Coronavírus

Sputnik V: Sob condições controladas, Anvisa autoriza importação excepcional para mais estados

Tempo de leitura: 2 min.

Nesta terça-feira, 15, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu autorização para a importação excepcional da vacina Sputnik V por mais sete estados brasileiros, sendo eles o Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Amapá, Paraíba e Goiás.

Esses estados agora se juntam a Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco e Piauí, que, no início do mês de junho, também receberam permissão para importação excepcional da Sputnik V. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Quantidade de doses da Sputnik V

Com a autorização desta terça-feira, a quantidade de doses será restrita a 1% da população de cada um dos estados solicitantes, totalizando 592 mil doses. As vacinas serão distribuídas da seguinte forma: 

  • Rio Grande do Norte – 71 mil doses;
  • Mato Grosso – 71 mil doses;
  • Rondônia – 36 mil doses;
  • Pará – 174 mil doses;
  • Amapá – 17 mil doses;
  • Paraíba – 81 mil doses;
  • Goiás – 142 mil doses.

Leia também: Vacina da Pfizer é autorizada pela Anvisa para crianças com mais de 12 anos

Condições para a importação

  • As condições impostas pela Anvisa preveem que a vacina deve ser aplicada apenas para a imunização de adultos saudáveis;
  • Os lotes importados da Sputnik V somente poderão ser destinados ao uso após liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) da Fiocruz; 
  • A agência também receberá relatórios periódicos de avaliação benefício-risco do imunizante; 
  • A Sputnik V deverá ser utilizada em condições controladas, com condução de estudo de efetividade, delineamento acordado com a Anvisa e executado conforme as Boas Práticas Clínicas; 
  • A importação, a distribuição e o uso das vacinas importadas, poderá ser suspenso a qualquer momento pela agência reguladora.

O imunizante

A vacina de vetor viral chamada de Sputnik V utiliza dois adenovírus diferentes: Ad26 e Ad5, um em cada dose do imunizante. O objetivo dos pesquisadores é que isso resulte em uma resposta imunológica mais forte e duradoura. O vetor viral é uma plataforma que, além de segura e eficaz, permite a produção em larga escala.

Segundo os resultados preliminares, divulgados na revista Lancet, a vacina teve cerca de 92% de eficácia contra a Covid-19, além de se mostrar segura. 

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas: 

Compartilhar
Publicado por
Luciano Lucas

Posts recentes

Delirium em pacientes com Covid-19

Artigo abordou o delirium na Covid-19, chamando a atenção dos profissionais de saúde para um…

42 minutos atrás

A felicidade nas empresas: Chief Happiness Officer (CHO), uma nova possibilidade profissional

Felicidade não é só uma questão pessoal. Pessoas felizes adoecem menos e desenvolvem maior resiliência…

2 horas atrás

Manejo das infecções virais durante a gestação

Infecções virais durante a gestação são muito comuns e podem levar a aumento da morbimortalidade…

18 horas atrás

Anestesia no Paciente Chocado: confira os conteúdos atualizados em Anestesiologia

O app nº 1 do Brasil conta mais de 100 conteúdos publicados esta semana. Atenção…

18 horas atrás

Diagnóstico e manejo da encefalopatia de Hashimoto

A encefalopatia de Hashimoto é caracterizada por início subagudo de confusão com alteração do nível…

19 horas atrás

Varíola dos macacos: Estados Unidos tem primeiro caso identificado em quase duas décadas

Especialistas alertam que a varíola dos macacos trata-se de uma doença tropical rara e grave,…

20 horas atrás