Sífilis na gravidez: a realidade em um hospital público - PEBMED

Sífilis na gravidez: a realidade em um hospital público

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1,5 milhão de gestantes são diagnosticadas com sífilis anualmente. Embora os métodos para o diagnóstico laboratorial e as diretrizes de rastreamento pré-natal estejam amplamente disponíveis e o tratamento seja relativamente simples, a sífilis congênita continua sendo um problema global de políticas públicas de saúde, com uma taxa de mortalidade de recém-nascidos (RN) significativa.

Epidemias recentes de sífilis foram relatadas em todo o mundo, incluindo aumentos alarmantes nas taxas de infecção no Brasil, o que significa que uma melhoria nos cuidados e a prevenção de efeitos adversos são uma necessidade substancial.

mulher com sifiliz na gravidez segurando a barriga

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Sífilis na gravidez

Em recente artigo publicado na Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Torres e colaboradores (2019) avaliaram dados epidemiológicos e obstétricos de gestantes com sífilis no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). O objetivo do estudo foi verificar o conhecimento da sífilis no ciclo gravídico e a transmissão vertical para a realização de futuras ações em saúde pública.

Metodologia

Os autores analisaram registros de gestantes admitidas no Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Clínicas da UFTM, diagnosticadas com sífilis entre 2007 e 2016. Um formulário padronizado enfocando aspectos epidemiológicos, obstétricos e infecção congênita foi utilizado para a coleta de dados.

mulher com sifiliz na gravidez segurando a barriga

Resultados

Os seguintes resultados foram descritos por Torres e colaboradores:

  • 268 gestantes foram diagnosticadas com sífilis;
  • A média de idade das gestantes com diagnóstico de sífilis foi de 23,6 anos. A maioria era proveniente de Uberaba (MG);
  • A assistência pré-natal foi inadequada em 37,9% dos casos;
  • O tratamento para sífilis, de acordo com as diretrizes do Ministério da Saúde, foi realizado por 34,2% das gestantes e por 19,8% dos parceiros;
  • Quatro (1,5%) pacientes evoluíram com aborto;
  • Oito (3,4%) pacientes evoluíram com óbito fetal. Destas, 7 não realizaram tratamento;
  • O parto prematuro ocorreu em 61 (25,9%) gestantes, e a prematuridade foi significativamente associada ao tratamento ausente/incompleto, com 49 (27,9%) casos, comparada a 12 (13,0%) casos nos quais o tratamento foi adequado (p = 0,006);
  • O peso médio dos RN foi de 2.840 g;
  • 25,3% dos RN apresentaram peso inferior a 2.500g;
  • Sífilis congênita foi diagnosticada em 74,2%, dos casos;
  • Os casos de sífilis congênita foram significativamente associados ao pré-natal inadequado, ao tratamento ausente/incompleto, à prematuridade e ao baixo peso ao nascimento.

Conclusão

Diante dos resultados obtidos com este estudo, os autores enfatizam a necessidade e a relevâncias das políticas públicas de conscientização sobre pré-natal adequado, intensificação de rastreamento sorológico e tratamento precoce da sífilis. Essas medidas devem ser aplicadas de forma rigorosa e exaustiva, objetivando o declínio dos casos diagnosticados na gestação e das consequências deletérias potencialmente evitáveis relacionadas à infecção congênita.

LEIA TAMBÉM: Saiba como fazer acompanhamento da sífilis adquirida

Autora:

Referências bibliográficas:

  • TORRES, R. G. et al. Syphilis in Pregnancy: The Reality in a Public Hospital. Rev Bras Ginecol Obstet, n.41, p.90-96, 2019.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. Na nossa região no Hospital Regional de Paraíso também temos estes problemas de sífiles em gestantes.
    em Paraíso do Tocantins _TO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar