Reumatologia

Tendinopatia glútea: fisioterapia e educação postural vs corticoide injetável

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A tendinopatia glútea acomete uma em cada quatro mulheres com mais de 50 anos. Um novo artigo do British Medical Journal, publicado em maio, comparou os efeitos de três abordagens: programa de exercícios com fisioterapia e educação postural, uso de corticosteroide injetável ou nenhum tratamento na dor.

Para esse estudo prospectivo, randomizado, conduzido na Austrália, pesquisadores selecionaram 204 indivíduos com idades entre 35 a 70 anos, com tendinopatia glútea confirmada por diagnóstico clínico e ressonância magnética. As abordagens foram:

  1. Fisioterapia e educação postural; de 14 sessões durante oito semanas (n = 69),
  2. Injeção de corticosteroide (n = 66)
  3. Nenhum tratamento (n = 69)

Os desfechos primários foram mudança na condição de quadril (em uma escala de 11 pontos, dicotomizada para sucesso e não sucesso) e intensidade de dor (0 = sem dor, 10 = pior dor) em oito semanas, com acompanhamento a longo prazo na 52ª semana.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

Resultados

Entre os participantes, 189 completaram o estudo. O “sucesso” na mudança na condição do quadril em oito semanas foi de 51/66 para o grupo 1 (fisioterapia + educação postural), 38/65 para o grupo 2 (corticosteroide) e 20/68 para o grupo 3 (nenhum tratamento). Na 52ª semana, os números foram: 51/65 para o grupo 1, 36/63 para o grupo 2 e 31/60 para o grupo 3.

Em oito semanas, a dor relatada na escala de classificação numérica teve pontuação média de 1,5 para o grupo 1, 2,7 para o grupo 2 e 3,8 para o grupo 3. Na 52ª semana, os números foram: 2,1 para o grupo 1, 2,3 para o grupo 2 e 3,2 para o grupo 3.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que para a tendinopatia glútea, a educação postural + fisioterapia e o uso de corticosteroides injetáveis resultaram em taxas mais altas de melhora global e menor intensidade de dor do que nenhum tratamento, sendo a educação postural + fisioterapia a abordagem mais eficaz.

Fratura de quadril: o papel da equipe clínica

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Mellor Rebecca, Bennell Kim, Grimaldi Alison, Nicolson Philippa, Kasza Jessica, Hodges Paul et al. Education plus exercise versus corticosteroid injection use versus a wait and see approach on global outcome and pain from gluteal tendinopathy: prospective, single blinded, randomised clinical trial BMJ 2018; 361 :k1662
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

11 horas atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

12 horas atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

12 horas atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

13 horas atrás

Resultados da denervação seletiva para rizartrose

A rizartrose é extremamente comum, com prevalência estimada em 15% dos pacientes acima de 30…

15 horas atrás

Há como predizer quem vai ter uma parada cardiorrespiratória (PCR) em FV ou TV?

Estudo buscou desenvolver um algoritmo para identificar quem teria maior risco de parada cardiorrespiratória (PCR)…

16 horas atrás