Saiba quais doenças aumentam o risco cardiovascular futuro durante a gestação

Tempo de leitura: 3 min.

A gestação traz para a vida da mulher praticamente um novo universo com mudanças em seu status  metabólico, imunológico, psicológico, cardiovascular, renal, entre outros.

As várias mudanças necessárias para permitir o desenvolvimento do feto algumas vezes podem trazer consigo dificuldades de adaptação do organismo materno à essas alterações. As adaptações que não são adequadas são fatores etiológicos para hipertensão e  diabetes gestacionais, por exemplo.

Risco cardiovascular

Diante disso, no dia primeiro de abril, a Circulation publicou um artigo com um resumo de orientações da AHA (American Heart Association), observando que 6 doenças que acometem a gestação representaram risco cardiovascular futuro:

  1. síndromes hipertensivas da gravidez;
  2. trabalho de parto prematuro;
  3. diabetes gestacional;
  4. parto de RN pequeno para idade gestacional (PIG);
  5. descolamento prematuro de placenta;
  6. óbitos fetais recorrentes.

A presença de quaisquer uma dessas patologias identificada durante a gravidez, deve ser tomada como fator de risco futuro dessa mulher para doenças cardiovasculares (DCV). As evidências científicas de anos de estudo mostraram:

  • As síndromes hipertensivas durante a gestação aumentam em 67% o risco de DCV futuras e ainda em 83% o risco de AVC. Pré eclâmpsia moderada ou grave elevam em mais de 2 vezes esses riscos. 
  • Diabetes gestacional está associado a aumento de risco para DCV em 68% e aumenta em 10 vezes o risco de diabetes mellitus tipo 2.
  • Os partos prematuros (antes de 37 semanas) dobram as chances de DCV futuras e mostraram forte associação com doença cardíaca tardia e  AVC.
  • Descolamento prematuro de placenta associou-se em 82% de aumento de risco para DCV.
  • Natimorto estão associados com o dobro de risco para DCV.

Leia também: Dietas: qual tem mais mortalidade por doenças cardiovasculares?

Todas essas informações são importantes para valorizar um pré natal bem feito e com atenção. Algumas estratégias para proteger essa mulher durante esse período em que ela comparece de forma mais regular ao médico são:

  • Criar um “quarto trimestre”: seria um período pós parto dedicado à prevenção de DCV para aquelas mulheres identificadas com as patologias apresentadas anteriormente. Esse período pode servir para screening e aconselhamento para as mulheres de risco. 
  • Melhorar a transferência de informações médicas do obstetra para o médico generalista que vai cuidar dessa paciente nos meses seguintes. O prontuário eletrônico bem feito eliminando inconsistências poderia melhorar a prevenção para a paciente. 
  • A terceira estratégia seria criar um histórico simples e objetivo de antecedentes pessoais que confirmasse que essa mulher teve quaisquer um dos 6 fatores de risco relacionados à gestação. 

Uma vez identificadas essas mulheres de risco, um cuidado maior com mudança do estilo de vida, avaliação lipídica mais precoce, ajuste medicamentoso podem salvar o futuro delas.

Conclusões

A gravidez e o período pós-parto podem ser considerados um “ano de ouro” na vida de uma mulher, oferecendo uma rara oportunidade para os médicos identificarem mulheres jovens em risco e trabalharem com elas para melhorar suas trajetórias de saúde cardiovascular.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Megan Brooks. Six Pregnancy Complications Flag Later Heart Disease Risk. 01/04/2021. Disponível em: https://www.medscape.com/viewarticle/948558
Compartilhar
Publicado por
João Marcelo Martins Coluna

Posts recentes

Sintomas psicossociais negativos em pré-escolares associados ao tempo de tela

Estudo concluiu que o tempo de tela de crianças pré-escolares aumentou e foi associado à…

2 horas atrás

ATS 2021: infecções fúngicas em ambiente intra-hospitalar

Infecções fúngicas são uma ameaça na terapia intensiva. Na pandemia de Covid-19, a preocupação aumentou.…

3 horas atrás

Hidroanecefalia x hidrocefalia máxima: você sabe a diferença?

A diferenciação entre hidroanecefalia e hidrocefalia máxima é crucial para a definição do prognóstico neonatal…

4 horas atrás

ACC 21: ablação de fibrilação atrial é superior ao controle de frequência cardíaca em pacientes com IC?

Em estudo apresentado no ACC 2021 avaliou se a ablação de fibrilação atrial é maior ao…

5 horas atrás

Hemorragia puerperal: prevenir com ácido tranexâmico na cesárea diminui a mortalidade?

Um artigo teve como objetivo de estudar uma possível prevenção da hemorragia puerperal com o…

6 horas atrás

CFM divulga resolução definindo como experimental o uso da cloroquina por inalação

O Conselho Federal de Medicina estabeleceu inalação de cloroquina como procedimento experimental no tratamento contra…

7 horas atrás