Home / Colunistas / Terapia não hormonal na pós-menopausa para tratamento de sintomas vasomotores, o que há de evidências?

Terapia não hormonal na pós-menopausa para tratamento de sintomas vasomotores, o que há de evidências?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Apesar da terapia hormonal ser o tratamento de primeira linha para os sintomas vasomotores do Climatério, há muitas mulheres que têm medo da utilização de hormônios e outras possuem, de fato, contraindicações, como histórico de câncer de mama, doenças tromboembólicas, ou até mesmo estão fora da janela de oportunidade da terapia estrogênica, ou seja, estão a mais de 10 anos da menopausa.

Considerando que os sintomas vasomotores perduram de 5 a 7 anos em média, podendo se estender até mesmo mais de 15 anos, torna-se indispensável buscarmos outras alternativas não hormonais para aliviar as queixas das pacientes. Fogachos, insônia, parestesia em membros podem ser tratados de forma efetiva com determinadas drogas disponíveis no mercado, bem como com mudanças de estilo de vida.

Leia também: Saiba como iniciar e quando parar a terapia hormonal no climatério

Mulher na pós-menopausa em terapia não hormonal

Antidepressivos

Esses são a primeira linha quando se há contraindicação hormonal, apesar da Paroxetina ser a única droga liberada pelo Food and Drug Adminitration para tratamento dos sintomas vasomotores climatéricos, ela pode estar associada com aumento de apetite e ganho de peso. Outras drogas como Cloridrato de Venlafaxina, Desvenlafaxina e Citalopram, Encitalopram, Fluoxetina e Sertralina também são efetivas. Estima-se que esses antidepressivos sejam capazes de reduzir os sintomas vasomotores em até 70%.

Gabapentina

Utilizada usualmente no tratamento de epilepsia, esta droga pode ser uma boa opção para as pacientes que também possuem importante distúrbio do sono. As evidências trazem resultados de até 60% de melhora.

Fitoterápicos

Infelizmente, cemicifugae racemosa, maca peruana, crinum, ginsen, ômega 3 e inhame selvagem não mostraram respostas maiores do que placebo na grande parte dos trabalhos realizados até o momento

Isoflavona

Trata-se de um fitohormônio que se ligam aos receptores de estrogênio, com características agonistas e antagonistas a ele, entretanto, sua potencia é considerada menor do que 100 vezes ao do hormônio estradiol. Além disso, as isoflavonas podem trazer a sensação de inchaço, gases, desencadear episódios diarreicos,  estando também na lista de uma das substâncias mais alergênicas dos EUA e Canadá. Trabalhos avaliados por uma revisão da Cochrane em 2013 mostraram  que a isoflavona não parecem ter efeito superior a placebo.

Saiba mais: O que devo conhecer sobre o climatério e a sexualidade feminina?

Terapias não medicamentosas

A North American Menopause Society avaliou em 2015 diversas mudanças comportamentais como: diminuição da ingesta de álcool, meditação, realização de atividade física (yoga, caminhada e outros exercícios aeróbicos), técnicas de meditação, porém, nenhuma dessas atividades demonstrou resultados melhores de redução de sintomas vasomotores nos estudos avaliados

Já a perda de peso maior que 5 Kg, ou redução igual ou maior que 10% do IMC, se mostrou efetivo na redução de até 56 % dos sintomas vasomotores.

Outros tratamentos incluindo como terapia cognitiva comportamental e técnicas de hipnose parecem impactar positivamente na melhora dos sintomas vasomotores dessas pacientes, sendo necessários mais estudos no assunto para essa constatação.

Efeito Placebo               

De forma muito impressionante, ensaios clínicos avaliados pela North American Menopause Society observaram que o efeito placebo pode chegar em até mesmo 60% de eficácia nas mulheres, sendo mais presentes  naquelas que possuem distúrbio de ansiedade.

Portanto, há hoje diversas opções alternativas de conduzir o climatério livre de hormônio.  A escolha deve ser compartilhada com a paciente, oferecendo alternativas terapêuticas, pondederando os efeitos colaterais, e também o efeito placebo.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Lethaby A, Marjoribanks J, Kronenberg F, Roberts H, Eden J, Brown J. Phytoestrogens for menopausal vasomotor symptoms. Cochrane Database Syst Rev. 2013;(12):CD001395. Published 2013 Dec 10. doi:10.1002/14651858.CD001395.pub4
  • Nonhormonal management of menopause-associated vasomotor symptoms: 2015 position statement of The North American Menopause Society. Menopause. 2015;22(11):1155‐72 doi:10.1097/GME.0000000000000546
  • Clapauch R et al, Fitoestrogênios: Posicionamento do Departamento de Endocrinologia Feminina da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, SBEM, 2002. doi: 10.1590/S0004-27302002000600013.
  • The 2017 Hormone Therapy position statement of The North American Menopause Society. Menopause 2017;24(7):72853. doi: 10.1097/GME.0000000000000921

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.