Colunistas

Síndrome de Guillain-Barré: quando suspeitar e como tratar

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Em épocas de festas, que frequentemente incluem viagens para regiões diversas – com seu clima e comida diferentes do habitual –, não é incomum a ocorrência de infecções diversas, como respiratória ou digestiva. Como quadros infecciosos costumam ser um dos antecedentes possíveis da Síndrome de Guillain-Barré (SGB), vale a pena rever, de modo prático, a conduta básica nestes casos.

Antes disso, lembremos-nos de quando suspeitar: existem diversas variantes possíveis (ver abaixo, no fim deste texto), mas o quadro típico de SGB é:

  • Fraqueza simétrica, em membros ou face;
  • Sintomas sensitivos leves (pode haver ainda queixa de dor, como lombalgia);
  • Reflexos tendíneos ausentes ou diminuídos.

Itens recomendados para a abordagem diagnóstica:

  • Exame neurológico completo;
  • Líquor (LCR) típico: proteínas > 50; e leucócitos < 20. LCR normal não exclui hipótese de SGB, até porque 50% dos pacientes podem não ter alterações no LCR na 1ª semana.
  • Screening laboratorial básico:
    • Hemograma, eletrólitos, glicemia, CPK, função renal e hepática;
    • Sorologias para: hepatites virais, HIV, EBV, CMV, Herpes 1 e 2, sífilis, VZV, dengue;
    • Avaliar PCR pra Zika (sangue, urina e líquor);
    • Outros: vit.B12, TSH, T4livre, eletroforese de proteínas.
  • Não é indicado Eletroneuromiografia de rotina no início do quadro, pois pode estar normal.

Mais do autor: ‘Suspeita de Creutzfeldt-Jakob: o que fazer’

PRECISA INTERNAR TODO PACIENTE COM SUSPEITA DE SGB?

A decisão sobre internação segue o grau de comprometimento, de acordo com um score de incapacidade no SGB:

1. Conduta alta hospitalar e reavaliar em 48h, quando 0 ou 1 ponto:

  • Assintomático;
  • Sintomas mínimos / capaz de correr.

2. Conduta internação, quando 2 ou mais pontos do score:

  • Deambula > 10 m, sem auxílio;
  • Deambula 10 m, com auxílio;
  • Acamado ou precisa de cadeira de rodas;
  • Ventilação mecânica.

COMO TRATAR?

O tratamento deve ser avaliado de acordo com a presença ou não de critérios de gravidade:

  • Tetraparesia;
  • Acometimentos de nervos cranianos; disfagia; disfonia;
  • Disautonomia (taqui/bradicardia, hipotensão postural e labilidade pressórica), com risco de morte súbita;
  • Ventilometria alterada / insuficiência respiratória;
  • Evolução rápida (escore > 3, em menos de duas semanas).

SEM critérios de gravidade -> Tratamento conservador:

  • Internar no quarto/enfermaria;
  • Observação e ventilometria 3x/dia, com fisioterapeuta;
  • Ideal avaliação de fono;
  • É dispensável Imunogrobulina IV (IGIV).

COM critérios de gravidade -> Tratamento padrão:

  • 1ª opção: IgIV – 0,4 g/kg/dia, infundindo em 6 a 8h, durante 5 dias.
  • 2ª opção: Plasmaferese, com troca de 250 ml/kg, em 5 sessões, em dias alternados (este esquema pode variar, de acordo com a experiência de cada instituição).
  • Não está indicado corticoide.
  • Ventilometria 3x/dia.
  • Considerar IOT se:
    • Hipoxemia (PaO2 < 56 mmHg);
    • Hipercarbia (PaCO2 > 48 mmHg);
    • PI máx < 30 cm H2O;
    • PE máx < 40 cm H2O;
    • CVF < 20 ml/kg;
    • Ou presença de atelectasia ou infiltrado pulmonar.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

VARIANTES:

Além do quadro típico, algumas outras apresentações merecem ser lembradas (como a síndrome de Miller Fisher), pois podem passar despercebidas:

Reprodução
  • SGB clássico: tetraparesia com ou sem envolvimento de nervo craniano motor.
  • SGB paraparético: membros inferiores.
  • Fraqueza faríngo-cervical-braquial: região bulbar, pescoço e membros superiores.
  • Fraqueza bifacial com parestesias (pode haver ptose palpebral ou só paresia de N. abducente).
  • Síndrome de Miller Fisher: oftalmoplegia externa + ataxia + arreflexia.
  • Encefalite de Bickerstaff (“Miller Fisher central”): oftalmoplegia externa + ataxia + hipersonolência.

Autor:

Referências:

  • Wakerley BR, Yuki N. “Mimics and chameleons in Guillain–Barré and Miller Fisher syndromes”Pract Neurol 2015;15:90–99.
  • Dimachkie et al. “Acquired Immune Demyelinating Neuropathies”. Continuum (Minneap Minn) 2014;20(5):1241–1260.
Compartilhar
Publicado por
Henrique Cal

Posts recentes

Monitorização de longo prazo para FA subclínica após AVCi

Pacientes com AVCi devem ser monitorizados para eventos cardíaco nas primeiras 24 horas após o…

26 minutos atrás

Albumina na cirrose hepática: usos além da função de coloide

Apesar de conhecermos a albumina como um coloide, pesquisas mais recentes vêm descobrindo que ela…

1 hora atrás

Uso de pessário associado a progesterona para prevenção de partos prematuros

Artigo publicado apresentou a possibilidade da associação entre pessário e o uso de progesterona na…

2 horas atrás

Psicofobia: O que podemos fazer para que haja mudança social?

A psicofobia é um termo que possui seu significado ligado ao preconceito contra pessoas que…

3 horas atrás

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

22 horas atrás

Síndrome de anticorpo antifosfolipideo: o que precisamos saber?

A síndrome de anticorpo antifosfolípideo é definida cumprindo pelo menos um clínico e um critério…

1 dia atrás