Reumatologia

Recomendações ACR 2021 para tratamentos de arterite de células gigantes e arterite de Takayasu

Tempo de leitura: 4 min.

Recentes avanços no tratamento das vasculites de grande calibre ocorreram após a introdução dos biológicos ao seu arsenal terapêutico. Visando padronizar as recomendações a respeito do tratamento dessas condições, o American College of Rheumatology (ACR), em conjunto com a Vasculitis Foundation, publicaram seus guidelines para o manejo da arterite de células gigantes (ACG) e da arterite de Takayasu (TAK).

Vejam a seguir os principais pontos desse documento, de maneira resumida.

Definições

Dentre as definições utilizadas nos guidelines, destaco:

  • Doença ativa: sinais e sintomas novos, persistentes ou progressivos que possam ser atribuídos à ACG ou TAK e que não estão relacionados a dano;
  • Doença grave: manifestações ameaçadoras da vida ou de órgãos (perda visual, AVC isquêmico, infarto agudo do miocárdio, isquemia de membros);
  • Doença refratária: persistência de doença ativa apesar de imunossupressão;
  • Remissão: ausência de sinais/sintomas que possam ser atribuídos à atividade de ACG ou TAK;
  • Reativação: recorrência de doença ativa após período de remissão;
  • Isquemia craniana: acometimento neurológico ou visual (amaurose fugaz, perda visual, AVC).

Arterite de células gigantes

1) Avaliação diagnóstica

  • Os autores dão preferência para a biópsia da artéria temporal superficial (vs. ultrassonografia e RM das artérias cranianas) para estabelecer o diagnóstico da doença;
  • Os autores recomendam condicionalmente a realização de biópsia unilateral (vs. bilateral) da artéria temporal superficial, de preferência com segmento longo (>1 cm). Essa biópsia pode ser repetida duas semanas após o início do tratamento com glicocorticoides;
  • Para pacientes com suspeita de ACG e biópsia negativa, a realização de estudo angiográfico não invasivo de grandes vasos pode ser realizado para auxiliar no diagnóstico;
  • Para pacientes com diagnóstico recente de ACG, a realização de estudo angiográfico não invasivo de grandes vasos é condicionalmente recomendado para avaliar a extensão da doença (acometimento aórtico e seus grandes ramos).

2) Tratamento farmacológico

  • Glicocorticoides: iniciar esquema de doses altas de corticoide oral diário (vs. dias alternados). Na presença de risco de perda visual ou de manifestações graves, preferir a pulsoterapia com metilprednisolona;
  • Tocilizumabe: os autores recomendam condicionalmente que o tocilizumabe deve ser usado como tratamento de primeira linha em associação com os glicocorticoides em todos os pacientes (vs. glicocorticoide isolado);
  • Para pacientes com acometimento de grandes vasos, é recomendado o uso associado de glicocorticoides e imunossupressores associados (vs. glicocorticoide isolado);
  • O acréscimo de imunossupressores deve ser feito para pacientes que apresentem reativação com doses moderadas a altas de glicocorticoide;
  • Os autores sugerem dar preferência ao tocilizumabe (vs. metotrexato). O metotrexato pode ser utilizado em alguns casos. Abatacepte pode ser considerado em casos refratários (ordem de preferência: tocilizumabe → metotrexato ou abatacepte);
  • Duração do tratamento: a duração ótima do tratamento da ACG não é bem definida e deve ser individualizada;
  • Aspirina: recomendado condicionalmente para pacientes que apresentam obstrução crítica de carótidas ou vertebrais;
  • Estatinas: os autores se posicionaram condicionalmente contra o uso de estatinas no tratamento específico da ACG.

3) Tratamento cirúrgico

  • Para pacientes que necessitam de procedimentos vasculares, a decisão do melhor momento deve ser uma decisão compartilhada entre o cirurgião vascular e o reumatologista;
  • Em caso de sintomas isquêmicos progressivos, os autores sugerem inicialmente aumentar a imunossupressão (vs. proceder com cirurgia vascular);
  • Caso o paciente esteja em atividade, os autores recomendam o uso de altas doses de corticoide no período perioperatório.

4) Monitorização laboratorial

  • A monitorização no longo prazo é fundamental, mesmo que o paciente esteja em aparente remissão;
  • Para pacientes que apresentam elevação isolada de provas inflamatórias, os autores recomendam observação clínica (vs. aumento da imunossupressão).

