Pediatria

Sociedade Brasileira de Pediatria ressalta a relevância do diagnóstico precoce do câncer pediátrico através do Setembro Dourado

Tempo de leitura: 5 min.

No mundo todo, o mês de setembro foi eleito para fortalecer a conscientização sobre a relevância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil, através da figura de um laço dourado. Com o intuito de informar sobre o tema, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) publicou, em 01° de setembro, o documento “Setembro é dourado – A Sociedade Brasileira de Pediatria é parceira nesta causa”, preparado pelo Departamento Científico de Oncologia da SBP.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), a estimativa é de 8.460 casos novos de câncer infantojuvenil para o triênio 2020-2022 no Brasil, sendo 4.310 para o sexo masculino e 4.150 para o sexo feminino. Esses números equivalem a um risco estimado de 137,87 casos novos por milhão no sexo masculino e de 139,04 por milhão para o sexo feminino. 

Vale lembrar que, nas últimas décadas, mudanças nas causas de morbidade e mortalidade associadas a transformações demográficas, sociais e econômicas vêm ocorrendo no país. As mortes por câncer entre crianças, adolescentes e adultos jovens representam a segunda causa de óbito. No entanto, esse parâmetro pode ser diferente conforme a região. Lamentavelmente, muitos pacientes ainda não são encaminhados aos centros de tratamento em vigência de doença avançada. Daí a importância da campanha “Setembro Dourado”. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Tipos de câncer mais frequentes em pediatria

Em crianças e adolescentes, as neoplasias malignas mais comuns são diferentes das que ocorrem tipicamente no paciente adulto quanto à evolução, topografia e histologia e tendem, em geral, a:

  • Exibir períodos menores de latência;
  • Crescer, quase sempre, de forma rápida;
  • Ser invasivas;
  • Ter melhor resposta à quimioterapia.

Os tipos histológicos mais frequentes de câncer infantojuvenil são as leucemias, os tumores do sistema nervoso central e os linfomas.

Prevenção do câncer infantojuvenil

Com relação a prevenção, o documento enfatiza que não existem, até o presente momento, evidências científicas que demonstrem que fatores de risco ambientais relacionados ao estilo de vida estejam associados ao câncer infantojuvenil. Além disso, alterações genéticas que possam favorecer o desenvolvimento de um determinado tipo de câncer em pacientes pediátricos são raras (na maioria das vezes, não há relato de história familiar e/ou de associações com alterações genéticas ou congênitas). Todavia, o retinoblastoma apresenta origem genética em 40% dos casos (nessa situação, é essencial realizar aconselhamento genético).

Dessa forma, é crucial informar sobre a importância da identificação precoce do câncer, com o objetivo de melhorar as chance de cura, de sobrevida e de qualidade de vida desses pacientes. Apesar de ser raramente possível prevenir a ocorrência do câncer em pediatria, o pediatra deve sempre aconselhar a família com relação aos fatores de risco para o desenvolvimento de câncer na vida adulta. As orientações incluem:

  • Incentivar a família a evitar o fumo;
  • Estimular o aleitamento materno e adotar uma dieta balanceada, por meio de alimentos pobres em gordura, ricos em fibras, isentos de aflatoxinas, nitritos, hidrocarbonetos aromáticos policíclicos;
  • Manter o peso adequado;
  • Reduzir as infecções com agentes carcinogênicos, como bactéria Helicobacter, vírus da hepatite B, vírus Epstein Barr, HPV tipo 16 e 18, HIV e HTLV1, entre outros;
  • Evitar exposição excessiva ao sol e a radiações;
  • Evitar o sedentarismo e a ingestão de bebidas alcoólicas;
  • Fornecer noções de higiene;
  • Orientar sobre exposições ocupacionais, como benzeno, amianto, agrotóxicos e outras. 

