Quiz: Paciente em investigação de lesão lítica na calota craniana. Qual o diagnóstico?

Que tal testar seus conhecimentos sobre o investigação e manejo de uma lesão lítica? Confira agora o Quiz PEBMED.

Paciente de seis anos, em investigação de lesão lítica na calota craniana. Realizou radiografia de crânio em Ap e perfil para melhor avaliação.

Quiz 1/

Quais suspeita diagnóstica e a melhor descrição das imagens acima?

Comentários

Vamos a análise das assertivas. A opção A está correta, pois descreve adequadamente a lesão e para a faixa etária pediátrica, o granuloma eosinofílico é uma boa suspeita diagnóstica. Sempre deve ser pensado em crianças com lesão única na calota craniana. 

Opção B está errada, pois a lesão é lítica. 

Opção C incorreta, a lesão encontra-se à esquerda e osteomielite aguda não é uma boa opção aqui. Lembrar ainda, que a osteomielite na fase aguda pode ter um RX normal (exame mais sensível nesta fase é a ressonância, hipossinal em T1). 

Opção D incorreta, displasia fibrosa não apresenta este aspecto de imagem.  

O granuloma eosinofílico faz parte do espectro da histiocitose de células de Langerhans (HCL). No granuloma eosinofílico o paciente apresenta doença localizada no esqueleto (com um único sítio de acometimento) e cerca de 70% dos pacientes com HCL estão neste grupo.  

Os pacientes com granuloma eosinofílico costumam apresentar dor local, hiporexia e outros sintomas frustos, como febre baixa. Lesões na coluna (a clássica vértebra plana pode se apresentar como escoliose ou cifose dolorosas). O crânio e o principal local de acometimento das lesões ósseas, seguido pelo fêmur, mandibular, pelve, costelas e coluna. 

Radiograficamente a lesão óssea na calota craniana possui uma aparência lítica, bem definida (“punched out”), com halo de esclerose. Vale lembrar aqui, que sequestro ósseo pode ser observado no granuloma eosinofílico. 

 Radiografia crânio Ap e perfil. Lesão lítica, bem definida, com halo de esclerose, na região frontal esquerda – setas vermelhas.

Referências bibliográficas:

  • Pizzo PA, Poplack DG. Principles and practice of pediatric oncology. Lippincott Williams & Wilkins. (2006) ISBN:0781754925
  • Corby RR, Stacy GS, Peabody TD et-al. Radiofrequency ablation of solitary eosinophilic granuloma of bone. AJR Am J Roentgenol. 2008;190 (6): 1492-4.
  • Lanzkowsky P. Manual of Pediatric Hematology and Oncology. Academic Press. (2010). 
  • Tatli M, Guzel A, Guzel E. Solitary eosinophilic granuloma of the parietal bone in an adult patient. Neurosciences 2007;2013:160–2 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.