Leia também: Guidelines 2021 do ACR para o tratamento da poliarterite nodosa

Arterite de Takayasu

1) Tratamento farmacológico

  • Glicocorticoides: os autores recomendam condicionalmente a corticoterapia oral em altas doses (vs. pulsoterapia com corticoide) em pacientes com TAK ativa e grave. Caso o paciente atinja remissão com 6-12 meses de tratamento, recomenda-se a retirada completa do corticoide (vs. manutenção a longo prazo em baixas doses);
  • Imunossupressores: recomenda-se a associação de imunossupressores + glicocorticoides (vs. glicocorticoides isolados) no tratamento da TAK ativa, preferencialmente metotrexato ou azatioprina;
  • Casos refratários à corticoterapia: preferir anti-TNF (vs. tocilizumabe);
  • Aspirina: adicionar em casos com TAK ativa e acometimento de artérias cranianas ou vertebrobasilar.

2) Tratamento cirúrgico

  • Para pacientes que necessitam de procedimentos vasculares, a decisão do melhor momento deve ser uma decisão compartilhada entre o cirurgião vascular e o reumatologista;
  • Os autores recomendam contra a realização de procedimentos cirúrgicos em pacientes com TAK em remissão e claudicação intermitente em membros . Caso o paciente apresente piora dos sintomas de claudicação em vigência e atividade da doença, recomenda-se o tratamento farmacológico (vs. cirúrgico);
  • Na presença de hipertensão renovascular, os guidelines recomendam condicionalmente o tratamento farmacológico (vs. cirúrgico). O mesmo é válido para estenoses de vasos cranianos e cervicais;
  • Caso seja optado pelo tratamento cirúrgico, o mesmo deve ser feito em vigência de remissão da doença. Se a doença estiver ativa, manter doses elevadas de glicocorticoides no período perioperatório.

3) Monitorização laboratorial

  • A monitorização no longo prazo é fundamental, mesmo que o paciente esteja em aparente remissão;
  • Para pacientes que apresentam elevação elevada de provas inflamatórias, os autores recomendam observação clínica (vs. aumento da imunossupressão).

Veja mais: Arterite temporal: arterite de células gigantes ou vasculite associada ao ANCA?

4) Imagem vascular

  • Preferir métodos não invasivos de imagem vascular;
  • Os autores recomendam condicionalmente a realização de exames de imagem vascular com intervalos regulares, em associação com o acompanhamento clínico;
  • Progressão de lesões estenóticas prévias de maneira assintomática, sem sinais de inflamação na imagem: recomenda-se a manutenção do esquema terapêutico (vs. aumento do grau de imunossupressão);
  • Progressão de lesões estenóticas prévias, com sinais de inflamação ou sintomas: aumentar o grau de imunossupressão;
  • Surgimento de novas lesões estenóticas ou sinais de inflamação em territórios previamente não acometidos em doença aparentemente em remissão clínica: aumentar o grau de imunossupressão.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Maz M, Chung SA, Abril A, et al. 2021 American College of Rheumatology/Vasculitis Foundation Guideline for the Management of Giant Cell Arteritis and Takayasu Arteritis. Arthritis Care Res. 2021;8:1071-87. https://doi.org/10.1002/art.41774
Compartilhar
Publicado por
Gustavo Balbi

Posts recentes

Status de neurodesenvolvimento aos seis meses de idade em crianças com e sem exposição ao SARS-CoV-2

Um estudo avaliou a exposição fetal intrauterina ao SARS-CoV-2 e o neurodesenvolvimento de lactentes aos…

4 horas atrás

Anvisa confirma terceiro caso de Candida auris no Brasil

A Anvisa confirmou o terceiro caso de Candida auris no Brasil, desta vez em um…

1 dia atrás

Abramed alerta para ameaça de desabastecimento de insumos para testes de Covid-19

A Abramed orientou sobre a utilização criteriosa de testes para evitar risco de redução de…

2 dias atrás

Preditor de falha do tratamento conservador na apendicite aguda

Recentemente foram publicados estudos que tinham como objetivo verificar o tratamento isolado com antibioticoterapia para…

2 dias atrás

Análise bibliográfica destaca os 100 artigos mais influentes em doença cardíaca congênita em 20 anos

Uma recente análise bibliográfica publicada mapeou duas décadas de pesquisa em doença cardíaca congênita (DCC).

2 dias atrás

Neutralização plasmática pela variante ômicron na covid-19

Durante esses quase três anos de pandemia, o vírus inicial sofreu diversas mutações, sendo a…

2 dias atrás