Página Principal > Colunistas > Segunda edição da Revista Cientifica da PEBMED já está no ar: baixe grátis
pebmed

Segunda edição da Revista Cientifica da PEBMED já está no ar: baixe grátis

Tempo de leitura: 3 minutos.

O médico, em sua formação, deve adquirir habilidades que o permitam conhecer o seu paciente, o meio em que ele vive, os processos que o levaram à doença, os que determinam sua saúde, e propor medidas para prevenção e tratamento. Além disso, há a formação humanística, de compreensão do ser humano e o desenvolvimento da empatia. Neste texto, falaremos do primeiro aspecto, a construção, modelamento e uso do conhecimento técnico-científico.

Há 20 anos, a maior parte do ensino médico tradicional era baseado em livros textos. Saber as últimas pesquisas e produções era tarefa árdua: ir na biblioteca, consultar o Index Medicus – algo como uma enciclopédia – e depois caçar quais bibliotecas tinham quais revistas, de modo a fazer fotocópia dos artigos de interesse. Com a internet e a globalização, hoje há uma enxurrada de informações, muito mais que qualquer ser humano é capaz de absorver. Isso trouxe novas dificuldades, como identificar quais informações são relevantes, se sua produção foi confiável, se a metodologia empregada é adequada e se aqueles resultados já são passíveis de transposição para a prática diária. Conhecer o processo de pesquisa científica é a base para a solução dessas dificuldades.

Antigamente, a formação do pesquisador ocorria quando o profissional ingressava no mestrado e/ou doutorado. A prática da pesquisa durante a graduação era rara, pois competia com a formação clínica, desejo da maioria dos estudantes. Com a crescente importância do conhecer e contribuir para a pesquisa científica, mudanças importantes foram sendo implementadas, notadamente no século XXI. Na carreira docente, a pesquisa se tornou o eixo central do desenvolvimento e progressão, para alguns até em demasia quando comparado ao incentivo ao ensino e à educação. Na formação discente, a iniciação científica (IC) foi fomentada pela criação de disciplinas, implementação de bolsas remuneradas e reconhecimento da publicação como um dos méritos da formação. E o aluno passou a enxergar a IC não competindo, mas sim contribuindo para sua formação clínica.

O Governo Federal atualizou as diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em medicina em 2014 e colocou a pesquisa científica em diversos itens, considerando o conhecimento científico como a base para a tomada de decisões. Na seção 3, artigo 19, especifica: “promoção do pensamento científico e crítico e apoio à produção de novos conhecimentos” e no artigo 22 define “promoção do pensamento científico e crítico e apoio à produção de novos conhecimentos”, através de “estimular e aplicar o raciocínio científico, formulando perguntas e hipóteses e buscando dados e informações; análise crítica de fontes, métodos e resultados; identificação da necessidade de produção de novos conhecimentos em saúde, a partir do diálogo entre a própria prática, a produção científica e o desenvolvimento tecnológico disponíveis; favorecimento ao desenvolvimento científico e tecnológico voltado para a atenção das necessidades de saúde individuais e coletivas”. E, por fim, finaliza no artigo 25: “O projeto pedagógico do Curso de Graduação em Medicina deverá ser construído coletivamente, contemplando atividades complementares, e deverá criar mecanismos de aproveitamento de conhecimentos, adquiridos pelo estudante, mediante estudos e práticas independentes, presenciais ou a distância, como monitorias, estágios, programas de iniciação científica, programas de extensão, estudos complementares e cursos realizados em áreas afins”.

No currículo médico, a Universidade Federal Fluminense adotou um modelo que pode servir de exemplo. A iniciação científica é hoje disciplina obrigatória, agregada ao conhecimento de epidemiologia e bioestatística, ensinando sobre a busca do conhecimento (pesquisa bibliográfica), a formulação de hipóteses, construção e desenho de estudos, as metodologias disponíveis para testar/validar essas hipóteses, os testes estatísticos mais apropriados e a leitura crítica dos diversos tipos de estudo. Além disso, as bolsas de IC e o crédito suplementar como disciplina optativa ou eletiva estimulam o aluno que deseja praticar a pesquisa clínica em sua formação. E por fim o artigo científico é aceito como uma das formas de trabalho de conclusão de curso e conta pontos no programa de acesso à residência médica em nossa instituição.

A PEBMED, como fomentadora do conhecimento médico, entrou no incentivo à pesquisa científica, sendo a revista uma das formas de participação. Neste número, trouxemos as diretrizes mais atuais de tratamento da esclerose múltipla. Além disso, um belo artigo de revisão comenta do reconhecimento, diagnóstico e tratamento do delirium, patologia multifatorial que todo plantonista de hospital irá atender algum dia em sua vida. Há ainda um texto de autoria do grupo de IC sobre hipertensão da UFF, que versará sobre a importância da pressão arterial no pré-operatório, visto que a hipertensão é uma das causas mais comuns de suspensão das cirurgias eletivas. E, por fim, separamos alguns casos clínicos interessantes, cujo processo diagnóstico e de tratamento serve como base para vivências práticas futuras.

FIQUE POR DENTRO DOS MELHORES CONTEÚDOS SOBRE MEDICINA! CLIQUE AQUI E BAIXE GRÁTIS A 2ª EDIÇÃO DA REVISTA CIENTÍFICA PEBMED.

Autor:

5 Comentários

  1. Avatar

    Boa noite. Como faço pra baixar a revista?

  2. Avatar

    Boa noite! Onde encontro a primeira edição?

  3. Avatar

    Qual o link pra baixar a primeira edição da revista ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.