Saúde Pública

Revisão de alimentos causadores de anafilaxia mais comuns por região 

Tempo de leitura: 2 min.

As informações nos rótulos sobre a presença de alérgenos em alimentos é normalmente divulgada com base em diversos estudos sobre anafilaxia alimentar. Porém, atualmente existe uma “falha” na  divulgação desses alérgenos principalmente por serem baseadas em estudos muito antigos, detalhe relatado pelo Professor Paul Turner, do National Heart & Lung Institute, no Imperial College London, da Inglaterra. Segundo o Professor Paul, há a necessidade de ser realizada uma revisão desses estudos e encaminhada ao Codex (Alimentarius) pela FAO (Food and Agricultural Organization of the United  Nations) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Atualmente o Codex orienta que se faça rótulos para oito tipos específicos de alimentos relacionados a alérgenos e que geralmente são responsáveis por mais de 90% de casos de alergia alimentar. Os alérgenos descritos são farinha, crustáceos, amendoim,  ovo, peixe, leite, soja e oleaginosas. Porém esses rótulos foram estipulados há décadas em estudos pouco recomendados. 

Leia também: WCPGHAN 2021: prevenção da alergia alimentar

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Necessidade

Essa revisão teria como objetivo principal realizar uma atualização dos rótulos pertinentes aos alérgenos alimentares baseados em estudos recentes e específicos de cada região do mundo, incluindo 65 estudos fornecendo dados específicos de gatilhos alimentares para alergia em pacientes de 41 países das seis regiões do mundo determinadas pela FAO: Oeste Europeu, Leste Europeu, Ásia, África, Mediterrâneo e  Américas. Essa revisão também evidenciou a existência de uma grande diferença de alérgenos dentro de uma mesma região e entre regiões distintas, sendo alguns alérgenos comuns em algumas regiões e  ausentes em outras. 

As alergias alimentares se diferenciam para cada região, porém de uma maneira geral, o estudo mostrou que leite de vaca, crustáceos, amendoim e oleaginosas são importantes causas de anafilaxia globalmente. Enquanto a amendoim é uma causa muito importante de alergia na Europa, América do  Norte e regiões do Pacífico, é muito pouco importante na região da Ásia. Em contrapartida, a farinha é um alérgeno com muito pouca importância globalmente, porém de grande relevância na China. Peixes e crustáceos são grande causa de anafilaxia na Ásia, porém quase irrelevantes no ocidente. 

De todos os alérgenos estudados, viu-se que a soja é um fator sem grande significância como causador  de anafilaxia alimentar globalmente, o que levou a questão da revisão de sua inclusão de aviso nos rótulos alimentares. 

Para levar para casa

Um outro detalhe observado pelo Professor Turner é que existe uma grande afinidade entre a legislação local com os alérgenos mais comuns de cada região, mostrando que existe uma tendência ao uso da epidemiologia local para guiar a política de saúde pública e pesquisas relacionadas a alergia alimentar. 

Saiba mais: Feriados e risco de alergia alimentar a amendoim e tree-nuts em crianças canadenses

Esse estudo é o primeiro a aplicar uma robusta revisão sistemática que explique quais os principais alérgenos causadores de anafilaxia alimentar por região e se a inclusão e rotulação dos alimentos está  condizente com os resultados encontrados em cada região específica.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Conrado AB, Patel N, Turner PJ. Global patterns in anaphylaxis due to specific foods: A systematic review. J Allergy Clin Immunol2021 May 1;S0091-6749(21)00665-5. doi: 10.1016/j.jaci.2021.03.048. Online ahead of print.
Compartilhar
Publicado por
Gabriela Queiroz

Posts recentes

Dissecção espontânea de coronária: como diagnosticar?

Recentemente foi publicada uma revisão sobre o diagnóstico da dissecção espontânea de coronária. Confira, resumidos,…

26 minutos atrás

Fatores de risco para câncer de mama avançado após 2 anos de mamografia negativa

A mamografia pode reduzir em 15% a 20% a mortalidade por câncer de mama, mas…

1 hora atrás

Relação da disbiose e autismo [podcast]

Dolores Henriques e Paula Hartmann conversam sobre o que há na literatura sobre a relação da…

2 horas atrás

Pré-natal do parceiro: desafios e soluções

O pré-natal do parceiro é uma das formas de inclui-los na paternidade consciente e ativa,…

3 horas atrás

Anemia ferropriva: suplementação de ferro reduz transfusões e tempo de internação 

Estudos analisam a influência da suplementação pré-operatória de ferro sobre resultados cirúrgicos de pacientes com…

4 horas atrás

Avaliação da deficiência de ferro durante a gestação

A deficiência de ferro pode chegar a prevalência de 59% nas gestantes ao redor do…

22 horas atrás