Radar do câncer – exames e tratamentos na pandemia

Tempo de leitura: 2 min.

O Radar do Câncer foi idealizado e criado pelo Instituto Oncoguia com o objetivo de auxiliar pesquisadores, repórteres, associações, secretários de saúde e o público em geral a entender os impactos dos diferentes tipos de câncer na população brasileira, bem como identificar possíveis gargalos no tratamento e na assistência desses pacientes.

Um desses “radares” foi desenvolvido para conhecer o impacto da Covid-19 na assistência oncológica, com foco nos dados coletados no DATASUS. A Covid-19 trouxe mudanças no dia a dia das pessoas, mudando os cuidados pessoais, a interação, a forma de trabalho e, principalmente, os atendimentos no sistema público de saúde. Utilizando esses dados públicos foi possível comparar os dados de 2020 com os de 2019 de alguns itens relacionados com o rastreamento, diagnóstico e tratamento dos pacientes oncológicos.

O radar do câncer e  Covid-19

O Oncoguia ressalta que os dados do período de Covid-19 (mar/2020 a dez/2020) são passíveis de atualização por parte dos estados/municípios, portanto os valores aqui apresentados podem sofrer alterações, de acordo com a atualização dos arquivos do DATASUS.

Alguns destaques, infelizmente muito negativos:

Várias publicações internacionais têm alertado sobre o impacto futuro da Covid-19 na saúde oncológica, que certamente perdurará por muito mais tempo que a eventual duração da pandemia. Redução das taxas de cura já são esperadas nos próximos anos. Exames de rastreamento adiados, sintomas e sinais negligenciados, medo dos pacientes de se contaminarem em clínicas e hospitais, restrições reais de acesso por eventuais lockdowns, sobrecarga real do sistema de saúde, equipes desfalcadas, suspensão de procedimentos considerados eletivos ou não emergenciais, tudo isso vai ter um impacto profundo na saúde oncológica dos brasileiros. Não temos dados consolidados do primeiro bimestre de 2021, mas está claro que aqui a pandemia não acabou, podendo comprometer estes números de maneira similar ou até mais profunda do que 2020.

Se o ritmo da vacinação acelerar forte nas próximas semanas (possível, mas não provável), poderemos ver a redução de casos, quem sabe ainda neste primeiro semestre, do mesmo jeito que alguns países como Israel, a Inglaterra e até os EUA já estão percebendo. Isto poderia ajudar a entrarmos no segundo semestre com uma retomada. Um acúmulo de casos, diagnósticos represados, mas uma retomada dos atendimentos pré-pandemia.

Importante que os médicos, as sociedades médicas envolvidas, a sociedade em geral, os pacientes e as ONGs como o Oncoguia (e tantas outras) conheçam estes dados, alertem e pressionem os Governos nas três esferas (Federal, Estados e Municípios) e o Ministério da Saúde a manter minimamente o funcionamento dos serviços oncológicos durante o ano de 2021, ampliando o acesso, fazendo mutirões para rastreamento, consultas, cirurgias, etc.

Reduções de 30-40-50% em exames e terapias etc. em cima de um histórico de baixa cobertura como a do SUS é assustador…Difícil imaginar que a retomada seja em “V” após uma queda tão brusca, no momento em que vários estados e capitais estão colapsando. Mais tabelas e dados mais completos podem ser acessados no site do Oncoguia ou na referência citada abaixo.

A pandemia vai passar e os pacientes não podem pagar mais este preço devido ao coronavírus.

Autor:

Referência bibliográfica: 

  • http://radardocancer.org.br/painel/covid/

 

Relacionados