais eficaz é a nutrição enteral: ao escolher a via gastrointestinal e estimular o retorno precoce da dieta, há drástica redução no risco de LAMG e HDA. Contudo, em muitos casos é necessário complementar a profilaxia com uma estratégia farmacológica. O sucralfato, os anti-histamínicos e os inibidores da bomba de prótons (IBP) são as drogas mais utilizadas. Com a redução de custos, a boa tolerabilidade e o baixo risco de eventos adversos, os IBP se tornaram a droga de escolha.

O problema é que os médicos têm “escolhido demais” utilizar IBP, e passaram a prescrevê-los mesmo em pacientes de baixo risco (estima-se que mais de 60% dos pacientes internados estejam usando IBP!). A consequência foi um aumento na incidência de efeitos colaterais – eles são raros, mas temos usado tanto IBP, que acabam aparecendo. Este tema é tão importante, que a redução na prescrição indiscriminada de IBP se tornou um dos 5 pontos centrais da campanha Choosing Wisely dos pacientes em medicina interna hospitalista.

Principais efeitos colaterais do uso crônico de IBP:

  • Colonização gástrica e maior risco de pneumonia nosocomial
  • Diarreia
  • Má absorção B12
  • Hipomagnesemia
  • Infecção por Clostridium difficile
  • Nefrite intersticial
  • Osteoporose

Qual a saída?

Identificar os pacientes de maior risco para LAMG/HDA, pois são eles que se beneficiam da profilaxia com IBP. Neste aspecto, há dois grupos: um para os quais a profilaxia é indicada, está bem respaldada nos estudos; e outro onde há muito debate. Este último grupo é principalmente os pacientes de enfermaria, que são mais heterogêneos e de menor complexidade.

Profilaxia está indicada

Ventilação mecânica* Coagulopatia Dupla antiagregação plaquetária
AINE TCE ECMO
Sepse Grave Anticoagulação Plena Instabilidade hemodinâmica

Profilaxia questionável

Corticoide Hepatopata** Diálise**

*> 48h para a maioria dos autores
**No artigo da NEJM aparece como critério maior (profilaxia indicada)

Diretrizes de desprescrição: como suspender um inibidor de bomba de prótons?

E na enfermaria?

Um estudo recente propõe utilizarmos um escore que classifique o paciente em grupos de risco para HDA por LAMG.

Idade > 60 anos 2
Masculino 2
Insuficiência renal aguda 2
Hepatopatia 2
Sepse 2
Uso anticoagulante dose profilática 2
Coagulopatia ou anticoagulante dose plena* 3
Internação em medicina interna / clínica médica 3

*Enoxaparina > 60 mg/dia
*INR > 1,5, PTTr > 2x controle e/ou plaquetas < 50 mil.

Faixas de Risco:

  • Baixo: ≤ 7
  • Médio: 8-9
  • Alto: 10-11
  • Muito Alto: ≥ 12

Neste artigo, os autores propõem o uso de IBP nos grupos de Alto ou Muito Alto Risco.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • Deborah Cook, M.D., and Gordon Guyatt, M.D. Prophylaxis against Upper Gastrointestinal Bleeding in Hospitalized Patients. June 28, 2018. N Engl J Med 2018; 378:2506-2516 || DOI: 10.1056/NEJMra1605507
  • Herzig, S.J., Rothberg, M.B., Feinbloom, D.B. et al. J GEN INTERN MED (2013) 28: 683. https://doi.org/10.1007/s11606-012-2296-x
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades