SCA: quais estratégias não invasivas utilizar quando não há serviço de hemodinâmica? [ABRAMEDE 2018]

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A precariedade do sistema de saúde no Brasil, principalmente na falta de equipamentos e medicamentos, prejudica a qualidade no atendimento e impacta na sobrevida do paciente. Por exemplo, apenas 6,7% dos hospital têm serviço de hemodinâmica. É preciso identificar o que deve ser feito quando não há melhores condições de atendimento.

A recomendação atual, como primeira opção em casos de síndrome coronariana aguda, é sempre a estratificação invasiva, seja com supra de ST seja sem supra de ST. Quais são as estratégias não invasivas nos centros médicos onde não há o serviço de hemodinâmica? Este foi o tema da palestra “Estratificando o risco para Mundo Real”, com moderação de Felipe Gallego Lima.

Há quatro etapas para realizar estratégias não invasivas:

1) Avaliar clinicamente o paciente e calcular o risco TIMI ou o escore de GRACE para identificar a gravidade do caso.

2) Fazer o ecocardiograma visando descartar complicações do quadro de síndrome coronariana aguda. Os parâmetros a serem vistos no ECG são fração de ejeção de ventrículo esquerdo, fração de ejeção do ventrículo direito, anatomia das válvulas, a presença de trombo e de complicações mecânicas;

3) Teste ergométrico, que deve ser a escolha principal quando não há estratificação invasiva;

4) Intervir com tratamento clínico otimizado para o paciente e separar quem dever ser encaminhado para um grande centro com serviço de hemodinâmica de quem pode receber o tratamento clínico otimizado. No segundo caso, dá-se preferência para a dupla antiagregação, com uso de AAS + ticagrelor (primeira opção) ou AAS + clopidogrel e anticoagulação com heparina de baixo peso molecular, preferencialmente a enoxaparina. Essa anticoagulação deve ser por 8 dias ou até a alta hospitalar.

MAIS DO CONGRESSO ABRAMEDE 2018

Lombalgia:

Sepse:

Trauma:

Cetoacidose diabética:

Síndrome coronariana aguda:

Asma grave:

A PEBMED ESTÁ NO ABRAMEDE 2018

Entre os dias 25 e 28 de setembro, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) promove em Fortaleza (CE) a 6ª edição do maior Congresso de Medicina de Emergência Adulto e Pediátrico da América Latina. O evento conta com workshops, cursos e palestras com os maiores especialistas da área. A PEBMED está em Fortaleza e vamos publicar aqui no Portal com exclusividade as principais novidades do evento.

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Eduardo Cardoso de Moura

Posts recentes

ATS 2021: novos tratamentos contra patógenos resistentes – uma pitada de esperança

Uma palestra, no ATS 2021, veio para renovar esperanças com relação à abordagem de patógenos…

47 minutos atrás

ACC 2021: finerenone e redução de fibrilação atrial

Uma análise secundária do FIDELIO-DKD, que avaliou o finerenone em desfechos cardiovasculares e renais, foi…

15 horas atrás

Check-up Semanal: ondansetrona na gestação, mucormicose pós-Covid-19 e mais! [podcast]

Hoje no Check-up Semanal comentamos sobre ondansetrona na gestação, mucormicose pós-Covid-19 e mais. Confira!

16 horas atrás

Extração de colostro: como é em gestantes diabéticas?

Uma revisão selecionou estudos relevantes sobre extração de colostro no período gestacional em mulheres diabéticas.…

17 horas atrás

Inteligência artificial na medicina baseada em evidências: como é?

Através da inteligência artificial, os dados são analisados e interpretados a fim de encontrar padrões…

18 horas atrás

Avaliação placentária através do Doppler das artérias umbilicais

Um artigo da revista Elsevier discutiu possibilidades de avaliação placentária através do Doppler das artérias…

19 horas atrás