Categorias: Pediatria

Recém-nascidos devem receber vacina contra hepatite B nas primeiras 24 horas de vida

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Novas recomendações da American Academy of Pediatrics (AAP) publicadas no último mês dizem que os recém-nascidos clinicamente estáveis pesando 2 kg ou mais devem receber sua primeira dose da vacina contra hepatite B nas primeiras 24 horas de vida.

A infecção crônica pelo vírus da hepatite B (VHB) ocorre em até 90% das crianças infectadas com o vírus ao nascimento ou no primeiro ano de vida. As principais complicações são carcinoma hepatocelular ou cirrose hepática, podendo também ocorrer hepatite aguda, infecção crônica inaparente e hepatite crônica. Estima-se que 25% dos recém-nascidos portadores do VHB podem evoluir ao óbito devido ao carcinoma hepatocelular ou cirrose hepática.

Veja também: ‘Acuidade visual em crianças: quando fazer o screening?’

A prevenção da hepatite B perinatal baseia-se na identificação adequada e oportuna de lactentes nascidos de mães que são antígenos de superfície da hepatite B positivas e de mães com status desconhecido para assegurar a administração de imunoprofilaxia pós-exposição apropriada com vacina contra hepatite B e imunoglobulina.

Após a conclusão de 3 ou 4 doses de vacina contra hepatite B, 98% dos bebês saudáveis atingem uma concentração de anticorpos no sangue até um nível considerado suficientemente protetor. A proteção pode ser menor em bebês com peso inferior a 2 kg ao nascer.

O tempo ideal para realizar testes sorológicos para detectar a resposta da vacina em lactentes é de 1 a 2 meses após o esquema completo de vacinação contra hepatite B.

E mais: ‘Estudo sugere que pais devem colocar os filhos para dormirem sozinhos entre 4 e 9 meses de idade’

Autora:

Revisado por:

Referências:

  • AAP COMMITTEE ON INFECTIOUS DISEASES and AAP COMMITTEE ON FETUS AND NEWBORN. Elimination of Perinatal Hepatitis B: Providing the First Vaccine Dose Within 24 Hours of Birth. Pediatrics. 2017;140(3):e20171870
Compartilhar
Publicado por
Juliana Festa

Posts recentes

ACC.21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

6 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

7 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

9 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

11 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

13 horas atrás

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

1 dia atrás