Página Principal > Oncologia > Risco de câncer de cólon (não retal) associado ao uso de antibióticos
mão segurando diversos antibioticos

Risco de câncer de cólon (não retal) associado ao uso de antibióticos

Tempo de leitura: 3 minutos.

O uso de antibióticos orais foi associado a um pequeno aumento no risco de câncer de cólon (não retal) em um grande estudo de controle de caso realizado na Inglaterra. As descobertas ressaltam ainda mais a necessidade do uso criterioso de antibióticos.

Os participantes que desenvolveram câncer de cólon foram significativamente mais propensos a terem usado antibióticos do que os controles: 71,3% vs 69,1%. Aqueles com câncer de reto, por outro lado, tiveram exposição comparável aos antibióticos: 67,1% vs 67,2%.

Diferenças maiores foram observadas quando os pesquisadores analisaram fatores específicos, como pacientes com câncer do cólon proximal, que tiveram uma chance 24% maior (95% CI 8% -43%) de terem ingerido antibióticos antianaeróbios por 31-60 dias, em relação aos controles. Em contraste, os pacientes com câncer do cólon distal foram menos propensos do que os controles a ingerirem antibióticos anaeróbicos por mais de 60 dias.

Foram identificados 28.980 casos de câncer colorretal (CRC) – cerca de dois terços com câncer de cólon e o restante com câncer retal – e 137.077 controles pareados por idade e sexo com idade mediana de 72 anos no Clinical Practice Research Datalink, no Reino Unido. O acompanhamento médio desses indivíduos foi de 8,1 anos.

Comparados com os controles, os pacientes com CCR eram mais propensos a ter excesso de peso (35,2% vs 33,8%), obesidade (18,6% vs 16,4%), histórico tabagismo (49,9% vs 46,9%) e uso moderado a pesado de álcool (13,8 % vs 11,4%). Além disso, eles tiveram mais comumente diabetes (8,8% vs 7,7%) e submetidos a colonoscopia (3,5% vs 2,9%). Eles ainda eram menos propensos a serem usuários crônicos de drogas anti-inflamatórias não esteroides (7,2% vs 9,0%). 

O uso de antibióticos foi associado ao risco de câncer de cólon de maneira dose-dependente ( P <0,001 para tendência). As penicilinas, particularmente ampicilina/amoxicilina, foram associadas ao aumento do risco de câncer de cólon (OR ajustada 1,09, IC 95% 1,05-1,13). Antibióticos do grupo tetraciclina foram associados com risco reduzido de câncer retal (aOR 0,90, IC 95% 0,84-0,97).

Leia também: Detecção precoce do câncer de cólon baseado em um modelo multifatorial

Segundo os pesquisadores, o impacto mais significativo dos agentes antianaeróbios pode ter resposta devido à sua ruptura da microbiota colônica, composta predominantemente de anaeróbios. 

“Bactérias potencialmente cancerígenas podem ser distribuídas diferencialmente ao longo do trato colorretal. Por exemplo, Fusobacterium nucleatum, que está associado com um subgrupo de CRC, foi relatado em um estudo para diminuir de forma gradiente do ceco ao reto, com cânceres de cólon proximais abrigando os níveis mais altos de F. nucleatum”, explicam os cientistas.  

Em 2010, estima-se que 70 bilhões de doses de antibióticos foram ingeridas em âmbito mundial. Pesquisas epidemiológicas anteriores na Europa e na Ásia sugeriram uma ligação do antibiótico com casos de câncer colorretal. 

Nos Estados Unidos, os dados divulgados pelo Nurses Health Study mostraram uma associação entre o uso prolongado de antibióticos na idade adulta inicial e intermediária (20 a 39 anos e 40 a 59 anos) e o excesso de risco de adenomas colorretais subsequentes. Houve uma associação mais forte observada para adenomas do cólon proximal e outra mais fraca ou nula com tumores do cólon distal.

No entanto, foi surpreendente que a associação com risco aumentado fosse observada apenas em cânceres de cólon, particularmente no cólon direito, de acordo com os relatos médicos.

O uso rotineiro de antibióticos pode alterar a composição natural das bactérias nos organismos. Isso poderia levar a graves consequências para a saúde, como a alteração da saúde intestinal, o aumento da exposição a micróbios e a predisposição do cólon para o desenvolvimento de câncer.

Saiba mais: Antibióticos: chegou a hora de repensarmos como prescrevê-los

Alguns pesquisadores especularam que o aumento do uso de antibióticos pode ser um fator na taxa crescente de CCR de início precoce observada nos estados do oeste dos Estados Unidos.

Os autores reconheceram várias limitações ao estudo, incluindo a falta de dados sobre fatores de estilo de vida em alguns casos. Além disso, os dados não capturados no banco de dados do Reino Unido incluíam prescrições em atenção secundária, prescrições preenchidas e adesão ao tratamento, além de certos grupos de pacientes estarem ausentes nos registros da atenção primária. O estudo também excluiu indivíduos com condições imunodeficientes.

Ademais, como o estudo coincidiu com a data de nascimento do paciente, não examinou a interação da idade e a exposição a antibióticos no risco de câncer. Em outras limitações, o banco de dados não possuía informações sobre a ingestão de alimentos, atividade física e histórico familiar, o que pode influenciar o risco de CCR.

Além disso, os dados sobre o câncer de cólon proximal versus distal foram limitados, o que pode acarretar em uma análise fraca desses dois grupos anatômicos.

A informação do estágio do câncer também não estava disponível, impedindo o exame de qualquer associação entre antibióticos e progressão do câncer.  Por último, pode ter havido algum erro de classificação do efeito antibiótico em anaeróbios e por classe de antibióticos.

Serão realizados mais estudos clínicos e translacionais para testar a interação de antibióticos de diferentes atividades e classes na microbiota anaeróbia/aeróbica do cólon e mecanismos de carcinogênese.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.