Saúde Pública

Sarampo: quem deve ser vacinado?

Tempo de leitura: 2 min.

Tão importante quanto falar da pandemia do novo coronavírus, é falarmos sobre a circulação ativa do vírus do sarampo, que atualmente está presente em vários estados do Brasil. Até o dia 04 de março, três mortes por sarampo foram confirmadas somente neste ano, sendo elas nos estados do Pará, Rio de Janeiro e São Paulo.

É imprescindível que profissionais de enfermagem realizem ações educativas sobre o sarampo, para que a população saiba que apesar de altamente transmissível, o Sarampo é uma doença que pode ser prevenida através da vacinação. Muitas são as dúvidas sobre quem deve ou não se vacinar contra o sarampo.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Calendário Nacional de Vacinação

Segundo o Calendário Nacional de Imunização, crianças com 12 meses devem receber a primeira dose da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Aos 15 meses de vida, a criança deve receber a primeira dose da vacina tetra viral. Essa vacina é composta pela 2ª dose da tríplice viral associada a vacina contra varicela.

Crianças de 6 meses a 11 meses e 29 dias

No ano de 2019, o Ministério da Saúde implementou a dose zero para crianças a partir de seis meses de idade até 11 meses e 29 dias. Essa vacina não entra no esquema de rotina de imunização, devendo a criança tomar a 1ª dose da tríplice viral aos 12 meses e dar sequência ao calendário de imunização, conforme preconiza o Ministério da Saúde.

Pessoas de 1 a 29 anos de idade

Crianças de 1 ano de vida até adultos com 29 anos, devem ter duas doses da vacina contra sarampo (vacina tríplice viral ou tetra viral) comprovadas no cartão de vacinação.

Caso tenham somente uma dose da vacina, completar o esquema com mais uma dose da vacina Tríplice Viral. Em casos de não terem nenhuma dose, realizar as duas doses da vacina Tríplice Viral.

Leia também: Como a enfermagem pode ajudar no combate e manejo de casos de dengue?

Pessoas de 30 a 49 anos

Pessoas nessa faixa etária precisam ter apenas uma dose da vacina tríplice viral registrada no cartão de vacinação. Caso não tenham essa dose registrada no cartão de vacinação, ou não tenham tomado uma dose da vacina, a mesma deve ser realizada.

Pessoas acima de 50 anos

Devem ter uma dose da vacina contra o sarampo. Caso não tenham uma dose da vacina de sarampo e tenham entrado em contato com caso confirmado ou suspeito, devem receber uma dose da vacina tríplice viral.

Pessoas que já tiveram sarampo

Devem ser vacinadas conforme a faixa etária, ou seja, de 1 ano até 29 anos devem ter duas doses e, acima de 30 anos deve ter uma dose da vacina. Toda pessoa que apresenta Sarampo, adquire imunidade para a vida toda, entretanto, como o sarampo é uma doença exantemática e possui sintomas similares a outras doenças, ele pode ser confundido.

Veja mais: Por que os bebês são mais propensos a desenvolverem infecções e insuficiências respiratórias?

Profissionais de saúde

O Ministério da Saúde recomenda que profissionais de saúde tenham duas doses da vacina tríplice viral, independente da idade, comprovadas no cartão de vacinação.

Pessoas imunocomprometidas

Devem ser avaliadas pelos Centros de Referências para Imunobiológicos Especiais (CRIE) antes de serem vacinados.

Crianças menores de 6 meses e gestantes

Não devem ser vacinadas.

Pessoas com sinais e sintomas de sarampo

Não devem ser vacinadas.

Para saber mais sobre o Sarampo, baixe o aplicativo Nursebook, agora disponível para Android e iOS.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Brasil. Guia de Vigilância em Saúde. Sarampo. Volume único. Brasília, DF, 2019.
Compartilhar
Publicado por
Nathalia Schuengue

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

7 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

11 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

1 dia atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás