Queimaduras solares: da prevenção ao manejo

Com a chegada do verão, os cuidados preventivos contra o câncer devem ser maiores devido ao aumento da frequência de queimaduras solares.

Dezembro é o mês da campanha nacional de conscientização sobre o câncer de pele o qual inclui alguns fatores de risco importantes. Entre eles o tempo de exposição solar, exposição no horário entre 10 e 16 horas, uso de medicamentos fotossensibilizantes (tetraciclinas, diuréticos tiazídicos, sulfonamidas, anti-inflamatórios e retinoides), alta altitude e fototipos baixos.

Leia também: Verão: o que você precisa saber para proteger seu paciente

Queimaduras solares

Danos por queimaduras solares

Além do desconforto gerado, essa lesão aguda é um fator de risco importante para a ocorrência de  neoplasias cutâneas no futuro. Enquanto a radiação UVB (mais intensa de 10 às 16 horas) está mais associada ao risco de queimadura, danos ao DNA e carcinogênese, a radiação UVA (de intensidade constante ao longo do dia) relaciona-se principalmente a fotoenvelhecimento, reações alérgicas, hiperpigmentação e potencialização dos efeitos carcinogênicos do UVB.

Prevenção

Dessa forma, a fim de evitar o câncer de pele, um bom protetor solar deve ser abrangente, garantindo proteção contra a radiação UVB (FPS maior ou superior a 50) quanto para a radiação UVA (relação FPS/UVA próxima a 1). Para quem tem melasma ou fototipos mais altos, o uso de protetor com cor ainda fornece proteção adicional contra a luz visível, radiação relacionada ao envelhecimento precoce e hiperpigmentação. O produto deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição solar e reaplicado a cada 2 horas nos dias mais quentes. Essas medidas são fundamentais e devem ser adotadas desde a infância, a partir dos 6 meses.

Saiba mais: Perigos do verão: arboviroses

Manejo

Apesar dessas recomendações, em algumas situações não conseguimos evitar a ocorrência de queimaduras solares. Felizmente a maioria das lesões são de 1° grau, caracterizadas por eritema, edema e dor, e a cura pode ocorrer sem intervenção. No entanto, para maior conforto podem ser utilizados analgésicos comuns, compressas frias, hidratantes e corticoides tópicos.

Deve-se reforçar a ingesta hídrica a fim de evitar a desidratação. Já nos casos de 2° e 3° grau ocorre a formação de bolhas, e se uma área extensa é acometida indica-se o uso da fórmula de Parkland para reidratação, além de cuidados especializados da cirurgia plástica e/ou dermatologia.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Passeron T, et al. Photoprotection according to skin phototype and dermatoses: practical recommendations from an expert panel. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2021 Jul;35(7):1460-1469. DOI: 10.1111/jdv.17242
  • Hayley A Braun, et al. Sunburn frequency and risk and protective factors: a cross-sectional survey. Dermatol Online J. 2021 Apr 15; 27(4): 13030/qt6qn7k2gp. PMCID: PMC8281353
  • Greenhalgh DG. Management of Burns. N Engl J Med. 2019 Jun 13;380(24):2349-2359. DOI: 10.1056/NEJMra1807442
  • Guerra KC, Crane JS. Sunburn. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): 2022. Bookshelf ID: NBK534837