Saúde Pública

Revisão avalia a prevalência de parasitoses intestinais no Brasil

Tempo de leitura: 4 min.

Um estudo brasileiro publicado na Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical concluiu que a prevalência de parasitoses intestinais no país é elevada e, dessa forma, medicamentos anti-helmínticos devem ser administrados periodicamente como medida profilática, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Leia também: Recomendações para uso de probióticos em patologias gastrointestinais

As infecções parasitárias são consideradas um importante problema de saúde pública devido à morbimortalidade associada e ao impacto negativo no desenvolvimento físico e intelectual, principalmente em crianças. Dessa forma, a administração profilática periódica de agentes antiparasitários contra helmintos transmitidos pelo solo é recomendada pela OMS para grupos de risco em áreas com elevada prevalência de infecções helmínticas. O objetivo é controlar não somente as parasitoses, mas também a carga dessas doenças. Um programa de administração em massa de albendazol foi implementado pelo Ministério da Saúde (MS) brasileiro nos últimos anos. No entanto, não há dados publicados sobre a prevalência de parasitoses intestinais em grandes amostras populacionais de diferentes regiões do país para avaliar a eficácia desse tipo de tratamento e se deve ser usado (e, em caso afirmativo, com que frequência).

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Metodologia da análise recente

Com o objetivo de avaliar a prevalência de infecções parasitárias intestinais no Brasil, pesquisadores de Sergipe conduziram o estudo Prevalence of intestinal parasitic infections in Brazil: a systematic review, registrado no PROSPERO. A pesquisa consistiu em uma revisão sistemática por meio de busca na literatura encontrada nas bases de dados PubMed, LILACS e SciELO, seguida de metanálise das proporções dos estudos publicados em inglês, português e/ou espanhol no período entre janeiro de 2000 e maio de 2018. 

Quarenta estudos atenderam aos critérios de inclusão e englobaram amostras de crianças, adolescentes, adultos e idosos das cinco regiões brasileiras. Um estudo descreveu resultados das regiões Norte e Nordeste. Dentre eles, o teste laboratorial mais utilizado para análise de fezes foi o método de sedimentação espontânea por Hoffman-Pons-Janner (75%), seguido da técnica de Kato-Katz (22,5%), e do método de Faust e Cols (20%). Alguns estudos usaram somente um desses métodos e alguns aplicaram um deles em combinação com outro tipo de teste. 

Saiba mais: Pólipos intestinais: quando e como prosseguir a investigação

A população foi dividida em duas faixas etárias: maiores e menores de 18 anos. Em 80% dos estudos (32/40), as amostras populacionais incluíram indivíduos com idade inferior a 18 anos. Dezesseis estudos forneceram informações adicionais sobre as características da população: 

  • Crianças de creches e escolares – cinco estudos em cada uma dessas duas populações;
  • Indígenas, quilombolas, moradores de áreas rurais, órfãos, assentados e crianças de uma área do Programa Saúde da Família – um estudo em cada uma dessas populações.

Informações adicionais sobre a população amostral também foram descritas em seis dos oito estudos que avaliaram indivíduos com mais de 18 anos:  

  • Manipuladores de alimentos e catadores de lixo – dois estudos em cada uma dessas duas populações;
  • Presidiários e pacientes com câncer – um estudo em cada uma dessas populações.

A metanálise identificou uma prevalência de parasitoses intestinais de 46% em todo o território brasileiro, com uma  heterogeneidade de 99%: região Sudeste – 37%; região Centro-Oeste – 41%; região Nordeste – 50%; região Sul – 51%, e região Norte – 58%.

Quando foram avaliados os dados de estudos conduzidos na faixa etária pediátrica (crianças e adolescentes, com menos de 18 anos), foi identificada uma prevalência de 48%, com uma heterogeneidade de 99%: região Sudeste – 37%; região Nordeste – 53%; região Norte – 58%; região Centro-Oeste – 65%, e região Sul – 65%.

Apesar desses resultados, os pesquisadores descreveram que a maioria dos estudos avaliou populações específicas, o que pode ter criado viés de seleção. Todavia, destacam que a pesquisa incluiu a maioria dos estudos já publicados e a maior população já considerada.

Mensagem final

A relevância desse estudo está no fato de que demonstrou o qual elevada é a prevalência de parasitoses intestinais no Brasil nas cinco regiões, especialmente em populações de risco. Esses resultados, portanto, indicam que as recomendações da OMS para a administração em massa de anti-helmínticos profiláticos para crianças e adolescentes de 5 a 14 anos, dependendo da região em que vivem, deve ser feita uma vez ao ano em populações com prevalência acima de 20% ou duas vezes ao ano (uma vez por semestre) quando a prevalência é superior a 50%. De todo modo, é necessária a realização de novas pesquisas cujos objetivos sejam analisar os desfechos da vermifugação no país para servir de base para a tomada de decisões sobre políticas públicas voltadas para o controle da infecção parasitária. Em longo prazo, a meta deve considerar uma série de fatores socioambientais para fornecer uma solução duradoura para esse importante problema de saúde pública. Esses fatores compreendem, entre tantos elementos, mínimas condições de moradia e de saneamento básico, além de instruir as populações sobre higiene pessoal e coletiva. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Celestino AO, Vieira SCF, Lima PAS, et al. Prevalence of intestinal parasitic infections in Brazil: a systematic review. Rev Soc Bras Med Trop. 2021;54:e00332021. Published 2021 Jun 2. doi:10.1590/0037-8682-0033-2021
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

A sustentação de carga ou mobilidade precoce após fraturas de tornozelo aumentam a chance de complicações?

As fraturas de tornozelo são lesões ortopédicas comuns, sendo tratadas, quando há indicação cirúrgica, com…

38 minutos atrás

Qual a melhor opção de troca valvar aórtica em pacientes renais com estenose da valva?

Foi realizada uma análise de subgrupo para avaliar os desfechos da troca valvar cirúrgica e…

2 horas atrás

27 de setembro: Dia Nacional da Doação de Órgãos

O Dia Nacional da Doação de Órgãos visa conscientizar sobre a importância das doações e,…

3 horas atrás

Cirurgia bariátrica passa a ser classificada como eletiva essencial pelo Ministério da Saúde

A cirurgia bariátrica foi classificada como um procedimento eletivo essencial pelo Ministério da Saúde e,…

4 horas atrás

Uso de paracetamol durante a gestação deve ser cauteloso

Estudo analisou as repercussões do uso de paracetamol durante a gravidez e seus potenciais efeitos…

5 horas atrás

Doação de órgãos no Brasil: como estamos caminhando durante a pandemia?

O mês de setembro é conhecido como “setembro verde” por incentivar a doação de órgãos…

6 horas atrás