Leia mais:
Leia mais:
Cirurgia na DREZ para dor crônica: Você sabe o que é?
Telas cirúrgicas: as telas biológicas são melhores?
Além da pandemia: retrospectiva 2020 de cirurgia
Por dentro do Whitebook: já conhece as imagens nos conteúdos de cirurgia?
Existem evidências do benefício do tratamento para refluxo em lactentes com crises de choro?

Sleeve vs bypass em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

O paciente obeso é bastante propenso a doença do refluxo gastroesofágico visto que possuem uma elevada pressão intra-abdominal. Aqueles pacientes com refluxo e obesidade mórbida são tradicionalmente candidatos à cirurgia de bypass gástrico (GBP), visto que a gastrectomia vertical (GV) pode exacerbar os sintomas de refluxo. 

No entanto, existe uma corrente que defende que após o emagrecimento, os sintomas de refluxos diminuiriam e portanto uma GV poderia ser realizada mesmo em pacientes sintomáticos. 

Pela menor complexidade da cirurgia do GV, e sua realização ultrapassando o GBP nos EUA, um grupo resolveu realizar uma análise da real influência da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), nos pacientes submetidos a cirurgia bariátrica.

Leia também: Cirurgia de contorno corporal melhora a durabilidade da perda de peso após bariátrica 

Sleeve vs bypass em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Métodos

Estudo tipo coorte retrospectivo, com pareamento entre os grupos na proporção 1:1 em pacientes que se submeteram a GV ou GBP, com pelo menos 1 ano de acompanhamento pré-operatório documentado. Ao final da análise inicial foram pareados 8.362 pacientes para cada braço do estudo (n total = 16.724)

Resultados

A presença de doença do refluxo pré-operatória foi identificada em 77% do grupo GBP e 80% GV (p<0,001), sendo a grande maioria apenas refluxo sem esofagite e/ou esófago de Barrett. A taxa de re-hospitalização foi maior no GBP (p<0,001) enquanto a duração da internação para a realização da cirurgia foi menor no GV (p<0,001).

Quanto à doença do refluxo gastroesofágico no pós-operatório, foi mais frequente no grupo GV, independente se o paciente possuía refluxo antes da cirurgia ou não (p<0,001). Quando analisado esofagite apenas, não houve diferença entre os grupos, enquanto o esófago de Barrett foi mais frequente na GBP (p=0,007). O surgimento de DRGE somente após a cirurgia também foi mais frequente no grupo GV (p=0,01), no entanto sem diferença em esofagite ou esófago de Barrett. Quanto ao uso de medicação antiácida, os protocolos podem variar a cada instituição e assim também não houve diferença estatística. 

Discussão

Este estudo retrospectivo, se baseou na paridade de pacientes, incluindo o tempo de observação a fim de chegar a resultados mais conclusivos. Importante foi salientar que a cirurgia de gastrectomia vertical apesar de maiores índices de DRGE não está relacionada a maiores incidências de esofagite e/ou esôfago de Barrett, sendo o esófago de Barrett até mais frequente no GBP. Na análise deste estudo o GBP apresentou um pequeno benefício no que tange a DRGE, no entanto os pacientes apresentaram maiores taxas de reinternação. 

Saiba mais: Quais cuidados primários devem ser tomados após uma cirurgia bariátrica?

Um recente consenso sobre GV, foi quase que universal a opinião que a GV não é uma opção quando o paciente apresenta esôfago de Barrett, porém não se tem dados consistentes sobre a progressão desta metaplasia em pacientes submetidos a GV nem a GBP.

Em conclusão, apesar das diversas limitações do estudo e a maior frequência de DRGE em gastrectomia vertical, não foram observadas maiores taxas de esofagite nem metaplasia e, portanto, isso desafia a noção que GBP é superior que GV em pacientes portadores de DRGE.

Para levar para casa

Não é apenas de esofagite que medimos a DRGE. Quem vive a realidade da cirurgia bariátrica sabe, na prática, que alguns pacientes devem ser convertidos para bypass devido a refluxo intratável mesmo sem esofagite. Mas o ponto interessante do artigo é que podemos não ser radicais em contraindicar a GV em pacientes selecionados que apresentam refluxo.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Leslie D, Wise E, Sheka A, Abdelwahab H, Irey R, et al. Gastroesophageal Reflux Disease Outcomes After Vertical Sleeve Gastrectomy and Gastric Bypass. Annals of Surgery. 2021;274:646-653. doi: 10.1097/SLA.0000000000005061.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar