Oftalmologia

Robô que insere e retira lentes de contato de paciente é uma realidade próxima

Tempo de leitura: 2 min.

Depois de anos com baixa visão e dificuldade de colocar suas lentes de contato, Craig Hershoff inventou um robô que ajuda pessoas a inserir e remover suas lentes de contato esclerais.

Ele foi diagnosticado com distrofia de Fuchs em 2000 e realizou três transplantes de córnea nos últimos dez anos. Depois de algum tempo, foram adaptadas lentes esclerais, que ajudaram a reabilitar a sua visão. Infelizmente, quando a esposa de Hershoff faleceu, ele passou por uma crise de ansiedade, que fazia suas mãos tremerem muito durante a inserção e remoção das suas lentes de contato.

As lentes eram essenciais para que ele conseguisse ter boa visão e ele não tinha ninguém para ajudá-lo a colocá-las.

Assim nasceu “Cliara Lens Robot”, um aparato robótico para inserção e remoção de lentes esclerais.

Cliara Lens Robot

O dispositivo utiliza ventosas nas quais as lentes são acopladas, capazes de medir a quantidade necessária de força para colocá-las e removê-las dos olhos.

O robô tem uma câmera acoplada, sendo possível que a pessoa veja exatamente onde está indo a lente e onde está sendo colocada. A pessoa fica com a cabeça paralela ao chão, olhando para baixo. Caso a colocação seja no olho direito, o olho esquerdo estará olhando diretamente para a tela do vídeo da gravação em tempo real. Quando a pessoa acha que estão prontos, fala o comando para que o robô vá subindo na direção dos olhos e os sensores detectam o contato da lente com os olhos. Nesse momento ele para de se mexer e retrai.

O dispositivo está passando por testes clínicos e deve começar a ser comercializado no próximo ano após aprovação do FDA. Ele pode ser extremamente interessante e útil para pessoas com tremores, doenças neurológicas ou qualquer um com medo de tocar os próprios olhos.

Leia também: Lentes de contato e esporte: quais lentes possuem melhor adaptação?

Lentes de contato esclerais

As lentes esclerais são lentes de tamanho grande, que se apoiam na esclera, e podem ser usadas em pacientes que não toleram o uso de lentes rígidas corneanas ou naqueles que não possuem uma boa adaptação com essas. Podem ser indicadas com finalidade óptica (em pacientes com ectasias corneanas, astigmatismos irregulares, afacia e altas ametropias) e com finalidade terapêutica (em doenças cicatriciais da córnea, entrópio cicatricial, olho seco severo, etc).

São muito bem toleradas na maioria dos pacientes e confortáveis, mas uma das principais dificuldades no uso é a manipulação das lentes. Para colocá-las devemos preencher as lentes com soro fisiológico, posicionar a cabeça olhando para baixo, paralela ao chão e inseri-las, evitando a perda de líquido no momento da inserção. A inserção geralmente é feita utilizando-se ventosas.

A remoção pode ser feita com o paciente olhando para cima, posicionando a ventosa na parte inferior das lentes para retirada.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Juliana Rosa

Posts recentes

Anemia ferropriva na gestação – parte 1

A anemia ferropriva é caracterizada por redução ou ausência de estoque de ferro no organismo.…

1 hora atrás

PEBMED e Saúde Global: metas de qualidades do corpo clínico [vídeo]

No episódio de hoje, Vitor Sforni comenta sobre as metas de qualidade presentes no planejamento…

2 horas atrás

Suplementação alimentar

A suplementação alimentar é feita com o objetivo de complementar a alimentação com nutrientes, substâncias…

3 horas atrás

Válvula aórtica bicúspide: são todas iguais? Veja as novas definições

A válvula aórtica bicúspide (VAB) é uma condição congênita caracterizada pela ausência da morfologia normal…

5 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina da Janssen

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica ontem, 25, recomendando uma dose de reforço…

6 horas atrás

Diabetes tipo 2: em que momento utilizar a insulina como recurso terapêutico? [podcast]

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, saiba mais sobre o uso da insulina…

7 horas atrás