SBP faz alerta sobre uso de telas por crianças com autismo

O Departamento Científico de Neurologia da SBP publicou a nota “Transtorno do Espectro Autista e Telas”, sintetizada aqui.

A definição de TEA consta desde 2013 no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais quinta edição (DSM-5) da American Psychiatric Association (APA) e consiste em um conjunto de condições caracterizadas por algum grau de dificuldade no convívio social, na comunicação verbal e não verbal e interesses específicos por algumas atividades executadas repetidamente. O diagnóstico de TEA vem aumentando consideravelmente nos últimos anos. Nos Estados Unidos, por exemplo, a proporção é de 1 caso em 59 crianças.

Leia também: Aplicativo busca facilitar o diagnóstico de autismo

SBP faz alerta sobre uso de telas por crianças com autismo

Tecnologias, interatividade e impacto na saúde

Há algum tempo, o uso excessivo de telas por crianças vem sendo estudado e os dados das pesquisas mostram um impacto na saúde geral da faixa etária pediátrica, levando ao desenvolvimento de condições que podem se perpetuar na fase adulta, como sedentarismo, obesidade, hipercolesterolemia, tabagismo e distúrbios cognitivos e mentais. Desde 2020, com a pandemia de covid-19, as medidas de isolamento social em todo o mundo possibilitaram um aumento expressivo no tempo de telas, especialmente por crianças e adultos jovens. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a maior parte dos estudos existentes tem focado em métodos tradicionais de mídia, como televisão e videogames. Dessa forma, acaba existindo muito menos evidências disponíveis sobre novas formas de mídia, como tablets ou outras modelos de tecnologia interativa.

Características dos pacientes com TEA:

  • Funções executivas menos desenvolvidas, se esforçando mais para usar a metacognição para fornecer um esclarecimento coerente de suas experiências (a metacognição consiste em um conceito relacionado à consciência e ao automonitoramento do ato de aprender);
  • Mais dificuldade com o automonitoramento e a consciência de suas reações cognitivas e emocionais. Dessa forma, podem ter uma dificuldade particular em desenvolver a consciência de como sua atenção ou comportamento está sendo influenciado por “curtidas”, tokens ou outras práticas de design persuasivos.

Impactos do uso excessivo de telas:

  • Prejuízos na estrutura e no funcionamento cerebrais em indivíduos neurotípicos e encefalopatas. A exposição a telas tem sido associada ao TEA e a outros transtornos do desenvolvimento, pois afeta o relacionamento e a comunicação entre pais e seus filhos, podendo trazer poucas chances de aprendizagem para bebês e crianças pequenas em comparação às atividades sociais da vida real;
  • Interfere no sono (traz prejuízos à qualidade do sono);
  • Interfere em comportamentos saudáveis;
  • Atrapalha o funcionamento acadêmico;
  • Comportamento compulsivo, e/ou excessivo em duração;
  • Aumenta o sedentarismo e, consequentemente, os riscos de obesidade, síndrome metabólica, hipertensão entre outras complicações.

Pais, crianças com TEA e as telas

Os pais, responsáveis e cuidadores de indivíduos com TEA frequentemente apresentam elevados níveis de estresse na rotina diária, sendo mais propensos a utilizar a mídia móvel para acalmar esses pacientes. Nesse caso, dependendo de quanto os pais necessitam das telas para tranquilizar as crianças nos momentos de aflição, o uso das telas pode evoluir com desfechos negativos ou positivos. No entanto, a SBP enfatiza a importância da adoção de abordagens mediadas pelos próprios pais que poderiam melhorar a sintomatologia de seus filhos ao longo do tempo.

Saiba mais: Existe associação entre tratamento para infertilidade e TEA?

Conclusões da SBP

  • Os pediatras devem orientar os pais e cuidadores sobre os prejuízos do uso de telas em crianças com transtornos do desenvolvimento, especialmente com TEA;
  • Os pais devem ser informados sobre a consequência adversa do tempo excessivo de tela na saúde, cognição e nos desfechos comportamentais de longo prazo (um atual problema de saúde pública);
  • É preciso um melhor entendimento da associação dessas experiências modificáveis referentes ao desenvolvimento neuropsicomotor com os desfechos em crianças com TEA, que poderiam proporcionar chances para moderar a predisposição genética;
  • A Academia Americana de Pediatria (AAP) e a SBP já haviam indicado um planejamento da família com relação ao uso de telas por seus filhos para equilibrar o uso de mídia com comportamentos saudáveis. No entanto, não existem diretrizes específicas para TEA;
  • Desfechos positivos no desenvolvimento infantil têm sido observados quando os pais estão socialmente envolvidos no desenvolvimento psicomotor de seus filhos.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo