Pediatria

Semana Mundial de Aleitamento Materno: segurança da amamentação após anestesia

Tempo de leitura: 2 min.

Em 1° de agosto, primeiro dia da Semana Mundial de Aleitamento Materno, o jornal Anesthesia publicou o artigo Guideline on anaesthesia and sedation in breastfeeding women 2020, para incentivar as mães a amamentar normalmente após a anestesia. A amamentação é segura assim que a mãe estiver alerta e capaz de amamentar.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Aleitamento materno após anestesia

Abaixo, encontram-se resumidas as dez recomendações divulgadas no artigo:

  1. As mulheres devem ser incentivadas a amamentar normalmente após a cirurgia;
  2. Não há necessidade de expressar e descartar o leite materno após a anestesia;
  3. Anestésicos e analgésicos não opioides são transferidos para o leite materno em quantidades muito pequenas. Não há evidências de efeitos no lactente para quase todos os medicamentos utilizados no período perioperatório,;
  4. Medicamentos como opioides e benzodiazepínicos devem ser usados ​​com cuidado, principalmente após doses múltiplas e em mães de bebês de até 6 semanas de idade (corrigidos para a idade gestacional). Nessa situação, o bebê deve ser observado quanto a sinais de sonolência anormal e depressão respiratória, principalmente se a mulher também estiver mostrando sinais de sedação;
  5. A codeína não deve ser usada por mulheres que amamentam, devido a preocupações com sedação excessiva em alguns bebês, relacionadas a diferenças no metabolismo;
  6. Qualquer mulher com um bebê com menos de 2 anos de idade deve ser questionada rotineiramente se está amamentando durante a avaliação pré-operatória;
  7. Medidas poupadoras de opioides são preferíveis para a mulher que amamenta. A anestesia local e regional tem benefícios a esse respeito e também interferem menos na capacidade da mulher de cuidar de seu bebê;
  8. Sempre que possível, a cirurgia diurna é preferível para evitar interromper as rotinas normais. Uma mulher submetida à cirurgia durante o dia deve estar acompanhada por um adulto responsável durante as primeiras 24 h. Ela deve ser cautelosa quanto a dormir junto ao bebê ou dormir enquanto alimenta o bebê em uma cadeira, porque ela pode não estar tão responsiva;
  9. O apoio ao aleitamento materno deve ser acessível para mulheres que amamentam e que foram submetidas a procedimentos clínicos e cirúrgicos;
  10. Folhetos explicativos e recursos adicionais contendo informações sobre a compatibilidade de agentes anestésicos e analgésicos durante a amamentação devem estar disponíveis, além de orientações sobre o apoio à amamentação no período perioperatório.

Leia também: Atividade física realizada pelas mães pode aumentar os benefícios da amamentação?

Em resumo, a conclusão do artigo é que os aspectos farmacológicos da anestesia e da sedação requerem poucas mudanças para a lactante. No entanto, cuidados de suporte à mulher no período perioperatório e conselhos precisos garantirão uma interrupção mínima nesta parte tão importante dos cuidados infantis.

O leite materno é recomendado como a melhor fonte de nutrição para bebês e crianças pequenas, pois oferece benefícios significativos para a saúde em curto e longo prazo, tanto para o bebê quanto para a mãe. Isso inclui a proteção do bebê contra doenças da infância e benefícios de saúde em longo prazo, como a redução do risco de obesidade. Os benefícios na saúde materna incluem uma redução no risco de câncer de mama e de ovário e um menor risco de fratura de quadril devido à osteoporose em um período mais tardio.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a amamentação exclusiva até os seis meses de idade e amamentação continuada juntamente com alimentos complementares até os dois anos de idade ou mais.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Mitchell J, Jones W, Winkley E, Kinsella SM. Guideline on anaesthesia and sedation in breastfeeding women 2020: Guideline from the Association of Anaesthetists [published online ahead of print, 2020 Aug 1]. Anaesthesia. 2020;10.1111/anae.15179.
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Fatores de risco para câncer de mama avançado após 2 anos de mamografia negativa

A mamografia pode reduzir em 15% a 20% a mortalidade por câncer de mama, mas…

31 minutos atrás

Relação da disbiose e autismo [podcast]

Dolores Henriques e Paula Hartmann conversam sobre o que há na literatura sobre a relação da…

2 horas atrás

Pré-natal do parceiro: desafios e soluções

O pré-natal do parceiro é uma das formas de inclui-los na paternidade consciente e ativa,…

3 horas atrás

Anemia ferropriva: suplementação de ferro reduz transfusões e tempo de internação 

Estudos analisam a influência da suplementação pré-operatória de ferro sobre resultados cirúrgicos de pacientes com…

4 horas atrás

Avaliação da deficiência de ferro durante a gestação

A deficiência de ferro pode chegar a prevalência de 59% nas gestantes ao redor do…

22 horas atrás

Recomendações pré-concepcionais para paciente com diabetes (tipo 1 ou 2) da ADA

Além da atenção focada em alcançar metas glicêmicas e os cuidados pré-concepcionais de rotina devem…

1 dia atrás