Enfermagem

Queimaduras: as cicatrizes podem marcar o corpo e a alma!

Tempo de leitura: 4 min.

Este mês também será pintado de laranja, pois no dia 06 de junho comemoramos o Dia Nacional da Luta contra Queimaduras. Acidente que se mostra comum nos lares brasileiros, pois temos em média 1 milhão de vítimas ao ano.

A Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ) lança a campanha deste ano com o seguinte dizer: “Álcool e fogo: mantenha o distanciamento. Contra queimaduras, prevenção é a vacina”.

Queimaduras são acidentes possíveis de serem evitados, por está razão a campanha vem com o intuito de conscientizar a população para o risco da mistura álcool e fogo.

No Brasil temos uma lei voltada para este tema, a Lei 12.026/2009, que institui o Dia Nacional de Luta contra Queimaduras.

As queimaduras podem ser causadas por diferentes agentes como: agentes químicos (álcool), térmicos (líquidos quentes), elétricos e radioativos. Além de fazerem sofrer, as queimaduras deixam suas marcas no paciente e em sua família e, consequentemente, muitos destes acabam precisando de cuidados que vão bem além do tratamento hospitalar, necessitando inclusive de apoio psicológico para conseguirem lidar com o trauma.

Queimaduras são lesões traumáticas que são classificadas de acordo com sua profundidade e tamanho, e o percentual corporal atingido é usado para mensurar a extensão da lesão. 

Elas podem ser classificadas em graus 1, 2 e 3, e sua gravidade se dá a partir desta classificação. 

Grau 1: São lesões superficiais que atingem a epiderme. Sua cicatrização acontece entre três e seis dias, normalmente não deixam cicatrizes. 

Grau 2 (superficial e profunda): Atinge derme e epiderme e pode acometer terminações nervosas, formam-se bolhas e sua cicatrização deixa marcas e pode levar de três semanas ou mais para acontecer. 

Grau 3: São lesões profundas que acometem derme e tecidos subcutâneos. Podem acometer músculos e ossos inclusive, e necessitam de reparação cirúrgica para sua cicatrização acontecer.

A atenção voltada para este tema vem em conjunto com uma grande preocupação que o mundo vive neste segundo ano pandêmico, a luta contra o coronavírus, pois os estímulos voltados para a higienização das mãos e de objetos com álcool estão diretamente ligados ao aumento dos casos de acidentes com queimaduras. A conscientização e os cuidados com o uso desta substância são de fundamental importância para travarmos uma luta segura contra estes dois vilões. 

Temos hoje cerca de 150 mil internações por ano devido à acidentes que ocasionam queimaduras, onde 30% destes pacientes são crianças

Pacientes queimados que necessitam de hospitalização têm seu prognóstico definido pelos cuidados iniciais que recebem nas primeiras 48 a 72 horas após o trauma. A enfermagem tem papel fundamental nestes cuidados que, por sua vez, se iniciam com a avaliação da gravidade da queimadura que varia de acordo com a profundidade, superfície e parte do corpo queimada.

A abordagem deste paciente deve ser sistematizada com uma avaliação primária e secundária do mesmo. Identificar e priorizar os riscos que ameaçam a vida do paciente também são importantes cuidados iniciais de enfermagem.

Cuidados com a avaliação do comprometimento e permeabilidade das vias aéreas são fundamentais, o enfermeiro deve ofertar oxigênio, aspirar vias aéreas se necessário e examinar o padrão respiratório do mesmo. E deve também se atentar para o controle da dor deste paciente, providenciando acesso venoso calibroso para medicações e reposição volêmica e, ainda, realizar cateterismo vesical de demora para controle do débito urinário. Estes são alguns cuidados de enfermagem fundamentais para um melhor prognóstico do paciente. 

Um olhar especial para manutenção da temperatura corporal também é um importante cuidado de enfermagem, devemos evitar que o paciente tenha hipotermia. 

É indicado que a temperatura corporal do paciente seja verificada a cada uma hora nas primeiras seis horas pós trauma. O ambiente deve ser mantido aquecido, usar cobertores e água em temperatura ambiente para resfriamento das feridas são alguns cuidados essenciais voltados para este fim.  

Por fim é importante ressaltar que as queimaduras podem causar tétano, por isto o enfermeiro deve estar atento ao esquema vacinal do paciente. A vacina antitetânica e a imunoglobulina antitetânica devem ser indicadas se o paciente tiver seu esquema incompleto ou se a última dose tiver sido ministrada há mais de cinco anos. 

 

Acesse nosso App Nursebook para saber mais sobre este conteúdo e muitos outros do Atlas de Dermatologia.

 

Referências Bibliográficas

  • Sociedade Brasileira de Queimaduras. Álcool é tema da campanha junho laranja 2021. [Internet]. 2021. (Acesso 01/06/2021).
  • Ministério da Saúde-MS (BR). Lei N 12.026 de 09 de setembro de 2009. Institui o dia nacional de luta contra queimaduras. s/data. [Internet]. (Acesso 31/05/2021).
  • Santos F. Cuidados de Enfermagem ao Paciente Grande Queimado. Grande queimado. [Internet]. s/data. (Acesso 01/06/2021).
  • Biblioteca Virtual em Saúde-MS (BR). Dia Nacional de Luta Contra Queimaduras. 2018. [Internet]. (Acesso 31/05/2021).
Compartilhar
Publicado por
Liziane Barros

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

7 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

11 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

1 dia atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás