Anestesiologia

Soluções de irrigação para procedimentos endoscópicos

Tempo de leitura: 3 min.

Com a prevalência cada vez maior de técnicas cirúrgicas minimamente invasivas, aumentam os riscos específicos dessas abordagens. Procedimentos como ressecção transuretral da próstata, ressecção transuretral de tumor de bexiga, ressecção transcervical de endométrio, ablação endometrial e artroscopias, contam com fluidos como agentes para irrigação e manutenção do campo visual cirúrgico. Entender as propriedades e os potenciais riscos associados ao uso de cada fluido de irrigação é primordial para orientar o manejo de possíveis complicações.

A solução de irrigação ideal deveria ser:

  • Transparente;
  • Não conduzir corrente elétrica;
  • Isotônico e atóxico;
  • Barato e fácil de esterilizar.

Leia também: Noradrenalina perioperatória em acesso periférico

Porém, tal solução ideal ainda não foi descoberta e as principais soluções existentes hoje, são:

  • Solução salina: Isotônica, com risco de desenvolver acidose hiperclorêmica.
  • Solução de ringer lactato: Isotônica, com risco de desenvolver alcalose e hipocalemia, devido ao metabolismo hepático do lactato em bicarbonato.
  • Glicina: Hipotônica. Pode provocar depressão miocárdica direta, convulsões e encefalopatia.
  • Manitol: Isotônica. Causa uma rápida expansão do volume intravascular, podendo levar a hipervolemia, edema pulmonar e insuficiência cardíaca em pacientes susceptíveis.
  • Sorbitol: Hipotônica. Efeito diurético e laxativo. Pode causar hiperglicemia.

As complicações com o uso das soluções de irrigação para procedimentos endoscópicos ocorrem em torno de 21%. A principal e mais comum é a absorção inadvertida de grande quantidade dessas soluções, levando a hipervolemia. A taxa de absorção se dá através do gradiente entre a pressão de irrigação e a pressão venosa. Geralmente, essa taxa de absorção é de 10 a 30mL/min, variando com o tipo de cirurgia (com maior ou menor exposição de plexos venosos) e tempo cirúrgico.

A complicação mais temida é a hiponatremia dilucional, que leva a edema cerebral e aumento da pressão intracraniana. Outras complicações são: depressão miocárdica, convulsões, edema agudo pulmonar, hiperglicemia, encefalopatia e coma.

A síndrome de absorção inadvertida de solução de irrigação pode se apresentar com cefaléia, alteração do nível de consciência, desorientação, distúrbios visuais, taquipneia, náuseas e vômitos, dispnéia e hipotermia.

O tratamento é de suporte clínico, com o reconhecimento rápido do desenvolvimento da síndrome gerando melhores resultados. Suplementação de oxigênio, ventilação com pressão positiva se necessário e uso de diuréticos com cautela pois podem aumentar a perda de sódio e piorar a hiponatremia. Em caso de qualquer complicação, o anestesiologista deve registrar o ocorrido na ficha anestésica, assim como o tratamento escolhido.

Dicas para reduzir o risco de desenvolvimento da síndrome de absorção inadvertida de solução de irrigação:

  • Evitar hipotensão, mantendo uma pressão venosa adequada, mesmo que para isso seja necessário o uso de vasopressores.
  • Reduzir ou mesmo restringir o tempo de procedimento.
  • Utilizar a solução de irrigação na menor pressão possível e aquecida.
  • Monitorar o balanço hídrico perioperatório.
  • Manter-se vigilante para sinais e sintomas precoces da síndrome.

Autor:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Bruno Vilaça

Posts recentes

Mais de 20 conteúdos novos no Whitebook

Acesse o blog e confira quais são os mais de 20 conteúdos novos do Whtebook,…

2 horas atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 1

A anemia por deficiência de ácido fólico é um tipo de anemia megaloblástica e a…

3 horas atrás

Síndrome de abstinência neonatal e iatrogênica em neonatologia – diferenças e semelhanças

Revisão detalhada e original sobre a síndrome de abstinência neonatal a opioides causada pela exposição…

4 horas atrás

Quando a apneia do sono não precisa ser tratada

Na medicina moderna o sobre diagnóstico é uma situação muito comum. Ele pode ser definido…

4 horas atrás

Por que o LGG na diarreia aguda? [Vídeo]

A diarreia aguda tem uma duração inferior a duas semanas e que em uma maioria…

5 horas atrás

Infecções periprotéticas: diferenças entre as culturas do líquido articular e as intraoperatórias

Um estudo teve como objetivo avaliar o desempenho diagnóstico da cultura do líquido sinovial para…

6 horas atrás