Síndrome de hiperêmese por canabinoides: como diferenciar do vômito cíclico? - PEBMED

Síndrome de hiperêmese por canabinoides: como diferenciar do vômito cíclico?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

A síndrome do vômito cíclico é um distúrbio funcional bastante conhecido e descrito desde o século XIX. Caracteriza-se por episódios recorrentes e intensos de vômitos afetando predominantemente crianças em idade escolar. Porém, o número de casos diagnosticados em jovens e adultos está aumentando progressivamente; embora sua incidência não seja conhecida no nosso meio. Fatores desencadeantes descritos na literatura são: enxaqueca, estresse psicológico, infecções, alimentos como queijo e chocolate e jejum por exemplo. Quando os episódios de vômitos incoercíveis surgem na gravidez, caracteriza-se a hiperemese gravídica. Recentemente temos observado número crescente de adolescentes com síndrome de vômitos incoercíveis relacionados ao uso de maconha. Vários pacientes têm o diagnóstico postergado, pelo tabu de se perguntar sobre uso de drogas ilícitas na anamnese.

Leia também: Anvisa: Autorizados dois novos produtos à base de Cannabis

Síndrome de hiperêmese por canabinoides: como diferenciar do vômito cíclico?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Síndrome de Hiperêmese por Canabinoides

A síndrome de hiperêmese por canabinoides foi reportada pela primeira vez em 2004 por Allen et al, sendo caracterizada por episódios recorrentes e estereotipados de náusea e vômitos associados ao uso diário e crônico de cannabis.

Sua fisiopatologia envolve o Sistema Endocanabinoide, presente no Sistema Nervoso Central, com destaque para centro de controle de náuseas e vômitos no tronco cerebral, e no Sistema Nervoso Entérico. A ativação dos receptores canabinoides reduz náuseas e vômitos por mecanismos centrais e periféricos. Entretanto, o uso prolongado da cannabis (fitocanabinoide agonista dos receptores canabinoides), associado a fatores genéticos e estresse psicológico subjacente (transtorno de estresse pós-traumático, abuso físico e/ou sexual, ansiedade, depressão), induz tolerância e downregulation desses receptores, especialmente do receptor canabinoide 1 (CB1), e ativa o feedback negativo sobre a propriedade antiemética normal. Dessa forma, ocorre a desregulação das vias neurais centrais e mediadores neuroendócrinos, resultando em ataques periódicos de náusea e vômito. Esses sintomas melhoram com o banho quente, pois a água atua nos neuroreceptores aferentes termossensíveis, compensando a desregulação da termorregulação e diminuição da temperatura corporal central causada pela toxicidade da cannabis, além de normalizar a motilidade gastrointestinal e alterar a sinalização vagal.  (Figura 1)

Figura 1. Mecanismo fisiopatológico da Síndrome de Hiperêmese por Canabinoides

Diagnóstico Clínico da Hiperêmese por Canabinoides

Clinicamente os vômitos são acompanhados de dor abdominal epigástrica com irradiação difusa e precedidos de náusea, anorexia e desconforto abdominal. Os episódios melhoram com banho quente e com a cessação do uso da cannabis e ocorrem, inicialmente, em intervalos de dias a semanas, que tendem a reduzir com o tempo se não for tratado.  O curso clínico da síndrome pode ser dividido em três fases. (Figura 2)

Figura 2. Curso clínico da Síndrome de Hiperêmese por Canabinoides

O diagnóstico é exclusivamente clínico, sendo fundamental a investigação do uso crônico da cannabis seguindo os Critérios de Roma IV  (Tabela 1).

Tabela 1. Critérios de Classificação de Roma IV

Critérios Descrição
Essenciais Vômito episódico estereotípico semelhante a Síndrome de hiperêmese por Canabinoides em termos de início, duração e frequência

Apresentação após uso prolongado e excessivo de cannabis

Alívio dos episódios de vômito pela interrupção sustentada do uso de cannabis

Complementares Podem estar associados ao comportamento patológico de banho (banhos quentes ou duchas prolongadas)

Nota: Os critérios devem estar presentes nos últimos 3 meses, sendo o início dos sintomas pelo menos 6 meses antes do diagnóstico.

Diagnóstico Complementar

Na maioria dos casos, os exames laboratoriais, radiográficos e endoscópicos são desnecessários. Os exames complementares geralmente são realizados no pronto-atendimento, visando realizar os diagnósticos diferenciais e identificar as possíveis complicações clínicas. Os testes laboratoriais iniciais devem incluir um hemograma completo, glicemia, perfil lipídico, enzimas pancreáticas e hepáticas, exame de urina, exame de toxicologia urinária e radiografias abdominais. Em pacientes do sexo feminino deve-se incluir teste de gravidez. As complicações clínicas associadas a essa síndrome incluem alcalose metabólica, hipocalemia, lesão renal aguda e lesão esofágica.

