Coronavírus

Terceira dose: Estudo traz informações sobre sua eficácia em Israel

Tempo de leitura: 3 min.

À medida que a pandemia avança no tempo, estudos em relação à necessidade de uma terceira dose de vacina e ao melhor esquema vacinal vão tendo seus resultados publicados.

Apesar de estudos iniciais demonstrarem aumento nos níveis de anticorpos neutralizantes, o benefício de uma dose extra de imunizante na vida real não é ainda conhecido. Um dos países pioneiros em conseguir ampla cobertura vacinal de sua população, Israel iniciou a vacinação com a terceira dose em julho de 2021, inicialmente para indivíduos considerados de alto risco e posteriormente para todos os com 60 anos de idade ou mais. Recentemente, dados que procuraram avaliar o impacto dessa dose adicional nos casos de Covid-19 no país foram publicados na The New England Journal of Medicine.

Materiais e métodos

Os dados foram extraídos do sistema do Ministério da Saúde de Israel e incluíram datas de vacinação, informações em relação a resultados de PCR, datas de hospitalização por Covid-19, variáveis demográficas e status clínico (doença leve ou grave).

Para estimar a redução nas taxas de infecção confirmada e de doença grave, foram analisados os dados dessas duas taxas entre pacientes com dose booster e entre pacientes com duas doses. As taxas foram calculadas na forma de casos confirmados e de doença grave por pessoas-dias sob risco. A vacinação foi feita com a BNT162b2 (Pfizer). As análises foram ajustadas por idade, sexo, grupo demográfico e data da segunda dose.

Saiba mais: Afinal, quantas doses da vacina anti-Covid-19 serão necessárias?

Resultados

O grupo que recebeu uma dose booster incluiu aproximadamente 10,6 milhões de pessoas-dias sob risco (6,3 milhões para a análise de casos graves), com 934 casos de infecção confirmados e 29 casos de doença grave. O grupo que recebeu as duas doses de vacina, sem dose adicional, inclui cerca de 5,2 milhões de pessoas-dias sob risco (4,6 milhões para a análise de casos graves), com 4439 casos confirmados e 294 casos de doença grave.

A taxa de infecções confirmadas foi menor no grupo que recebeu a terceira dose por um fator de 11,3 (IC 95% = 10,4 – 12,3). A diferença absoluta na taxa de casos confirmados entre os grupos foi de 86,6 infecções a cada 100.000 pessoas-dia. A taxa de infecções graves também foi menor no grupo que recebeu uma dose booster em relação ao grupo de duas doses por um fator de 19,5 (IC 95% = 12,9 – 29,5). A diferença absoluta das taxas entre os grupos foi de 7,5 casos a cada 100.000 pessoas-dia. Em análise secundária, a taxa de infecção após pelo menos 12 dias após a administração da dose da vacina foi menor do que a mensurada com 4 e 6 dias.

Os autores destacam que alguns vieses podem não ter sido bem controlados no estudo e podem ter influenciado os resultados, como diferenças de comportamento entre indivíduos que procuraram administração de uma terceira dose e os que não o fizeram e a tendência a menor frequência de testagem diagnóstica nos primeiros dias após vacinação.

Leia também: Ministério da Saúde aprova dose de reforço para profissionais de saúde

Mensagens práticas

  • A administração de uma terceira dose de vacina em indivíduos com 60 anos ou mais esteve associada a uma menor taxa de infecção e de doença grave por SARS-CoV-2 em relação a indivíduos com duas doses.
  • Pela política de vacinação de Israel, a terceira dose foi administrada no mínimo 5 meses após o término do esquema usual de duas doses. Somente o imunizante da Pfizer foi avaliado.
  • Os autores supõem que a introdução e circulação da variante Delta seja o motivo do aumento do número de casos no país mesmo após ampla cobertura vacinal. Imunossenescência e redução nos níveis de anticorpos são outros fatores que podem ter contribuído para esse fenômeno. O estudo não avaliou o impacto que diferentes variantes podem ter sobre a vacinação, mas os resultados sugerem uma boa eficácia contra a variante Delta, predominante no país no momento de sua realização.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Bar-On, YM, Goldberg, Y, Mandel, M, Bodenheimer, O, Freedman, L, Kalkstein, N, Mizrahi, B, Alroy-Preis, S, Ash, N, Milo, R, Huppert, A. Protection of BNT162b2 Vaccine Booster against Covid-19 in Israel. September 15, 2021. doi: 10.1056/NEJMoa2114255
Compartilhar
Publicado por
Isabel Cristina Melo Mendes

Posts recentes

Mediastinite fibrosante: o que precisamos saber

A mediastinite fibrosante (MF) é uma doença rara, caracterizada pela proliferação de fibrose localmente invasiva…

9 horas atrás

Check-up Semanal: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e mais!

No check-up semanal de hoje, confira: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e…

10 horas atrás

Como aplicar uma evidência na prática: decisão médica compartilhada

A nova edição da Revista PEBMED abordará Medicina Baseada em Evidências. Aqui, comentamos sobre o uso…

11 horas atrás

Critérios para insuficiência hepática aguda pediátrica: Orientações baseadas a partir do painel PODIUM 

A insuficiência hepática aguda é uma síndrome complexa, grave e rara em crianças e apresenta…

13 horas atrás

Existe algum grupo de maior risco entre os pacientes com score de cálcio 0 na tomografia de coronárias?

O score de cálcio 0 é associado com baixo risco de eventos cardiovasculares e pode…

14 horas atrás

Nutrição Enteral na UTI: 10 dicas para a prática clínica

A importância da nutrição no paciente grave tem sido cada vez mais reconhecida, especialmente nos…

15 horas atrás