Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Anestesiologia / Rinoplastia: o uso de ácido tranexâmico pode ser um aliado no controle do sangramento?
cápsulas de ácido tranexâmico para rinoplastia

Rinoplastia: o uso de ácido tranexâmico pode ser um aliado no controle do sangramento?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

A rinoplastia é uma cirurgia plástica realizada na maioria das vezes para melhorar a estética facial e a capacidade respiratória do paciente. Durante o procedimento, rotineiramente ocorre a necessidade da realização de fratura do osso nasal com lesão dos vasos angulares.

Isso, somado a dificuldade de realização de hemostasia, pode levar a complicações intra e pós-operatórias, como sangramento, que aumenta o tempo cirúrgico, tempo de hospitalização e a morbimortalidade, como também edema palpebral e equimose periorbital. Essas alterações oculares ocasionam uma diminuição da acuidade visual transitória, além de promover hiperpigmentação da região, levando a um resultado cosmético tardio insatisfatório para o paciente.

Muitas técnicas são realizadas para tentar diminuir o sangramento intraoperatório e o edema palpebral durante a rinoplastia, como, por exemplo, a realização de hipotensão induzida, resfriamento do paciente, uso da cabeceira elevada, administração de drogas como corticosteroides, remifentanil em infusão contínua, metropolol no pré-anestésico, desmopressina venosa ou infiltração local com lidocaína associada a vasopressor.

Alguns estudos vem evidenciando também o uso de ácido tranexâmico (AT) como grande aliado para o controle do sangramento intraoperatório.

Ácido tranexâmico na rinoplastia

O AT é um agente antifibrinolítico que age bloqueando os receptores de lisina no plasminogênio, impedindo a degradação da fibrina pela plasmina. O seu uso tem demonstrado bastante significância em cirurgias ortopédicas, cardíacas, de coluna e odontológicas, sem apresentar efeitos adversos de tromboembolismo, como infarto agudo do miocárdio, trombose venosa profunda ou trombose pulmonar. Muitos estudos e revisões de artigos demonstram o benefício do uso de AT em cirurgias de rinoplastia.

O AT também possui uma ação anti-inflamatória, promovendo a diminuição da interleucina-6 e das proteínas da fase aguda inflamatória, levando a uma diminuição do edema peripalpebral na primeira semana de pós-operatório. Além disso, a supressão dos produtos de degradação da fibrina, da creatina-quinase e da proteína-C reativa, levam a uma diminuição da fibrinólise com diminuição do sangramento intraoperatório e posterior formação de equimose periorbitária.

Em relação à via de administração, estudos vêm revelando que o AT realizado por via oral na dose de 1 g, 2 horas antes da cirurgia é mais efetivo em relação a diminuição do sangramento intraoperatório do que administrado por via endovenosa na dose de 10 mg/kg durante o procedimento cirúrgico. Esse fato se dá pela diferença de concentração plasmática entre as duas vias.

Leia também: Cicatrizes inestéticas da face: o que fazer? Experiência pessoal e uma revisão da literatura

O pico de concentração plasmático ocorre em torno de 2 a 4 horas após a sua administração, sendo que após 6 horas os níveis plasmáticos de AT administrados por via venosa encontram-se em valores subterapêuticos, enquanto que por via oral, após esse período, ainda permanecem acima dos níveis mínimos efetivos. Além disso, o AT oral tem um custo financeiro bem mais em conta para paciente.

Em relação ao uso de corticosteroides para diminuir o processo inflamatório e prevenir náuseas e vômitos no pós-operatório, estudos comprovam que uma única dose de corticoide, realizada no início do procedimento, não é suficiente para diminuir o edema de face no período pós-operatório em comparação com o uso de AT.

Em se tratando de desencadeamento de eventos tromboembólicos, não foi relatado nenhuma ocorrência durante a primeira semana pós-procedimento com o uso de AT, evidenciando uma segurança razoável na sua utilização em rinoplastias.

Conclusão

Como conclusão da análise de vários estudos atualmente disponíveis, podemos dizer que o uso de AT, tanto por via oral como endovenosa, promove uma diminuição clinicamente significativa no sangramento intraoperatório, além de contribuir para uma diminuição de edema e equimose periorbitária com segurança, tornando seu uso efetivo também em cirurgias de rinoplastia.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Vasconcellos SJA, Nascimento-Júnior EM, Martins-Filho PRS.Preoperative Tranexamic Acid for Treatment of Bleeding, Edema, and Ecchymosis in Patients Undergoing Rhinoplasty. JAMA Otolaring Head Neck Surgery.2018 Sep; 144(9) 816-823.
  • Mehdizadeh M, Ghassemi A, Khakzad M, et al. . Comparison of the effect of dexamethasone and tranexamic acid, separately or in combination on post-rhinoplasty edema and ecchymosis. Aesthetic Plast Surg. 2018;42(1):246-252.
  • Gausden EB, Qudsi R, Boone MD, OʼGara B, Ruzbarsky JJ, Lorich DG. Tranexamic acid in orthopaedic trauma surgery: a meta-analysis. J Orthop Trauma. 2017;31(10):513-519.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.