Página Principal > Colunistas > Saiba o que é pseudotumor cerebral, uma das causas da cefaleia
pseudotumor cerebral

Saiba o que é pseudotumor cerebral, uma das causas da cefaleia

Tempo de leitura: 3 minutos.

Dentre as várias etiologias de cefaleia, uma em questão tem sua importância por, ao mesmo tempo não ser muito lembrada pelos clínicos que atendem em serviços de pronto atendimento, e também pelas consequências graves que ela pode acarretar. Estamos falando da hipertensão intracraniana idiopática benigna, conhecida também como pseudotumor cerebral.

Leia mais: Enxaqueca: FDA aprova a fremanezumab como nova prevenção da cefaleia

Apesar de ser chamada “benigna”para distinguir da hipertensão intracraniana causada por tumores cerebrais, está longe de ser realmente benigna, pois pacientes que sofrem desse mal muitas vezes tem cefaleias intensas e recorrentes e intratáveis pela falta de conhecimento dos profissionais de saúde que estão nos prontos atendimentos e também pelo risco de acarretar perda visual grave.

Epidemiologia

Ha um maior risco de desenvolver pseudotumor cerebral em pacientes obesas em idade fértil, chegando a ser em alguns estudos ate 10 vezes maior a incidência nesse grupo de pacientes (Keller et al 2001). Também há alguns medicamentos que são ligados com o aparecimento de pseudotumor cerebral. Entre esses medicamentos podemos citar:

  1. Hormônio de crescimento para tratamento em crianças
  2. Retinoides, como a isotretinoina. Medicamento que é amplamente usado nos dias atuais. Usa-se muito para controle de acnes, sendo um tratamento feito muitas das vezes de forma prolongada
  3. E alguns antibióticos como tetraciclina e doxiciclina que também estão associados ao desenvolvimento de pseudotumor cerebral

Apesar da conhecida ligação desses medicamentos com o desenvolvimento da hipertensão intracraniana idiopática benigna, vale a pena ressaltar que a grande maioria dos casos com diagnostico fechado não tem relato de uso dessas medicações pelos pacientes. Nem dessas e nem de outras que possam correlacionar com o início e manutenção do quadro das cefaleias.

Apresentação Clínica

A apresentação clinica clássica é a de um paciente do sexo feminino obesa em idade fértil com cefaleias intensas e refratarias a analgésicos potentes, que já deu várias entradas em pronto atendimento sem melhora e que ao exame de fundo de olho apresenta papiledema.

Com relação aos sintomas podemos citar (Wall et al, 2014):

  1. Cefaleias (84 a 92%): sintoma mais comum, é raro paciente que não o presente. São de características variadas e inespecíficas, intermitente ou persistente, diárias ou menos frequente. Pioram com alterações posturais e alguns melhoram com AINH e descanso
  2. Alterações visuais transitórias (68 a 72%): duram segundos e podem ser uni ou bilaterais, em episódios isolados ou ocorrendo várias vezes por dia. Provocados por posições, valsalva, movimentos dos olhos e não são preditivos para perda visual definitiva
  3. Barulhos intracranianos (Tinitus Pulsátil) (52 a 60%): pacientes descrevem como água correndo ou barulho do vento
  4. Fotopsia (48 a 54%): percepção de flashes de luz nos olhos. Podem ser também provocadas por posições que o paciente assume ou por valsalva
  5. Dor Retrobulbar (44%)
  6. Diplopia (18 a 38%): geralmente devido a paralisia do nervo abducente uni ou bilateral por aumento da pressão intracraniana
  7. Perda visual sustentada s (26 a 32%)

Importante lembrar que esses sintomas não são específicos para pseudotumor cerebral, e são comuns em várias outras patologias. De todos esses, o Tinitus Pulsatil é o que mostra nos estudos melhor ser o mais útil para o diagnóstico diferencial

Com relação aos sinais, podemos citar entre os mais importantes:

  1. Papiledema: tipicamente bilateral e simétrico. Quanto mais grave o papiledema maior a possibilidade de perda visual definitiva
  2. Perda visual: principal morbidade, podendo estar presente desde a avaliação inicial, geralmente de evolução gradual, porém pode apresentar quadros com evolução fulminante. Tipicamente o campo visual perdido inicialmente é o periférico, com a parte central vindo a piorar posteriormente
  3. Paralisia do nervo abducente: pode ser bilateral ou unilateral. Reflete um sinal de hipertensão intracraniana em relação ao nervo abducente que de todos os nervos cranianos é o que tem o comprimento intracraniano maior, sendo assim mais facilmente acometido.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Wall M, George D. Idiopathic intracranial hypertension. A prospective study of 50 patients. Brain 1991; 114 ( Pt 1A):155.
  • Wall M, Kupersmith MJ, Kieburtz KD, et al. The idiopathic intracranial hypertension treatment trial: clinical profile at baseline. JAMA Neurol 2014; 71:693.

Um comentário

  1. Avatar
    Gabriel Parisi

    TAC de cranio com contraste , seria uma boa medida diagnóstica ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.