Recomendações para cuidado em cirurgias colorretais no pré-operatório

Nesse segundo artigo sobre cirurgias eletivas colorretais, abordaremos a próxima fase: a pré operatória. Confira como é o preparo, a profilaxia, etc.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Nesse segundo artigo sobre cirurgias eletivas colorretais, abordaremos a próxima fase: a pré operatória.

1. Prevenção de náusea e vômitos
Consequências da não prevenção = desidratação, retardo na reintrodução da dieta, colocação de SNG, necessidade de manutenção de hidratação IV, maior tempo de internação, maiores custos.
Altovel de evidência

–    Prevenção de náuseas e vômitos: Pacientes com 1-2 fatores de risco devem receber uma combinação de 2 classes de drogas, já pacientes com mais de 2 fatores de risco devem receber mais de 3 classes de drogas antieméticas.

–    Uso de diferentes classes de antieméticos: antagonistas dopaminérgicas (droperidol e metoclopramida), antagonistas do receptor 5HT3 (ondansetrona) e corticosteroides (dexametasona), antagonistas de receptores muscarínicos (escopolamina), antihistamínicos (prometazina), além da gabapentina, pregabalina e analgesia com paracetamol. Estratégias alternativas são sugeridas como aromaterapia, acupuntura, hipnose, técnicas de relaxamento, elevadas concentrações de oxigênio inalado.

2. Medicação pré-anestésica
MOTIVO: A ansiedade no pré operatório pode aumentar a necessidade de drogas analgésicas no per-operatório e a incidência de complicações no pós-operatório.
Moderadovel de evidência

–    Evitar medicação sedativa de rotina: Estratégias de comunicação com paciente devem ser mais utilizadas que a prescrição indiscriminada de ansiolíticos. O uso de benzodiazepínicos, opioides e beta-bloqueadores deve ser evitado. Para tanto, pode-se administrar gabapentina ou pregabalina por via oral em dose baixa e única. Outras sugestões são: melatonina (tabletes ou sublingual) e paracetamol.

3. Profilaxia antimicrobiana
Altovel de evidência

–    Antibioticoprofilaxia venosa: Preferência pela associação de cefalosporina + metronidazol. Deve ser realizada 60 minutos antes da cirurgia, sem demonstração de qualquer benefício na realização de ‘repique de dose’.

–    Antissepsia com clorexidine alcoólica.

Baixovel de evidência

–    Antibiótico por VO: Sua administração associada a medicação IV é controversa. É sugerido o uso 18-24h antes da cirurgia, com justificativa de inibir patógenos oportunistas locais no lúmen intestinal, diminuindo incidência de infecções no pós operatório quando comparada o uso isolado da terapia IV. Deve ser prescrito mediante a realização de preparo colônico.

–    Descontaminação da pele: Tricotomia de rotina não diminui os índices de infecção, de forma que quando indicada deve ser realizada com aparelhos barbeadores e imediatamente antes da cirurgia. Não há evidências que comprovem o benefício do banho com clorexidine degermante antes da cirurgia.

4. Preparo colônico
Altovel de evidência

–    Preparo mecânico isolado: Guidelines até o momento recomendam evitar a prescrição de laxativos em cirurgias colônicas por levar a desidratação, desequilíbrio eletrolíticas e desconforto no paciente, sem aparente ganho. Porém, sugere-se considerar seu uso em cirurgias retais. Ensaios randomizados recentes tem demonstrado benefício na combinação de preparo colônico com antibióticos por via oral.

5. Fluidos e eletrólitos no pré-operatório
Moderadovel de evidência

Hidratação: O paciente deve ser operado o mais próximo possível da euvolemia.

Equilíbrio eletrolítico: Evitar jejum pré-operatório prolongado, fornecer líquidos claros (maltodextrina, por exemplo) por até 2 horas antes da indução anestésica, evitar preparo intestinal. Qualquer déficit diagnosticado deve ser corrigido.

6. Jejum pré-operatório
Altovel de evidência

Jejum de 6 h para sólidos e 2 h para fluidos claros, incluindo bebidas CHO (carboidratos orais como maltodextrina). Sem recomendações para CHO e pacientes com diabetes.

Moderadovel de evidência

CHO melhorando bem estar e resistência insulínica: CHO atenua a resposta catabólica induzida pelo jejum noturno e cirurgia, diminuindo a quebra de proteínas, mantendo for;forca muscular do paciente.

Baixovel de evidência

CHO reduzindo complicações e melhorando tempo de recuperação: Poucos dados apóiam efeito na morbi-mortalidade pós-operatória.

Confira a primeira parte deste artigo em Veja recomendações para cuidados em cirurgias eletivas colorretais

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.

Especialidades