Ginecologia e Obstetrícia

Relação entre o consumo de cafeína durante a gestação e possíveis complicações cardiometabólicas maternas

Tempo de leitura: 2 min.

Segundo a Organização Internacional do Café (OIC), o Brasil é o segundo maior consumidor mundial de café, logo atrás dos Estados Unidos. Sendo assim, uma das grandes preocupações da American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) e da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) são as complicações cardiometabólicas maternas causadas pelo consumo de cafeína durante a gestação.

Saiba mais: Consumo de cafeína por gestantes associada à restrição de crescimento do bebê?

Estudo sobre a cafeína

Em novembro de 2021 foi publicado um estudo de coorte na revista JAMA para avaliar a relação entre o consumo de cafeína e as possíveis complicações cardiometabólicas maternas. Participaram deste estudo 2.802 gestantes, todas consideradas de baixo risco e sem comorbidades prévias à gestação. 

De acordo com Hinkle (2021), as gestantes que consumiram doses baixas de café (200 mg/dia, conforme orientação da ACOG) tiveram menor risco de desenvolver diabetes mellitus gestacional (DMG) e apresentaram níveis menores nos exames de rastreio de DMG. Em relação a hipertensão e pré-eclâmpsia a cafeína não mostrou nenhuma correlação.

Considerações

O autor comenta que estudos com número de gestantes maiores são necessários para podermos correlacionar esse fator de proteção da cafeína. Além disso, a dieta e o estilo de vida dessas pacientes podem ter interferido no resultado deste estudo. Também vale ressaltar que a grande preocupação com a ingestão de cafeína pela gestante é com o feto, pois ainda não temos estudos que mostram doses seguras para evitar restrição de crescimento intra-uterino, baixo peso ao nascer e arritmias fetais.

Quer segurança na hora da decisão clínica? A Med Friday do Whitebook é a oportunidade de você dar um grande passo em sua carreira! Assine com desconto o aplicativo médico que tem todas as respostas que você precisa, a um toque de distância!

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Mediastinite fibrosante: o que precisamos saber

A mediastinite fibrosante (MF) é uma doença rara, caracterizada pela proliferação de fibrose localmente invasiva…

10 horas atrás

Check-up Semanal: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e mais!

No check-up semanal de hoje, confira: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e…

11 horas atrás

Como aplicar uma evidência na prática: decisão médica compartilhada

A nova edição da Revista PEBMED abordará Medicina Baseada em Evidências. Aqui, comentamos sobre o uso…

12 horas atrás

Critérios para insuficiência hepática aguda pediátrica: Orientações baseadas a partir do painel PODIUM 

A insuficiência hepática aguda é uma síndrome complexa, grave e rara em crianças e apresenta…

14 horas atrás

Existe algum grupo de maior risco entre os pacientes com score de cálcio 0 na tomografia de coronárias?

O score de cálcio 0 é associado com baixo risco de eventos cardiovasculares e pode…

15 horas atrás

Nutrição Enteral na UTI: 10 dicas para a prática clínica

A importância da nutrição no paciente grave tem sido cada vez mais reconhecida, especialmente nos…

16 horas atrás