Manifestações clínicas que servem de alerta para o câncer infantojuvenil

Comumente, o quadro clínico do câncer infantojuvenil é muito inespecífico, sendo frequente o paciente pediátrico não se apresentar com estado geral comprometido no início da doença. O pediatra deve estar atento aos seguintes sinais e sintomas:

  • Leucocoria;
  • Estrabismo, nistagmos de início repentino;
  • Exoftalmia, equimose palpebral, heterocromia, anisocromia;
  • Aumento de volume em qualquer região do corpo, principalmente indolor e sem febre, podendo estar associado ou não a sinais inflamatórios;
  • Equimoses pelo corpo em regiões pouco frequentes, sobretudo quando não associadas a algum tipo de trauma;
  • Dores persistentes nos ossos, nas articulações e nas costas, especialmente se desperta a criança à noite, associadas ou não a edema, massa ou limitação funcional;
  • Fraturas, sem trauma;
  • Sinais precoces de puberdade: acne, voz grave, ganho excessivo de peso, pelos pubianos ou aumento do volume mamário nas meninas menores de 8 anos de idade e nos meninos menores de 9 anos de idade;
  • Cefaleia persistente e progressiva, associada ou não a vômitos, diabetes insipidus, neurofibromatose, alterações na marcha, no equilíbrio e na fala, além de perda de habilidades desenvolvidas e alterações comportamentais;
  • Febre prolongada, perda de peso, palidez ou fadiga persistentes e inexplicadas;
  • Prurido/sudorese noturna;
  • Aumento inexplicado de volume testicular;
  • Dor abdominal/massa abdominal;
  • Hematúria, hipertensão arterial inexplicadas por outras causas;
  • Hepatoesplenomegalia;
  • Dor nas costas, que piora na posição supina, com ou sem sinais de compressão medular;
  • Nevos com modificação de características prévias em áreas de exposição solar ou de atrito;
  • Obstrução nasal, sangramentos inexplicados;
  • Otalgia crônica e/ou otorreia crônica, especialmente se associada a dermatite seborreica;
  • Sangramento vaginal;
  • Tosse seca e persistente, edema de face e turgência de jugular inexplicadas;
  • Linfonodomegalia cervical baixa em adolescente;
  • “Dor de dente” rebelde ao tratamento.

Leia também: Qual o impacto do atraso no tratamento de diferentes tipo de câncer sobre a mortalidade?

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico definitivo é feito através de exame cito ou histopatológico de uma amostra da lesão ou do tumor.

O tratamento é iniciado conforme o diagnóstico e engloba diversas modalidades, como quimioterapia, radioterapia, cirurgia, imunoterapia, transplante de medula óssea ou de órgãos.

Idealmente, diagnóstico e tratamento devem ser conduzidos em centro especializado em oncologia pediátrica, por equipe interprofissional e individualizado para cada tipo histológico específico e segundo o estadiamento da doença. 

Sobrevida

No Brasil, segundo estudo divulgado pelo INCA e Ministério da Saúde, supõe-se que a sobrevida do câncer em pacientes com idades entre 0 e 19 anos é de 64%. No entanto, esses números diferem conforme as regiões do país, retratando prováveis desigualdades no alcance ao diagnóstico e ao tratamento. No momento atual, aproximadamente 80% de crianças e adolescentes com câncer podem ser curados, se diagnóstico e tratamento forem feitos em centros especializados pediátricos com protocolos cooperativos.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Hematoma subdural: caso clínico na emergência [podcast]

Neste episódio, o Dr. Felipe Nóbrega vai falar sobre o hematoma subdural no contexto de…

5 horas atrás

Acometimento neurológico em crianças com síndrome hemolítico-urêmica típica: dados de uma revisão retrospectiva

A síndrome hemolítico-urêmica (SHU) é um quadro grave, sendo a principal causa de insuficiência renal…

6 horas atrás

Anestesia e hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma das doenças endócrinas mais comuns e caracterizado pela baixa atividade da…

7 horas atrás

Cinco dicas para falar sobre fertilidade com seus pacientes

De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres…

8 horas atrás

CHEST 2021: Abordagem da fístula aérea persistente em pacientes com pneumotórax

Pacientes com pneumotórax são cada vez mais comuns dentro da UTI, especialmente no contexto da…

9 horas atrás

CHEST 2021: Tratamento cirúrgico no DPOC: quando e como indicar?

A DPOC acomete milhões de pessoas em todo o mundo e é a terceira maior…

10 horas atrás