Síndrome multissistêmica pós-Covid-19: até 100 crianças são internadas por semana, no Reino Unido

Tempo de leitura: 3 min.

No Reino Unido, até 100 crianças estão sendo hospitalizadas semanalmente por síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), que pode surgir semanas depois da infecção pelo vírus SARS-CoV-2¹.

Inicialmente, quando a SIM-P surgiu na primeira onda da pandemia, pensava-se que era doença de Kawasaki. Todavia a SIM-P foi reconhecida como uma nova síndrome pós-viral, acometendo uma em cada 5.000 crianças, aproximadamente um mês após ter tido Covid-19, independentemente de ter ou não apresentado sintomas.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Síndrome multissistêmica

Embora os especialistas não acreditem que a frequência da doença tenha aumentado em relação aos casos na comunidade em geral, os números são maiores do que na primeira onda, com hospitais admitindo até 100 jovens por semana durante a segunda onda, em comparação com cerca de 30 por semana no mês de abril/2020. Segundo reportagem publicada no jornal The Guardian, acredita-se que entre 12 e 15 crianças todos os dias tenham adoecido desde o início de janeiro.

Surgiram casos em muitos lugares, mas a maioria ocorreu em Londres e no sudeste da Inglaterra, áreas onde a nova variante Kent causou um aumento acentuado nas infecções. Ainda de acordo com o jornal, 75% das crianças mais afetadas são negras, asiáticas ou de minoria étnica. Quase quatro em cada cinco crianças são previamente saudáveis, de acordo com um relato de casos ainda não publicado¹.

O The Guardian também divulgou dados coletados por Hermione Lyall, especialista em doenças infecciosas pediátricas e diretora clínica de serviços infantis no Imperial College Healthcare NHS Trust em Londres, que expôs o impacto totalmente desproporcional que a doença está tendo nas crianças de minoria étnica.

Leia também: Covid-19: alterações imunológicas em crianças com síndrome inflamatória multissistêmica

Em um webinar recente que contou com a participação de mais de 1 mil pediatras, a Dra. Lyall mostrou um “primeiro relatório nacional” do Reino Unido com 78 pacientes com SIM-P que foram internados em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica. Destes, 47% eram de origem afro-caribenha e 28% eram de origem asiática. Estes números representam entre cinco e seis vezes mais do que os 14% da população total do Reino Unido que são minoria étnica¹.

No Brasil

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) divulgou, em 03/02/2021, uma atualização de casos de SIM-P no Estado. Segundo o FVS-AM, foram notificados dois casos novos este ano: um bebê do sexo masculino de 1 ano de idade em Manaus e uma adolescente de 14 anos de Iranduba. Ambos seguiam internados em Manaus. Dessa forma, o número de casos registrados de SIM-P no Amazonas tinha subido para 17. Destes, 11 pacientes receberam alta médica, dois permaneciam internados e três evoluíram para óbito².

No Brasil, a SIM-P é de notificação nacional obrigatória³. A ficha de notificação pode ser acessada através deste link.

Aqui no país, não encontrei dados que apontem esse aumento. Na minha prática hospitalar na cidade do Rio de Janeiro, onde trabalho, tenho observado, inclusive, uma redução do número de casos de SIM-P. Para uma visão mais apurada, é necessário que aguardemos a divulgação de dados mais específicos e robustos sobre o tema.

Autora:

Referências bibliográficas:

  1. THE GUARDIAN. “Up to 100 UK children a week hospitalised with rare post-Covid disease”. 2021. Disponível em: https://www.theguardian.com/world/2021/feb/05/up-to-100-uk-children-a-week-hospitalised-with-rare-post-covid-disease Acesso em: 14/02/2021
  2. GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. “FVS-AM atualiza casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) no Amazonas”. 2021. Disponível em: http://www.fvs.am.gov.br/noticias_view/4428 Acesso em: 14/02/2021
  3. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. “SBP alerta sobre obrigatoriedade de notificação da síndrome inflamatória multissistêmica”. 2020. Disponível em: https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/sbp-alerta-sobre-obrigatoriedade-de-notificacao-da-sindrome-inflamatoria-multissistemica/ Acesso em: 14/02/2021
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Como abordar a queda abrupta de saturação em paciente intubado?

Pacientes intubados podem apresentar pioras na saturação periférica de oxigênio, cuja abordagem deve ser rápida…

12 minutos atrás

STRIDE II: o que há de novo nos alvos terapêuticos das doenças inflamatórias intestinais?

A IOIBD publicou, recentemente, uma atualização dos alvos terapêuticos das doenças inflamatórias intestinais. Saiba mais.

1 hora atrás

Vacina HPV: câncer cervical diminui incidência, mas outros cânceres induzidos aumentam

Apesar das regressões de cânceres cervicais, o aumento de neoplasias de outros sítios também relacionadas…

2 horas atrás

Medidas de proteção contra Covid-19 podem alterar a incidência de outras doenças

Com o início da pandemia de Covid-19, várias medidas de proteção têm sido estabelecidas com…

3 horas atrás

Como a vacina da Pfizer contra Covid-19 se comporta em pacientes com doenças reumáticas?

Diversas vacinas têm sido utilizadas no combate à pandemia da Covid-19, dentre elas, a vacina…

5 horas atrás

Médicos e pacientes devem notificar efeitos adversos das vacinas para a Anvisa

Médicos e pacientes devem notificar os efeitos adversos das vacinas no portal da Agência Nacional…

6 horas atrás