Ter ansiedade na meia-idade aumenta risco de demência? - PEBMED

Ter ansiedade na meia-idade aumenta risco de demência?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

A ansiedade é um preditor cada vez mais reconhecido de deterioração cognitiva e evidências sugerem que também pode ser um fator de risco independente para a demência. Em novo artigo do British Medical Journal (BMJ), um grupo de pesquisadores realizou uma revisão sistemática da literatura sobre o diagnóstico de ansiedade e risco a longo prazo para demência.

As bases de dados utilizadas foram Medline, PsycINFO e Embase, desde o começo até março de 2017. Foram selecionadas as publicações relatando HR / OR para demência por todas as causas, que mediram a ansiedade clinicamente significativa e relataram um intervalo médio entre a avaliação da ansiedade e o diagnóstico de demência de, pelo menos, 10 anos.

demencia

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Ansiedade e demência

No total, quatro estudos foram elegíveis, com uma amostra combinada de 29.819 indivíduos. Todos os estudos encontraram uma associação positiva entre ansiedade clinicamente significativa e demência subsequente. Devido à heterogeneidade entre os estudos, uma meta-análise não foi realizada.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que ter ansiedade na meia-idade está associado a um risco aumentado de demência ao longo de um intervalo de, pelo menos, 10 anos, o que indica que a ansiedade pode ser um fator de risco para a demência.

Tratamento para ansiedade deve continuar por, no mínimo, 1 ano após melhora clínica

Referências:

  • Gimson A, Schlosser M, Huntley JD, et al Support for midlife anxiety diagnosis as an independent risk factor for dementia: a systematic review BMJ Open 2018;8:e019399. doi: 10.1136/bmjopen-2017-019399

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. Mário César Pereira da Silva

    Está confirmado que o uso prolongado de diazepinicos e sedativos com efeito antimuscarinos tem relação com demência senil.
    Pergunto, será que a causa da demência, no resultado deste estudo, é pela ansiedade da meia idade, ou pelo tratamento realizado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar