Gastroenterologia

Sleeve vs bypass em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico

Tempo de leitura: 3 min.

O paciente obeso é bastante propenso a doença do refluxo gastroesofágico visto que possuem uma elevada pressão intra-abdominal. Aqueles pacientes com refluxo e obesidade mórbida são tradicionalmente candidatos à cirurgia de bypass gástrico (GBP), visto que a gastrectomia vertical (GV) pode exacerbar os sintomas de refluxo. 

No entanto, existe uma corrente que defende que após o emagrecimento, os sintomas de refluxos diminuiriam e portanto uma GV poderia ser realizada mesmo em pacientes sintomáticos. 

Pela menor complexidade da cirurgia do GV, e sua realização ultrapassando o GBP nos EUA, um grupo resolveu realizar uma análise da real influência da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), nos pacientes submetidos a cirurgia bariátrica.

Leia também: Cirurgia de contorno corporal melhora a durabilidade da perda de peso após bariátrica 

Métodos

Estudo tipo coorte retrospectivo, com pareamento entre os grupos na proporção 1:1 em pacientes que se submeteram a GV ou GBP, com pelo menos 1 ano de acompanhamento pré-operatório documentado. Ao final da análise inicial foram pareados 8.362 pacientes para cada braço do estudo (n total = 16.724)

Resultados

A presença de doença do refluxo pré-operatória foi identificada em 77% do grupo GBP e 80% GV (p<0,001), sendo a grande maioria apenas refluxo sem esofagite e/ou esófago de Barrett. A taxa de re-hospitalização foi maior no GBP (p<0,001) enquanto a duração da internação para a realização da cirurgia foi menor no GV (p<0,001).

Quanto à doença do refluxo gastroesofágico no pós-operatório, foi mais frequente no grupo GV, independente se o paciente possuía refluxo antes da cirurgia ou não (p<0,001). Quando analisado esofagite apenas, não houve diferença entre os grupos, enquanto o esófago de Barrett foi mais frequente na GBP (p=0,007). O surgimento de DRGE somente após a cirurgia também foi mais frequente no grupo GV (p=0,01), no entanto sem diferença em esofagite ou esófago de Barrett. Quanto ao uso de medicação antiácida, os protocolos podem variar a cada instituição e assim também não houve diferença estatística. 

Discussão

Este estudo retrospectivo, se baseou na paridade de pacientes, incluindo o tempo de observação a fim de chegar a resultados mais conclusivos. Importante foi salientar que a cirurgia de gastrectomia vertical apesar de maiores índices de DRGE não está relacionada a maiores incidências de esofagite e/ou esôfago de Barrett, sendo o esófago de Barrett até mais frequente no GBP. Na análise deste estudo o GBP apresentou um pequeno benefício no que tange a DRGE, no entanto os pacientes apresentaram maiores taxas de reinternação. 

Saiba mais: Quais cuidados primários devem ser tomados após uma cirurgia bariátrica?

Um recente consenso sobre GV, foi quase que universal a opinião que a GV não é uma opção quando o paciente apresenta esôfago de Barrett, porém não se tem dados consistentes sobre a progressão desta metaplasia em pacientes submetidos a GV nem a GBP.

Em conclusão, apesar das diversas limitações do estudo e a maior frequência de DRGE em gastrectomia vertical, não foram observadas maiores taxas de esofagite nem metaplasia e, portanto, isso desafia a noção que GBP é superior que GV em pacientes portadores de DRGE.

Para levar para casa

Não é apenas de esofagite que medimos a DRGE. Quem vive a realidade da cirurgia bariátrica sabe, na prática, que alguns pacientes devem ser convertidos para bypass devido a refluxo intratável mesmo sem esofagite. Mas o ponto interessante do artigo é que podemos não ser radicais em contraindicar a GV em pacientes selecionados que apresentam refluxo.

Referências bibliográficas:

  • Leslie D, Wise E, Sheka A, Abdelwahab H, Irey R, et al. Gastroesophageal Reflux Disease Outcomes After Vertical Sleeve Gastrectomy and Gastric Bypass. Annals of Surgery. 2021;274:646-653. doi: 10.1097/SLA.0000000000005061.
Compartilhar
Publicado por
Felipe Victer

Posts recentes

Guia sobre diagnóstico, transmissão e prevenção das hepatites D e E [e-book]

O que você sabe sobre as menos conhecidas hepatites D e E? Clique no botão…

14 horas atrás

Check-up semanal: Risco de demência pós delirium, infecção urinária em mulheres e muito mais!

Qual o impacto do delirium na demência? A pregabalina é eficaz no tratamento da dor…

15 horas atrás

Gravidez e artrite reumatoide: quais os efeitos do uso de TNFi para bebê e gestante?

Estudos sobre efeitos negativos de TNFi durante a gestação são conflitantes quando tratamos de complicações…

16 horas atrás

Mecônio no líquido amniótico pode ser um fator de proteção para sibilância na infância

Estudo mostra diminuição da incidência de sibilância infantil em bebês nascidos de mulheres com líquido…

17 horas atrás

Cirurgia bariátrica: Efeitos a longo prazo de sleeve e bypass na remissão do diabetes

Existem duas técnicas que dominam o campo operatório: a gastrectomia vertical (GV ou sleeve) e…

18 horas atrás

Uma disbiose revisitada: vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma disbiose polimicrobiana que está entre as mais comuns causas de…

20 horas atrás