Os principais diagnósticos diferenciais a serem considerados diante do quadro agudo são: gastrite, doença do refluxo gastroesofágico, úlcera péptica, apendicite, diverticulite, volvo sigmoide, cólica biliar, pancreatite, nefrolitíase, infecção do trato urinário. Em pacientes do sexo feminino em idade reprodutiva, é incluída a gravidez ectópica e a torção ovariana. Em idosos, especialmente aqueles com hipertensão, as doenças cardiovasculares, como patologia aórtica e síndromes coronarianas podem se manifestar como dor abdominal, náuseas e vômitos.

Saiba mais: O uso de cannabis por mulheres no menacme pode reduzir a fertilidade?

Terapêutica

O principal objetivo terapêutico é a cessação do uso da maconha, sendo fundamental o acolhimento da equipe de saúde e do aconselhamento ao paciente.

Os banhos a altas temperaturas contribuem para a redução dos sintomas, já que a água quente pode conter os efeitos crônicos de estimulação dos receptores canabinoides no centro termorregulador hipotalâmico e promover efeitos antiemético. Em quadros agudos, administra-se benzodiazepínicos via parenteral, além de medidas suportivas de reidratação e administração de antieméticos, como a Ondansetrona.

Pode-se prescrever tricíclicos como Amitriptilina 25-150 mg/dia, para auxiliar na redução dos sintomas de abstinência (náuseas, vômitos, insônia, irritabilidade e ansiedade) e na manutenção dos resultados clínicos.O tratamento adjuvante com o uso de Haloperidol, por provável atuação nos receptores CB1, e creme tópico de capsaicina, por atuação no neuroreceptores aferentes termossensíveis, promove alívio dos sintomas em casos de náuseas e vômitos refratários aos antieméticos convencionalmente usados.

Concluímos que a síndrome de hiperêmese por canabinoides apresenta-se como vômito cíclico, porém já foi definida pelos Critérios de Roma IV como uma entidade patológica diversa. A investigação na história clínica do uso crônico da cannabis tem sido negligenciado, em especial nesse período de estresse da pandemia, retardando o diagnóstico.

Autor(a):

Em conjunto com: Jordana Almeida Mesquita1 e Isabella Barreto de Souza Machado2

1 Acadêmica de Medicina na Universidade Federal de Minas Gerais

Diretora de Pesquisa da Sociedade Brasileira de Ligas Acadêmicas do Aparelho Digestivo (SOBLAD)

Lattes: 4134333640641468

2 Acadêmica de Medicina na Universidade Federal de Minas Gerais

Corpo de Apoio Científico da Sociedade de Acadêmicos de Medicina de Minas Gerais

(SAMMG) Lattes: 5732802318428135

Referências bibliográficas:

  • Gajendran M, Sifuentes J, Bashashati M, McCallum R. Cannabinoid hyperemesis syndrome: definition, pathophysiology, clinical spectrum, insights into acute and long-term management. J Investig Med. 2020;68(8):1309-1316. doi:10.1136/jim-2020-001564
  • DeVuono MV, Parker LA. Cannabinoid Hyperemesis Syndrome: A Review of Potential Mechanisms. Cannabis Cannabinoid Res. 2020;5(2):132-144. Published 2020 Jun 5. doi:10.1089/can.2019.0059
  • Venkatesan T, Levinthal DJ, Li BUK, Tarbell SE, Adams KA, Issenman RM, Sarosiek I, Jaradeh SS, Sharaf RN, Sultan S, Stave CD, Monte AA, Hasler WL. Role of chronic cannabis use: Cyclic vomiting syndrome vs cannabinoid hyperemesis syndrome. Neurogastroenterol Motil. 2019 Jun;31 Suppl 2(Suppl 2):e13606. doi: 10.1111/nmo.13606.
  • Allen JH, de Moore GM, Heddle R, Twartz JC. Cannabinoid hyperemesis: cyclical hyperemesis in association with chronic cannabis abuse. Gut. 2004 Nov;53(11):1566-70. doi: 10.1136/gut.2003.036350.
  • Chu F, Cascella M. Cannabinoid Hyperemesis Syndrome. 2021 Jan 16. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan–.
  • Smith TN, Walsh A, Forest CP. Cannabinoid hyperemesis syndrome: An unrecognized cause of nausea and vomiting. JAAPA. 2019 Apr;32(4):1-5. doi: 10.1097/01.JAA.0000554231.86747.0a.
  • Habboushe J, Sedor J. Cannabinoid hyperemesis acute renal failure: a common sequela of cannabinoid hyperemesis syndrome. Am J Emerg Med. 2014 Jun;32(6):690.e1-2. doi: 10.1016/j.ajem.2013.12.013.
  • Stumpf JL., Williams LD. Management of Cannabinoid Hyperemesis Syndrome: Focus on Capsaicin. Journal of Pharmacy Practice. 2020;089719002093428. doi:10.1177/0897190020934289.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar