Blog do Whitebook

Síndrome inflamatória multissistêmica: caso clínico [podcast]

Tempo de leitura: 3 min.

Neste episódio, a Dra. Dolores Silva e a Dra. Gabriela Balbi, especialistas em Pediatria e conteudistas do Whitebook, falam sobre a síndrome inflamatória multissistêmica (MIS-C). Saiba mais sobre achados clínicos até o momento e tratamento recomendado.

Acompanhe o caso clínico ilustrado para o caso: “Paciente do sexo feminino, de 1 ano e 2 meses de idade, apresenta quadro de febre há 8 dias, associado à diarreia e prostração. Junto a esse quadro, apresenta taquicardia, hipotensão, pulsos finos e perfusão capilar periférica lentificada. A família inteira da criança teve Covid-19 um mês antes da internação e o pai estava internado em caso grave. No ecocardiograma, a criança apresentava disfunção sistólica importante”. 

A MIS-C é uma síndrome nova e em alguns locais o desconhecimento ainda é alto. Seus sintomas são inespecíficos e podem ser confundidos com outras doenças. Além disso, há um grande número de crianças assintomáticas de Covid-19 que dificultam o diagnóstico por conta disso – a MISC geralmente é após infecção pela Covid.

A seguir constam os principais sinais e sintomas a serem questionados na entrevista, complementados, em alguns casos, por particularidades ao exame físico:

  • Febre > 38,5°C persistente (todos os pacientes) – média de 4-6 dias;
  • Tosse;
  • Outros sintomas respiratórios;
  • Dispneia com necessidade de oxigênio;
  • Hipotensão arterial;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Náuseas e vômitos;
  • Conjuntivite não exsudativa;
  • Entre outros.

Leia mais: Podemos utilizar corticoides na síndrome inflamatória multissistêmica em pediatria?

Como distinguimos a sepse da MIS-C?

No caso de um paciente que chega com um quadro de choque, o primeiro passo é a estabilização e a ventilação. É preciso sempre pensar em choque séptico para iniciar o antibiótico o quanto antes e garantir melhora no desfecho. Após esse momento, fazer o histórico epidemiológico, pois como no caso clínico ilustrado no início, se a criança teve Covid ou contato com alguém com a doença, isso pode ser um um indicativo de MIS-C; se ela não responde bem ao antibiótico, etc.

Saiba como fazer a distinção entre a doença de Kawasaki e a síndrome inflamatória multissistêmica escutando o podcast completo.

Veja aqui alguns conteúdos relacionados no Whitebook:

Confira também por outros players:

Não deixe de assinar o canal do Whitebook no Spotify! 😀

Abraços,

Compartilhar
Publicado por
Bruna Lupp

Posts recentes

Relembrando o que é o hipoparatireoidismo

O hipoparatireoidismo é uma condição relativamente rara, causada na maioria das vezes pelo dano cirúrgico…

2 horas atrás

Pandemia impactou no aumento de peso e controle da glicemia dos portadores de diabetes tipo 2

A pandemia de Covid-19 teve um impacto bastante negativo no aumento de peso e controle…

3 horas atrás

Anemia Falciforme: você pode ser um portador deste traço

A anemia falciforme atinge um grande número de brasileiros, dessa forma, os diretos do portador…

4 horas atrás

Escabiose: orientações para o sucesso do tratamento

É importante o paciente com escabiose seguir algumas orientações para tratar a dermatose. Saiba quais…

19 horas atrás

Outubro rosa: Câncer de vulva: update 2021

As neoplasias de vulva respondem apenas por 4% das neoplasias ginecológicas. Saiba mais.

19 horas atrás

Palpação convencional x ultrassom para procedimentos neuroaxiais

Procedimentos neuroaxiais, como punção lombar diagnóstica, são realizados através da palpação de pontos de referência…

20 horas atrás