Página Principal > Colunistas > Síndrome PFAPA: você sabe o que é e como diagnosticar?
estetoscopio

Síndrome PFAPA: você sabe o que é e como diagnosticar?

Tempo de leitura: 3 minutos.

A Síndrome PFAPA se caracteriza por quatro manifestações clínicas: febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite cervical. Esta síndrome se enquadra em inúmeros diagnósticos diferenciais na infância, porém apenas em 1987 foi reconhecida com uma afecção clínica.

Sua patogênese ainda é desconhecida, entretanto muitos estudos acreditam que a associação de fatores ambientais e imunológicos contribuam para a aparição da doença em indivíduos geneticamente susceptíveis. Sendo assim, é comum o relato de mais de um caso da patologia em uma mesma família.

É difícil precisar a incidência da Síndrome PFAPA no Brasil, devido em parte ao desconhecimento de tal patologia e à falta de diagnóstico em muitos casos. Utilizando dados epidemiológicos de outros países podemos observar um discreto predomínio pelo sexo masculino, porém sem predileção por grupos étnicos, sendo de 2 a 5 anos a faixa etária de maior incidência dos casos.

Em relação às manifestações clínicas da Síndrome PFAFA, devemos apontar a febre alta como o principal sintoma, que tem como característica uma duração de 3-7 dias, pouca resposta a antitérmicos e anti-inflamatórios, além de ocorrência em intervalos regulares de 3-6 semanas. Outros sintomas comuns são a faringite exsudativa, linfonodomegalia cervical e aftas orais. Boa parte dos pacientes referem mal estar, fadiga e irritabilidade precedendo os episódios de febre.

O diagnóstico se baseia em cinco critérios clínicos, que são:

1 – Febre que recorre regularmente em crianças menores de 5 anos de idade
2 – Pelo menos um dos seguintes sinais clínicos: estomatite aftosa, linfadenite cervical e faringite
3 – Exclusão de neutropenia cíclica
4 – Intervalos assintomáticos entre os episódios
5 – Crescimento e desenvolvimento normais

É de suma importância lembrar que outras doenças febris da infância devem ser descartadas como faringoamigdalites virais e bacterianas, doença de Behçet e a neutropenia cíclica, que também se manifesta com febre em intervalos regulares porém associada à redução do número de neutrófilos abaixo de 500 células/mm³.

Nem toda faringite é bacteriana, nem mesmo viral!

Exames laboratoriais não são específicos para a Síndrome PFAPA, logo não são de grande valia para o diagnóstico. Durante os episódios de febre podemos encontrar leucocitose com predomínio de neutrófilos, além de aumento da PCR e VHS. Alguns especialistas ainda sugerem a realização da cultura de orofaringe visando descartar as possíveis patologias infecciosas.

O tratamento consiste no uso de corticoesteroides para o controle dos episódios febris, sendo mais usada a prednisolona em dose única ou betametasona no início da crise. Alguns estudos demonstraram associação da síndrome com deficiência de vitamina D, logo a reposição de tal vitamina também pode ser considerada uma forma de tratamento. A amigdalectomia ainda é controversa sendo apenas proposta em casos reservados, nos quais o intervalo entre as crises é muito curto ou não responde à medicação.

Portanto, cabe ao pediatra estar sempre atento aos diagnósticos diferenciais de febre na infância, nunca esquecendo de patologias como a Síndrome de PFAPA.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Um comentário

  1. Pelo vista, atualmente, a reposição de vitamina D virou “a salvação da humanidade” Não sei como a raça humana conseguiu sobreviver, nos primeiros tempos, sem reposição de vitamina. D.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.