Colunistas

Rotina de residente: quando as horas mais desgastam do que preparam

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O Programa de Residência Médica (PRM) tornou-se, para muitos, etapa essencial da carreira. Mais do que importante, é também um momento de “suar a camisa”. Mais um? Exatamente! Talvez o momento de maior intensidade da profissão. Isso decorre não apenas do desafio de “dormir interno e acordar médico”, mas também da carga horária dos programas.

São muitos os dramas desse período. Definitivamente todos eles podem ser potencializados diante da privação de sono ou do isolamento sócio-cultural, consequências de jornadas que extrapolam. A quantidade de horas de alguns programas, por vezes absurda, é debate nacional e internacional, não sendo incomum 36 horas ininterruptas de trabalho, totalizando 80, 90, 100 horas semanais.

Espera-se de uma área de conhecimento tão vasta, a cada segundo em transformação, profusa em temas e informações novas, que seja necessária carga horária grotesca. Entretanto, como conciliar estudo individual, saúde mental e a rotina dos PRM? Horas de sono e horas de plantão, visitas às enfermarias, ambulatórios, etc? Será que o tempo investido nos programas resulta em residentes preparados ou em residentes cansados?

A preocupação constante com a carga horária irrestrita de muitos PRM e seus efeitos sobre o treinamento de médicos em formação motivou o estudo “Education Outcomes in a Duty-Hour Flexibility Trial in Internal Medicine”. Publicado em 20 de março de 2018 pelo NEJM, o mesmo comparou o nível de satisfação de participantes dos programas com a carga horária dita padrão pela ACGME, contra a carga horária dita flexível, que ultrapassa as normas estabelecidas.

Aqueles submetidos aos programas de carga horária “flexível” mostraram maior frequência de insatisfação sobre a qualidade da educação recebida, seu bem estar individual e os efeitos acerca de sua vida pessoal. Outro dado interessante foi haver diferença significativa estatisticamente entre os tipos de atividades às quais os candidatos foram expostos, o que mostra que independente da carga horária, é possível produzir cronogramas balanceados.

Em contraste, aqueles que foram submetidos à carga horária “padrão” – 80 horas semanais, com plantões que durassem no máximo 30 horas – mostraram menor grau de insatisfação com a carga de trabalho, qualidade de assistência oferecida aos pacientes, sua segurança e o grau de preparo que o PRM oferece ao fim do ciclo. Tais evidências prosseguem a desmistificação de que “para um programa ser bom, ele precisa ter muitas horas em seu cronograma”.

Nesse sentido, questiona-se como encarar o desafio de estabelecer um padrão ideal e cumprí-lo, principalmente considerando as idiossincrasias de cada especialidade, local de formação, perfil de pacientes, dentre muitos detalhes. Por outro lado, o risco de burnout e despersonalização permaneceu elevado em ambos os grupos, acima da média populacional, o que definitivamente nos aponta para um problema que vai além das horas contadas.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Referências:

  • S.V. Desai, D.A. Asch, L.M. Bellini, K.H. Chaiyachati, M. Liu, A.L. Sternberg, J. Tonascia, A.M. Yeager, J.M. Asch, J.T. Katz, M. Basner, D.W. Bates, K.Y. Bilimoria, D.F. Dinges, O. Even‐Shoshan, D.M. Shade, J.H. Silber, D.S. Small, K.G. Volpp, J.A. Shea. Education Outcomes in a Duty-Hour Flexibility Trial in Internal Medicine. NEJM, 20 de março de 2018. DOI: 10.1056/NEJMoa1800965
Compartilhar
Publicado por
Rachel Alencar

Posts recentes

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

11 horas atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

12 horas atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

12 horas atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

13 horas atrás

Resultados da denervação seletiva para rizartrose

A rizartrose é extremamente comum, com prevalência estimada em 15% dos pacientes acima de 30…

15 horas atrás

Há como predizer quem vai ter uma parada cardiorrespiratória (PCR) em FV ou TV?

Estudo buscou desenvolver um algoritmo para identificar quem teria maior risco de parada cardiorrespiratória (PCR)…

16 horas atrás