Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Farmacologia / Síndromes toxicológicas: como identificar?
síndromes toxicológicas

Síndromes toxicológicas: como identificar?

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Síndromes toxicológicas são corriqueiros na rotina do emergencista deparar-se com situações de intoxicação. Muitas vezes a história vem pronta, mas quando não é evidente. Como suspeitar?

Em situações como:

  • Rebaixamento de sensório sem causa aparente
  • Convulsões sem história prévia
  • Acidose metabólica inexplicável
  • Arritmia cardíaca súbita
  • Histórico de tentativa de suicídio

Ou qualquer doença aguda inexplicável. Na avaliação inicial, além da história clínica, caso seja possível coletar com paciente ou familiares, no exame físico, em especial, deve-se atentar para:

  • Nível de consciência
  • Frequência cardíaca
  • Frequência respiratória
  • Pressão arterial
  • Temperatura axilar e aspecto da pele e mucosas
  • Pupilas

De modo geral, as síndromes podem ser divididas em dois grupos – O que já auxilia no raciocínio diagnóstico:

Excitatórias: Anticolinérgicos (escopolamina, atropina), Simpaticomiméticos (cocaína, anfetaminas, efedrina), alucinógenos (ecstasy), abstinência

Depressoras: álcool, sedativo-hipnóticos, opioides, colinérgicos (organofosforados, inseticidas). Nas síndromes excitatórias, o paciente apresenta-se taquicárdico, hipertérmico, midriático. Mas como diferenciar a Síndrome Anticolinérgica da Síndrome Simpaticomimética? Através da pele, pressão arterial e nível de consciência:

ACHADO Anticolinérgica Simpaticomimética
Freq. Cardíaca Aumentada Aumentada
Nível de consciência Rebaixado Agitado
Pele e mucosas Flushing / secas Pegajosa / pálida / úmida
Temperatura axilar Aumentada Aumentada
Pupilas Midriáticas Midriáticas
Pressão arterial Diminuída Aumentada

Já nas síndromes depressoras, os pacientes costumam apresentar-se com rebaixamento de sensório e com pupilas mióticas, com as peculiaridades citadas abaixo:

Colinérgica Opioide Sedativo-hipnótico
Pressão arterial Aumentada (nicotínico) ou reduzida (muscarínico) Hipotensão Hipotensão
Freq. Cardíaca Aumentada (nicotínico) ou reduzida (muscarínico) Reduzida Reduzida
Temperatura Normal Hipotermia Hipotermia
Outros achados Salivação, Lacrimação, Urinação, Defecação, Gastrointestinais sintomas, Êmese (SLUDGE) Hiporreflexia Hiporreflexia

É importante ressaltar que a correta identificação da síndrome pode fazer uma grande diferença no manejo do paciente tendo em vista que a dosagem dos tóxicos no sangue é muitas vezes indisponível e que o tratamento precoce pode evitar complicações fatais inclusive morte.

O tratamento de cada condição será discutido em uma próxima postagem.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • American Heart Association – ACLS for Experienced Providers – 2017
  • J.J. Rasimas, Assessment and Management of Toxidromes in the Critical Care Unit – Crit Care Clin 33 (2017) 521–541

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.