Página Principal > Emergências > Tansulosina: alfa-bloqueador facilita a saída de cálculos?

Tansulosina: alfa-bloqueador facilita a saída de cálculos?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Cálculos de via urinária são verdadeiros transtornos na vida de médicos e pacientes. O desconforto lancinante causado pelas famosas pedras no rins e ureter são parte do dia a dia de emergencistas, clínicos e urologistas. Muito além de uma rápida e eficaz analgesia, deve-se estabelecer um plano terapêutico para retirada do cálculo. Uma das medicações mais utilizadas na prática para auxiliar a eliminação destes cálculos é tansulosina, um alfa-bloqueador.

Estudos prévios do uso de tansulosina sugeriram não haver benefício para facilitar a passagem de cálculos ureterais com menos de 10mm. Agora, pesquisadores conduziram uma revisão sistemática e meta análise de diversos ensaios clínicos randomizados da tansulosina, estratificando os resultados por tamanho do cálculo (< 4mm vs. 4 a 10mm).

Tansulosina na passagem de cálculos

Foram analisados oito estudos randomizados, incluindo 1.384 pacientes, com cálculos menores que 10mm. Pacientes receberam tansulosina (0,4 mg/dia) ou placebo por 3, 4 ou 6 semanas. Aproximadamente em 85% dos casos as pedras foram eliminadas com tansulosina vs. 66% dos pacientes utilizando placebo, uma significante diferença de risco de 17%. Não houve diferença significativa em sintomas como tonteira e hipotensão ortostática entre grupos.

Quiz: por que esses cálculos são negros?

Quando analisado dados dos subgrupos não houve diferença na progressão de pedras em pacientes com cálculos < 4mm (diferença de risco 0%), porém houve uma diferença significativa no subgrupo 4 a 10 mm (diferença de risco de 22%, NNT = 5).

Esta revisão sistemática demonstra que o pacientes com cálculos 4 a 10mm se beneficiam significativamente do uso de tansulosina. Pacientes com cálculos menores que 4mm não se beneficiam, e pacientes com cálculos maiores que 10 mm dificilmente excretam seus cálculos sem uma intervenção urológica. Nestes casos, médicos emergencistas devem chamar o sobreaviso ou consulta externa do urologista o quanto antes.

Diretrizes

As diretrizes das principais sociedades reconhecem o uso off-label de alfa-bloqueadores como uma opção de tratamento inicial para pacientes com pedras ureterais recentemente diagnosticadas, não complicadas e com < 10 mm de tamanho, cujos sintomas são controlados.

Pedra nos rins

Alguns casos de cálculos de via urinária são completamente assintomáticos, e sua presença é detectada em exames de rotina ou durante a investigação de outras doenças. A presença de sintomas como dor e disautonomia são decorrentes da obstrução da via urinária pelo cálculo impactado.

Os fatores de risco são:

  • Hipercalciuria
  • Hiperoxaluria
  • Hipocitraturia
  • História familiar
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes
  • Obesidade
  • Gota
  • Dieta de risco (baixo consumo de cálcio dietético, alto consumo de oxalato dietético, alto consumo de proteína animal, alto consumo de sódio e baixo consumo de líquidos)

O diagnóstico deve ser confirmado por exame de imagem (TC abdominopélvica sem contraste) e exames laboratoriais (urinálise, ureia e creatinina, eletrólitos, PTH e ácido úrico na presença de vômitos e alteração na função renal, proteína C-reativa e hemograma completo na presença de febre) devem ser solicitados. Saiba mais no Whitebook!

Referências:

4 Comentários

  1. IRACEMA DA SILVA MENEZES

    o cloridato de tansulosina pode ser usado para cálculo renal em mulher?

  2. ROBSON LOPES DE ABREU

    o urologista passou tansulosina, tenho um calculo de 0,6 cm, ele é bom mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.